Conselhos psicológicos para lidar com o pânico causado pelo coronavírus

março 20, 2020
As fake news, a sensação de pânico e a desconfiança são os piores inimigos diante da pandemia de coronavírus. Neste texto, vamos trazer alguns conselhos psicológicos para enfrentar essa situação. Confira a seguir.

Na sociedade em que vivemos nos dias de hoje, sabemos que não há vírus mais perigoso do que o próprio medo. Basta dar uma olhada nas suas redes sociais para ver como as notícias estão sendo compartilhadas a todo segundo, causando um medo que chega até o nível do pânico. Em meio a todo esse contexto de ansiedade, não há melhor remédio do que seguir alguns conselhos psicológicos para lidar com o pânico causado pelo coronavírus.

Órgãos como a American Psychological Association (APA) informam que a população foi afetada por outro tipo de infecção até mesmo mais perigosa do que a a doença da qual todo mundo está falando: a ansiedade diante do próprio coronavírus.

A compra de máscaras e de álcool gel disparou, e nos assustamos quando alguém espirra perto de nós. Muitos estão inclusive mudando seus hábitos de vida. São muitas as pessoas que, por exemplo, desistiram de pegar aviões ou comparecer a eventos grandes.

Estamos levando a situação ao limite? Talvez. É um exagero sentir medo diante desse contexto? Não, não é.

Sentir medo e ansiedade diante da presença de um novo vírus é algo lógico e compreensível. No entanto, o medo deve agir sempre como um sistema de alerta, e não de alarme. Deve nos ajudar a reagir de maneira razoável e lógica, e não a entrar em pânico e ter vários comportamentos irracionais. É assim que podemos dar o melhor de nós e é assim que enfrentaremos qualquer problema da melhor maneira.

Conseguir fazer isso, reagir de maneira adequada diante das circunstâncias que vivemos no momento, exige algumas considerações importantes. Vejamos a seguir.

Conselhos psicológicos para lidar com o pânico causado pelo coronavírus

3 conselhos para enfrentar o pânico causado pelo coronavírus

Algumas pessoas estão dizendo que o COVID-19 foi o último a sair da caixa de Pandora dos vírus. É possível que seja verdade, mas mesmo assim há mais uma coisa que estava dentro dessa caixa mítica criada por Hefesto após uma ordem de Zeus. Estamos falando da esperança.

Não podemos esquecer que nossos sistemas de saúde estão muito bem preparados e que, por décadas, fomos capazes de enfrentar várias doenças e epidemias, como SARS e MERS.

Dessa forma, especialistas como o acadêmico Baruch Fischhoff, membro da American Psychological Association (APA) e especialista em percepção de risco e ciência do comportamento, dizem que situações de perigo exigem o melhor de nós mesmos.

Segundo suas próprias palavras, Em situações de crise, as pessoas devem se unir, se apoiar mutuamente e agir com coragem. Se nos deixarmos levar pelo pânico, nos privaremos da oportunidade de agir de maneira coordenada”. Vejamos, portanto, quais são os conselhos psicológicos que devemos ter em mente para lidar com o pânico causado pelo coronavírus.

1. Informação demais leva a preocupações excessivas: regule o seu tempo de exposição

Há imagens que ativam os nossos medos, mas não se trata de um medo qualquer, é aquele desespero que sentimos quando ouvimos as palavras pandemia, infecção, vírus, etc. Além disso, imagens de médicos completamente vestidos com seus trajes de proteção e pessoas escondidas atrás de máscaras geram, de imediato, uma sensação de alarme.

Se você adicionar a todos esses estímulos a quantidade de informação com a qual estamos sendo bombardeados, é quase inevitável que o medo se torne praticamente irracional em algum momento.

Sabemos que estamos expostos a uma grande quantidade de informação e que ela esta está sendo compartilhada a todo segundo. Basta ligar a televisão ou abrir qualquer página de notícias da internet para ver a palavra coronavírus em negrito nas manchetes.

  • Conselho: controle seu tempo de exposição e leitura sobre o tema. Você deve tentar levar uma vida normal e deixar que as notícias principais sobre o coronavírus cheguem de maneira contínua ao longo do seu dia, mas distribuída. Busque fontes oficiais e não se intoxique. Além disso, diante da preocupação excessiva, é melhor dedicar seu tempo a atividades que o relaxem ou distraiam, algo que seja do seu interesse.
Síndrome de Münchausen

2. A desinformação é o pior dos vírus: vacine-se contra as fake news

Outro dos conselhos psicológicos para lidar com o pânico causado pelo coronavírus é que você deve ter em mente que há muitas fake news. Não há vírus mais letal do que a desinformação; ela causa pânico de maneira imediata, quase como se cada clique ou notícia compartilhada fosse um soco.

Nos últimos dias, recebemos informações como a de que a água salgada previne o contágio do COVID-19. Vimos imagens manipuladas de grupos de pessoas no chão, fazendo-nos crer que eram pessoas mortas nas ruas da cidade da China na qual o surto começou. Falaram até que Bill Gates tem a patente deste coronavírus.

Não faltam teorias conspiratórias que dizem que o número de mortos é muito mais alto do que estão divulgando, que o vírus foi liberado de propósito pelos EUA ou pela Rússia com a finalidade de desestabilizar a economia mundial… A criatividade não tem limites.

  • Conselho: tenha em mente uma regra bem simples: cerca de 40% das notícias que recebemos são falsas. A informação correta é a verdadeira vacina diante dessas situações, e exige que nós sejamos cautelosos e desconfiados diante das coisas absurdas que lemos. Busque fontes sérias, como a Organização Mundial de Saúde

3. A calma é a sua melhor aliada: fique em alerta, mas não em pânico

Diante do vírus do pânico, a calma é o melhor remédio. Diante da sensação de medo e ansiedade, é melhor estar em alerta que em pânico. O que isso quer dizer? Quer dizer que as pessoas agem muito melhor em um estado de calma psicológica.

Isso não significa que você deve se sentir indiferente diante das notícias. Trata-se de se manter atento ao que está acontecendo sem deixar o medo irracional tomar conta, pois ele leva a comportamentos irracionais e sem sentido que não vão ajudar em nada.

  • Conselho: um dos conselhos psicológicos para lidar com pânico causado pelo coronavírus mais básico é siga vivendo sua vida normalmente. A rotina é a sua melhor aliada. Mesmo assim, é necessário consultar em algum momento do dia qual é a situação e a progressão da doença. Devemos nos manter receptivos e seguir as recomendações dos especialistas, mas sem perder o dia inteiro nisso.
Medico e paciente no consultório

Para concluir, não podemos ignorar que o COVID-19 nos obriga a estar conscientes das informações. Estamos diante de um vírus novo, e algo assim exige que os órgãos sanitários analisem o ambiente e decidam como agir e qual deve ser o comportamento da população a cada segundo.

Pessoalmente, cabe a nós continuar com os nossos hábitos cotidianos, seguir os conselhos básicos de higiene e cumprir com as obrigações definidas pelas esferas oficiais do nosso país e do mundo.

Lembremos mais uma vez as palavras do doutor Baruch Fischhoff: toda crise pode ser resolvida agindo sem pânico e de maneira conjunta e coordenada. Esse valioso conselho deve ser seguido ao pé da letra.