Há pessoas que, infelizmente, são como o asno de Buridan

Há pessoas que são como o asno de Buridan

31, janeiro 2017 em Psicologia 260 Compartilhados
Há pessoas que são como o Asno de Buridan

Talvez você esteja pensando agora mesmo: “e que raios é o asno de Buridan?” Há séculos os seres humanos têm usado a caricaturização animal para transformar nossos companheiros de planeta em protagonistas de histórias. Os contos infantis gostam muito dessa prática, em que personificam cigarras, formigas, porcos e até mesmo asnos.

Bem, pois saiba que o asno de Buridan é o protagonista de uma paródia medieval que pretendia, por redução ao absurdo, atacar a razão como a fonte máxima e única de conhecimento. Essa história nasceu para criticar a demonstração racional da existência de Deus feita por Jean Buridan, embora também possa servir para atacar o resto das tentativas. Neste artigo vamos utilizar a história em outro sentido, mas primeiro vamos conhecer a história deste famoso asno.

A história do asno de Buridan

Não era um asno que tinha nada em particular, o curioso de sua história era a situação em que ele se encontrava. Existem muitas versões sobre essa situação: uns contam que ele estava à mesma distância de duas pilhas de feno e outros contam que ele estava à mesma distância de uma pilha de feno e um balde de água. O que o paradoxo conta é que o asno, muito racional, incapaz de optar por um ou por outro, acabou por morrer de fome.

Que absurdo, não é mesmo? Pois bem, por mais absurdo que pareça, certamente você conhece alguma pessoa que é como o asno de Buridan, inclusive pode ser que você mesmo tenha sido como ele em alguma ocasião. Normalmente as opções que temos na hora de tomar uma decisão não estão equidistantes, mas podem ser semelhantes quanto ao seu nível de atratividade.

Então o que acontece? Acontece que começamos a aprofundar, a avaliar os prós e contras e… sabe o que também acontece com muita frequência? Alguma das duas opções desaparece e, no pior dos casos, as duas, nos deixando sem nada. Já diziam que a indecisão é o melhor ladrão da oportunidade.

casal-com-coracao-e-cerebro

Pessoas que se parecem com o asno de Buridan

Como dissemos no início, essa história nasceu como uma crítica ao uso preponderante da razão como meio de locomoção para andar pelo mundo. Pois bem, são as pessoas excessivamente racionais que são apanhadas em paradoxos parecidos ao do nosso asno, e o pior é que em muitas ocasiões elas acabam da mesma forma.

Em outras ocasiões não, mas não porque não são capazes de tomar uma decisão, mas porque é o tempo ou os outros que decidem por elas, eliminando uma das opções. Em grupo, seu comportamento também é característico: essas pessoas nunca serão quem irá decidir entre planos que são igualmente atrativos, mas serão as que, assim que os outros tiverem escolhido um, farão força no sentido contrário. Assim, as pessoas que são como o asno de Buridan são radicais por natureza e boas “torturadoras” nas situações que descrevemos.

Quem rodeia esse tipo de pessoa acaba percebendo como elas são e procuram apresentar o menor número de decisões e opções possível, temendo um bloqueio ou um colapso racional. Por outro lado, geralmente também são as pessoas a quem os outros recorrem para lhes contar seus problemas, pois sabem que têm um treinamento analítico tão desenvolvido que farão uma avaliação geral e profunda da situação em pouco tempo.

mulher-confusa

As empresas também sabem disso, mais especificamente as que buscam um determinado perfil para tomar decisões e outro perfil para ter uma ideia do que acontece em uma determinada situação. Por fim, o mesmo ocorre com os políticos. Há aqueles que são bons fazendo um diagnóstico da realidade, mas logo se bloqueiam completamente na hora de tomar decisões e de transformá-la.

Um exemplo de racionalidade levada ao limite pode ser encontrado em um dos personagens mais carismáticos da televisão atual, Sheldon Cooper. De fato, é ele próprio quem se compara com o asno de Buridan em uma dessas cenas de Big Bang Theory em que tudo é relevante. Não vamos contar exatamente como aconteceu porque não gostamos de dar spoilers, mas você pode assistir à cena no episódio sete da décima temporada.

Saindo das telinhas, podemos falar sobre os provadores de muitas lojas de roupa, onde iremos encontrar aqueles que entram com duas peças no vestiário, mesmo tendo orçamento apenas para uma delas, e têm a habilidade de desesperar a pessoa que lhes acompanha, por mais paciente que esta seja.

Os críticos desse paradoxo afirmam que as decisões humanas poucas vezes se assemelham com a do nosso asno de Buridan. Eles dizem isso porque as decisões humanas não se baseiam em uma diferença objetiva de valor, mas em uma percepção da diferença de valor. Ainda assim, todos nós continuamos a conhecer pessoas que, diante de duas opções e sobre as quais têm uma preferência clara, não conseguem se decidir.