5 grandes lições de homens sábios

· abril 18, 2018

As grandes lições de homens sábios são frequentemente contadas na forma de histórias ou anedotas. Outras vezes são transmitidas por declarações concretas sobre diferentes aspectos da vida. Sempre, em todo caso, são o resultado de experiências difíceis, reflexões árduas e de uma sensibilidade incomum.

As lições dos homens sábios têm um propósito essencial: lembrar-nos dos grandes valores que devem orientar as ações. Às vezes esquecemos que a vida só adquire significado a partir dos princípios que a impulsionam e dos propósitos nobres que a orientam.

Assim, selecionamos cinco dessas grandes lições dos homens sábios. São sentenças e fatos que revelam pequenas e grandes verdades. Aqui estão elas, para que você possa aproveitá-las e aprender com elas.

“O exemplo é uma lição que todos os homens podem ler.”
-Morris West-

1 . Capote e uma das grandes lições dos homens sábios

Truman Capote não precisa de nenhuma apresentação. Ele foi um dos maiores escritores americanos. Sua obra “A Sangue Frio” é considerada a inauguração de um novo gênero no qual a ficção é confundida com a não-ficção. No entanto, poucos sabem que muito do seu talento derivou de uma disciplina impressionante.

Truman Capote

Um de seus grandes amigos, Paul Bowles, contou que um dia, em 1949, disse a ele e a outros colegas que já havia planejado seu programa literário pelos próximos 20 anos. Todo mundo ficou surpreso e parecia, certamente, algo ilusório. No entanto, com o passar do tempo ele desenvolveu esse programa, passo a passo, linha por linha, assim como havia concebido. É uma das grandes virtudes dos gênios: perseverança e disciplina.

2 . Tod Browning, o gênio dos filmes mudos

Tod Browning é o autor de outra dessas lições de homens sábios. Antes de se tornar famoso, Browning era muito pobre. Ele teve que ganhar a vida desenvolvendo várias atividades. Uma das atividades que lhe deu recursos para viver foi o “morto-vivo” de um circo.

A rotina consistia em ficar parado. Chamavam um médico que o declarava morto. Então, o colocavam em um caixão e o enterravam. Ele tinha que ficar lá por 24 horas, sem se mexer. Sobrevivia graças a um sistema de ventilação oculto e pequenas bolas de comida que levava com ele. No começo quase morria de verdade, de pânico. Então, ele aproveitava essas longas jornadas para soltar as rédeas de sua imaginação e projetar seu futuro.

3 . Helen Keller e sua lição de vida

As grandes lições de homens sábios também incluem histórias de mulheres extraordinárias, como Helen Keller. Seu nome é bem conhecido, mas vamos lembrar sua história. Quando tinha apenas 1 ano e meio de idade, contraiu uma doença que a deixou cega e surda e a impediu de falar.

Helen Keller

Graças a uma professora que acreditava nela, conseguiu desenvolver um sistema para se comunicar com o mundo. Assim, tornou-se a primeira pessoa surda/cega a obter um diploma universitário, nada menos do que em Harvard. Escreveu vários livros e mais de 400 artigos. Quando perguntada sobre sua grande superação, Helen respondia: “Quando uma porta de felicidade se fecha, outra se abre; mas muitas vezes não a vemos porque continuamos a olhar para a porta fechada”.

4 . Oscar Wilde e as convenções

Oscar Wilde foi um dos críticos mais ácidos das convenções sociais. Ele estava convencido de que as pessoas ao seu redor estavam cheias de hipocrisia e de que agiam mais em função do que os outros diriam do que daquilo que realmente sentiam. Ele também tinha a certeza de que estavam tão submersos em seu próprio mundo que nem sequer ouviam.

Para provar sua teoria, ele aproveitou uma ocasião em que foi convidado para uma festa. Deliberadamente, ele chegou atrasado. Quando a anfitriã o recebeu, Wilde disse: “Sinto muito. Estou atrasado porque tive que enterrar uma tia que acabei de matar.” Sem se importar, a mulher respondeu: “Não se preocupe. O importante é que você chegou”.

5 . Churchill e o senso de humor

Winston Churchill foi um dos maiores homens da história. Não só dirigiu pessoalmente o destino do Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial, como também foi um grande escritor, que inclusive ganhou o Prêmio Nobel de Literatura. No entanto, uma das características de sua personalidade que mais chamam a atenção é seu elegante e constante senso de humor. Algo raro em personagens que alcançaram semelhante glória.

Winston Churchill

Há centenas de anedotas sobre o senso de humor de Churchill. Uma delas diz que o general Montgomery recebeu um sincero tributo por ter derrotado Rommel na África. Em seu discurso de agradecimento, Montgomery disse com grande orgulho: “Não fumo, não bebo, não prevarico e sou herói”, ao que Churchill respondeu: “Eu fumo, bebo, prevarico e sou o chefe dele”.

Todas essas lições de homens sábios e mulheres maravilhosas nos mostram que o ser humano tem qualidades admiráveis. São capazes de superar as adversidades, mas também de rir disso. Os mais sábios são justamente aqueles que conseguem extrair contribuições positivas dos momentos mais difíceis.