Por que você deve tirar o pijama durante a quarentena?

maio 22, 2020
Como tirar o pijama pode ajudá-lo durante a quarentena? Por que isso vai fazer você se sentir melhor no confinamento? Neste artigo, tentaremos responder a essas perguntas.

Devido à situação atual, todos nós mudamos nossas rotinas diárias. A maioria de nós está em quarentena sem a possibilidade de sair de casa. Portanto, nossa casa não é mais apenas um local de descanso, mas também nosso escritório e nossa academia. Ao sofrer essa mudança durante a quarentena, é importante levar em consideração aspectos como tirar o pijama, se arrumar e comer em horários regulares.

É preciso entender por que é importante manter a rotina de se arrumar e se vestir pela manhã. Isso vai favorecer não apenas a sua saúde física, mas também a sua saúde mental. Além disso, permitirá organizar melhor a sua agenda e, portanto, controlar melhor o tempo disponível.

Mulher usando notebook em casa

A importância de manter uma rotina estruturada e tirar o pijama durante a quarentena

A quarentena aumenta a tentação de não se exercitar, descuidar da alimentação… Enfim, de deixar a rotina completamente de lado. Mas isso é exatamente o oposto do que você deve fazer.

Em primeiro lugar, deve ficar claro que este não é um período de férias; é uma restrição de circulação devido a condições extremas.

Portanto, você deve tentar adaptar a nova rotina da maneira mais semelhante à anterior possível. Nela, você deve estabelecer um horário para acordar e ir para a cama, e também para fazer refeições, fazer exercícios físicos e se dedicar ao lazer.

Da mesma forma, você precisa adaptar os seus espaços, dedicando um ou mais ao trabalho e diferenciando-os daqueles destinados a atividades recreativas ou lúdicas.

Para executar essa rotina de maneira mais eficaz, comece pelos seus cuidados pessoais. Isso envolve trocar de roupa e se arrumar antes de começar a trabalhar.

Quando o horário de trabalho estabelecido terminar, você pode voltar a usar roupas mais confortáveis. Isso ajudará a sua mente a relaxar e a manter o foco em cada atividade, apesar de não poder mudar de ambiente.

No entanto, é recomendável deixar o pijama apenas para dormir, para que o corpo entenda que chegou a hora de descansar.

Sua autoestima e autoeficácia vão aumentar se você tirar o pijama durante a quarentena

Por estar em casa devido à quarenta, você precisa manter suas perspectivas sem o feedback externo que normalmente tem dos outros e do seu entorno.

Portanto, você deve modificá-las e promovê-las de maneira própria e individual, a fim de permanecer motivado e confortável ​​com as atividades que vai realizar.

Nesse sentido, tirar o pijama pode ajudá-lo significativamente, favorecendo duas perspectivas. Primeiro, a necessidade de aumentar sua autoeficácia. Isso ocorre porque, neste momento, você não tem as mesmas pressões externas impulsionando-o a realizar suas atividades.

Portanto, trocar de roupa adaptando-a à atividade que você vai realizar te ajudará a ter mais eficiência. Um exemplo disso: se você iniciar um curso on-line, seu aprendizado será muito mais significativo se você se colocar em um contexto onde o espaço e as roupas são adequados.

Em segundo lugar, devemos citar a autoestima. Sob condições normais, essa perspectiva é alimentada pelos elogios que você recebe de outras pessoas.

Por estar em confinamento, é fato que o número de pessoas com quem você pode se relacionar pessoalmente é muito limitado. Portanto, essa autopercepção deve vir de você, e você deve nutri-la.

Para fazer isso adequadamente, o cuidado e o asseio pessoal são essenciais. Nesse caso, tirar o pijama, tomar banho, vestir-se e pentear-se será um reforço para a sua autoconfiança.

Isso não apenas ajuda a manter a rotina, mas também aumenta significativamente sua autoconfiança e autoestima, o que irá mantê-lo motivado, apesar da situação pela qual está passando.

Motivação: a chave para enfrentar a carga emocional durante a quarentena

Como você sabe, a motivação é essencial para realizar qualquer atividade. Ela o influencia desde quando você acorda até quando vai dormir. Você depende dela para realizar seus sonhos e alcançar seus objetivos. No entanto, ela pode ser afetada por muitos fatores, e um deles pode ser o fato de estar confinado dia e noite.

Da mesma forma, o fato de viver uma situação crítica mundial e de sofrer mudanças bruscas em sua rotina podem gerar sintomas de ansiedade e depressão. Isso criará um mal-estar geral que afetará não apenas o seu funcionamento pessoal, mas também o das pessoas ao seu redor.

Isso acontece porque existe uma sincronização entre o que acontece internamente (com você mesmo) e externamente (com o seu entorno).

Embora seja quase inevitável ter esses tipos de sintomas, é importante saber como enfrentá-los e gerenciá-los. É aqui que a motivação se torna protagonista, pois com ela você pode encontrar e aplicar ferramentas que ajudarão a controlar adequadamente a situação. Nesse caso, a motivação pode ser alimentada por ações como tirar o pijama.

Ao fazer o esforço de tirar o pijama, você se incentiva a realizar outras atividades que te motivam e te mantêm em atividade. Tudo isso irá ajudá-lo a avançar e a controlar a carga de emoções derivada da situação atual.

Mulher se arrumando em casa

Por que os astronautas tiram o pijama no espaço?

Para finalizar, é importante dar um exemplo da importância de tirar o pijama quando se está em confinamento. Um dos mais conhecidos é o dos astronautas.

Quando eles estão em uma missão no espaço, costumam ficar confinados por alguns meses. Mesmo assim, eles seguem uma rotina auxiliada por elementos externos, como o vestuário, para compartimentar as diferentes partes do dia.

Com isso, você pode ver a importância de seguir uma rotina diária, que envolve trocar de roupa e designar espaços para realizar cada atividade. Isso irá ajudá-lo a tornar a situação pela qual está passando muito mais suportável e, portanto, a enfrentá-la com mais motivação.

  • Berganing, D. (2019). Extreme loneliness or the perfect balance? How to work from home and stay healthy. Health & Wellbeing, 4.
  • Bustos, D. (2012). Sobre subjetividad y (tele)trabajo. Una revisión crítica. Revista de Estudios Sociales No.35, 44, 181-196. https://doi.org/10.7440/res44.2012.17
  • Gallego, E. C. (2002). Teletrabajo y Salud: Un nuevo reto para la Psicología. Papeles del psicólogo, 83, 100-105.
  • Rubbini, N. I. (2012) Los riesgos psicosociales en el teletrabajo [en línea]. VII Jornadas de Sociología de la UNLP, 5 al 7 de diciembre de 2012, La Plata, Argentina. En Memoria Académica. Disponible en: http://www.memoria.fahce.unlp.edu.ar/trab_eventos/ev.2237/ev.2237.pdf