O coronavírus pode causar efeitos neurológicos

maio 22, 2020
Perda do olfato e do paladar, neuralgias, tontura, confusão mental e até casos específicos de encefalopatias. Especialistas estão observando que, além de problemas respiratórios graves, o COVID-19 também causa efeitos neurológicos.

Dizem que o SARS-CoV2 é como um complexo quebra-cabeça biológico que deve ser decifrado aos poucos. Sob a lente de um microscópio, analisando bem os sintomas e as alterações que ele causa em nosso corpo, seu mecanismo de ação é revelado um pouco mais a cada dia. No entanto, esse patógeno continua gerando mais dúvidas do que respostas. Agora, sabemos que o coronavírus também pode causar efeitos neurológicos.

Há alguns meses, a Universidade Tsinghua, em Pequim, revelou que nosso mecanismo celular confunde o RNA viral com o próprio material genético, dando acesso a ele e até nos levando a desenvolver proteínas virais. Todos nós conhecemos o impacto que o novo coronavírus tem sobre o sistema respiratório, algo que o COVID-19 compartilha com o MERS e o SARS.

No entanto, o vírus que desencadeou a pandemia atual tem uma carga infecciosa mais alta, fazendo com que seu impacto viral seja até 1000 vezes maior do que os outros. O Hospital Schwabing Munique, por exemplo, aponta que, nos primeiros dias, toda essa carga fica na garganta da pessoa infectada, favorecendo a disseminação da doença.

Posteriormente, no 7° ou 8° dia, são os pulmões que começam a ter problemas; há algumas semanas, a comunidade científica revelou um novo efeito que poderia explicar o porquê desses problemas respiratórios. A origem do COVID-19 estaria, talvez, em nosso sistema nervoso central.

Coronavírus na corrente sanguínea

A ciência aponta que o coronavírus também pode causar efeitos neurológicos

Todos nós já ouvimos falar de como o coronavírus funciona, fazendo com que os pacientes percam o olfato e o paladar. Especialistas no campo da rinologia, como a Drª. Claire Hopkins, do King’s College London, já descreveram esse efeito.

Essa condição não é um efeito do sistema respiratório, mas do sistema nervoso central. Além disso, algo que muitos médicos estão comprovando diariamente nos pacientes afetados é que eles estão apresentando inúmeras manifestações de origem neurológica.

Há casos em que foi possível observar danos cerebrais. Em uma pesquisa realizada pelos médicos Yan-Chao Li, Wan-Zhu Bai e Tsutomu Hashikawa, da Universidade de Pequim, foram feitas tomografias em pacientes que permitiram observar que, de fato, o coronavírus também pode causar efeitos neurológicos.

36,4% dos pacientes apresentam manifestações neurológicas

Médicos da Universidade de Siena, na Itália, vêm analisando esse fato há semanas. O Dr. Antonio Federico explica em um artigo que 36,4% dos pacientes apresentam distúrbios neurológicos. A Sociedade Italiana de Neurologia na região da Lombardia está tentando desenvolver uma pesquisa para analisar melhor essas realidades clínicas.

Em média, as manifestações observadas relacionadas ao sistema nervoso central são as seguintes:

  • Hipogeusia (perda do paladar).
  • Hiposmia (perda do olfato).
  • Neuralgia (dor na cabeça, no pescoço e no rosto).
  • Enxaqueca.
  • Confusão mental.
  • Dores musculares intensas.
  • Vertigem com náusea e vômito.
  • Foram descritos casos específicos de pacientes que sofreram encefalopatias, como o caso apresentado pelos médicos Gassan Shajin e Daniel Noujam. Há também outro relato médico de uma paciente de 58 anos que desenvolveu uma doença neurológica rara que alterou seu estado mental.
  • Em 21 de março, a Drª. Asia Filatov, da Faculdade de Medicina Charles E. Schmidt, na Flórida, descreveu outro caso: um paciente com COVID-19 desenvolveu outra encefalopatia.

O coronavírus pode causar efeitos neurológicos e esta pode ser a causa dos problemas respiratórios

Enquanto o SARS de 2002 e o MERS tiveram um impacto evidente no sistema respiratório, os cientistas especulam algo diferente em relação ao COVID-19.

Nesse caso, o sistema nervoso central estaria mediando os problemas respiratórios agudos. É o que afirmam os médicos Yan-Chao Li, Wan-Zhu Bai e Tsutomu Hashikawa.

Segundo os especialistas, o mecanismo de ação seria o seguinte:

  • O SARS-Cov2 infecta os centros do tronco encefálico que controlam a respiração. Além disso, algo que eles observaram é que em todos os casos de infecção, essa região cerebral parece altamente infectada.
  • O vírus também afeta os neurônios cardiorrespiratórios do cérebro a ponto de inibir a respiração espontânea.
Teste para detectar o coronavírus

Compreender o mecanismo de ação do coronavírus nos proporciona uma vantagem para retardar seu avanço

Já sabemos que o coronavírus pode causar efeitos neurológicos. Sabemos também que a pneumonia aguda é fatal em alguns pacientes. Conhecemos sua origem, seu mecanismo de ação e suas consequências. No momento, todos esses dados, independentemente do impacto que geram, são ferramentas de conhecimento. 

Saber como esse inimigo imperceptível funciona nos proporciona uma vantagem. É fato que hoje ainda não dispomos de ferramentas para reduzir sua carga viral em nosso organismo, para reduzir o índice de mortalidade a zero. No entanto, ao decifrarmos o quebra-cabeça do seu código genético, obteremos uma vantagem.

Embora na maioria dos casos a doença seja leve, as perdas diárias continuam a nos prejudicar indescritivelmente.

Agora, só podemos continuar com o confinamento para diminuir a curva de contágio, esperando que os cientistas encontrem uma vacina. O trabalho silencioso, mas persistente e corajoso de nossos especialistas nos permitirá controlar essa pandemia para superarmos essa fase.

Vamos torcer para que seja em breve.

  • Neo Poyiadji, Gassan Shahin(2020) COVID-19–associated Acute Hemorrhagic Necrotizing Encephalopathy:Radiology Mar 31 202 doi.org/10.1148/radiol.2020201187
  • Yan-Chao Li Wan-Zhu Bai, Tsutomu Hashikawa (2020) The Neuroinvasive Potential of SARS-CoV2 May Play a Role in the Respiratory Failure of COVID-19 Patients. Journal Medicine Virology DOI: 10.1002/jmv.25728