Sob o Sol da Toscana: começar de novo após o divórcio

· outubro 26, 2018

Nós contamos com uma boa variedade de músicas, séries de TV, filmes e livros que podem nos ajudar a começar de novo após, por exemplo, um divórcio ou uma separação. Sob o Sol da Toscana é um destes filmes.

Protagonizado pela atriz Diane Lane, que também esteve em Procura-se um Amor que Goste de Cachorros e Noites de Tormenta, Sob o Sol da Toscana conta a história de uma mulher que tem a oportunidade de começar de novo após se divorciar.

Um término sentimental representa uma mudança brusca em nosso projeto de vida, que nos obriga a replanejar a vida e nos reinventar. É um processo de autodescoberta que pode nos permitir ser quem realmente desejamos ser.

É verdade que durante uma separação podemos viver momentos muito duros; é preciso enfrentar a solidão, aprender a conviver consigo mesmo, a se amar e a se mimar, etc.

Tudo isso será útil para escolher melhor quem merece estar ao nosso lado e deixar que o amor nos encontre sem a necessidade de procurá-lo.

“Uma separação nos leva a viver uma dura etapa em nossas vidas que, ao mesmo tempo, pode ser incrivelmente bonita.”

A vida aparentemente perfeita

No começo de Sob o Sol da Toscana podemos ver a protagonista Frances Mayes em uma vida aparentemente perfeita, cercada de prestígio pessoal e profissional. No entanto, seu projeto de vida se rompe quando descobre que seu marido a trai com outra mulher.

Em um instante, tudo muda, e a vida aparentemente perfeita e invejável se transforma em uma espécie de pesadelo, onde Frances se sente totalmente perdida. Sua única opção é começar de novo.

Quando acontece uma separação, ocorre uma mudança muito importante, pois passamos de ser dois a ser um, de compartilhar nosso projeto de vida a ter que construir um próprio.

Isso se reflete no filme no fato de que o ex-marido de Frances nunca aparece, já que ele não é importante neste caso. O importante é que a protagonista encontre a coragem para descobrir quem ela é.

Cena de 'Sob o Sol da Toscana'

Reconstruir nossas vidas

Após uma separação, sempre há uma parte de reconstrução. A vida como conhecíamos não existe mais e, portanto, é preciso enfrentá-la de outra forma. Este processo será mais ou menos duro dependendo de vários fatores, e um muito importante é o grau de dependência afetiva.

Em muitos casos, o projeto de vida construído é praticamente uma fusão de dois membros do casal, se esquecendo quase por completo de sua individualidade, algo que dificulta o recomeço para ambos.

As pessoas emocionalmente dependentes costumam substituir rapidamente seus parceiros ou ficar gravemente feridas e se fechar para o amor. Embora o filme não seja claro, Frances parece sair de uma relação na qual depende muito de seu marido, apesar de mantê-lo financeiramente.

Não perder a esperança

Apesar da dor, a protagonista não perde a fé no amor, por isso observa o mundo que a cerca com curiosidade e esperança. Observa um senhor idoso que deixa flores para uma mulher desconhecida, dois jovens começando uma bonita e louca história de amor, aos homens que a cercam por terem uma certa curiosidade, etc.

É importante manter a esperança, observar que o amor é possível e está presente ao nosso redor e que, inclusive, pode acontecer conosco. Com toda a certeza, merecemos isso.

A verdade é que ele chegará quando for o momento certo, que costuma coincidir com o momento no qual não temos ansiedade nenhuma de procurar o amor.

“Embora você sacuda com força a ampulheta de areia, cada grão cairá em seu tempo.
Não force nada. Tudo chega”.
– Anônimo –

Uma viagem cheia de metáforas

Sob o Sol da Toscana descreve uma viagem à região da Toscana, na Itália. Essa viagem é uma metáfora, já que o verdadeiro lugar desconhecido e bonito é o interior de Frances e toda a força e potencial que ela tem por descobrir.

A viagem da protagonista começa de forma inesperada. De repente, ela está fora da sua zona de conforto em um ônibus cheio de casais homossexuais que começam a aplaudi-la em demonstração de apoio.

Pouco a pouco, a protagonista se abre para o desconhecido, começa a escutar sua voz interna e a se guiar por seu instinto. Até que sua intuição a convida a comprar uma casa em ruínas em um país estrangeiro.

A casa simboliza o estado emocional no qual Frances se encontra, já que precisa de uma profunda reforma. Ela encontra a força e a coragem para começar de novo e refazer seu projeto de vida, começando com uma dura reforma em seu novo lar.

Um pouco antes de comprar a casa, conhecerá um homem que será o segredo de sua recuperação, um homem que a tratará com respeito e a acompanhará de forma platônica durante sua evolução. Este é, sem dúvida, um dos personagens mais importantes do filme.

“Todos nós temos uma reserva de força inesperada, que emerge quando a vida nos coloca à prova.”
-Isabel Allende-

Cenas essenciais de Sob o Sol da Toscana

Sob o Sol da Toscana mostra uma relação muito especial entre Frances e este homem, o que leva a várias cenas essenciais.

Uma delas é quando, após uma tempestade, Frances terá que enfrentar seus medos e ele aparece preocupado com ela. Neste momento, a protagonista parece se sentir com sorte por contar com um bom amigo, um homem disposto a ajudá-la sem buscar nada em troca, um homem íntegro e fiel a sua esposa.

Uma outra cena muito importante com este personagem é quando Frances compartilha seu desejo de que uma família possa viver naquela casa e que possa celebrar um casamento no jardim. A protagonista sente que pode ser ela mesma e compartilha livremente seus pensamentos e sentimentos com seu amigo.

Durante o casamento no jardim, este personagem lembra a Frances que seus sonhos se cumpriram. Ela reflete e percebe que é verdade, que eles foram cumpridos, mesmo que não tenha sido como ela esperava.

Neste final, Frances já é uma pessoa completa e feliz, e está preparada para que o amor possa encontrá-la.

“Não procure tanto, deixe-se encontrar fazendo o que você gosta.”
– Guada-

Cena de 'Sob o Sol da Toscana'

Etapas da recuperação

Ao começar de novo, a protagonista vai modificando sua forma de se relacionar com os demais, passando por diferentes etapas.

Durante um tempo, precisa se sentir segura e se refugiar no trabalho de reformar a casa. Chega um momento no qual ela se sente cansada de tudo isso e faz uma nova viagem, dessa vez a Roma. Este é um passo importante.

Depois de uma separação, costumamos precisar estar tranquilos e sozinhos, nos sentir livres, mas sem distrações, simplesmente estar com nós mesmos em um ambiente seguro.

Chega um momento no qual as paredes de casa caem sobre nós, nos sentimos mais fortes e começamos a precisar nos relacionar com os demais, sair e aproveitar a vida. Sair de novo da nova zona de conforto e enfrentar novas situações e novos objetivos.

O amor em suas distintas formas

É preciso destacar como Frances muda sua forma de se relacionar com os homens. A protagonista só esteve com seu esposo de forma física e emocional, e em sua ausência, se sente claramente perdida neste ambiente.

Durante o filme, podemos ver como ela se ilude com um flerte de um homem que acaba sendo casado, como claramente sente algo que não sabe definir pelo amigo que a acompanha do começo ao fim, como outros homens a fazem se sentir confortável, como finalmente conhece Marcelo e vive uma louca aventura.

Ao longo de Sob o Sol da ToscanaFrances descobre que existem muitas pessoas ao seu redor a quem ela pode amar de distintas formas, descobre que a vida é mais do que compartilhá-la com uma só pessoa.

Cada personagem a leva a descobrir uma parte de si mesma. Pedem sua ajuda para que seja cozinheira, restauradora, amiga, escritora, mãe, tia, amante, menina, etc. Assim, ela descobre que existem diferentes formas de amor e que a amizade é, por si só, uma grande forma de amor.

“Tudo que sabemos sobre o amor é que o amor é tudo que existe” .
-Emily Dickinson-

Começar de novo

Sob o Sol da Toscana é um filme que nos permite viajar por bonitos lugares, enquanto, a nível emocional, nos permite lembrar de etapas do nosso próprio processo, do nosso reencontro com a nossa essência, com o nosso recomeço.

Não somente vemos nosso próprio reflexo, mas também podemos identificar etapas de outras pessoas, o começar de novo de amigos e familiares após divórcios, por exemplo. Corações quebrados que se recuperam descobrindo o amor em suas distintas formas e dando a si mesmos a oportunidade de se reconstruir, assim como uma casa em ruínas.

Em Sob o Sol da Toscana podemos ver como, à medida que a casa vai sendo reconstruída, o estado emocional de Frances melhora. Finalmente, o senhor das flores a cumprimenta e, de uma velha torneira em ruínas, volta a fluir água livremente, que simboliza o fluir da vida.

“Você se cura quando deixa ir o que já não lhe pertence”.
– Anônimo –

Sob o Sol da Toscana é, sem dúvida, um canto à vida. Um canto de esperança, uma viagem de transformação cheia de perdas e ganhos, de finais que podem se tornar novos começos.

Desse modo, durante o filme, podemos ver diversas histórias de amor que nascem… enquanto outras chegam ao seu fim.