Artistas amaldiçoados cuja história você precisa conhecer

Suas histórias pessoais, suas criações assustadoras e suas formas arrepiantes de ver o mundo levaram os críticos a classificá-los como artistas amaldiçoados. Quem são? O que eles estavam escondendo no fundo de suas obras?
Artistas amaldiçoados cuja história você precisa conhecer

Última atualização: 31 Outubro, 2021

Existem alguns artistas que parecem ter sido amaldiçoados: pintores, escultores, fotógrafos, escritores, etc. Você quer saber quem eles são e por que são vistos desta forma? Convidamos você a ler a seguinte lista que preparamos especialmente para os nossos leitores.

O adjetivo “amaldiçoado” ganhou relevância no campo criativo depois que Verlaine o usou em seu livro The Damned Poets (1988). Ele também foi usado para se referir a outros escritores e artistas consagrados que não tiveram uma vida fácil. A seguir, descubra onze deles.

Artistas considerados amaldiçoados

1. Francisco José de Goya y Lucientes (1746-1828)

Em 1793, Goya contraiu uma doença que o limitou significativamente. O que aconteceu? Por que ele mudou?

A alta exposição ao chumbo da tinta parece ter sido responsável, ou pelo menos um fator relevante, na surdez e nas alterações de comportamento de Goya. Nesse sentido, os biógrafos dividiram o curso da pintura de Goya em dois períodos, cujo limite é o início da sua doença:

  • O primeiro é caracterizado por alegria e luz.
  • O segundo, pelo terror e os fantasmas.

Assim, o pintor mudou totalmente a sua percepção com as famosas pinturas negras, obras sombrias que representam a imperfeição humana, os medos mundanos, a crueldade, o desespero e até mesmo a loucura. Elas foram criadas por um artista que estava doente e surdo, e provavelmente atormentado pelo sofrimento psíquico causado pela combinação de sífilis e chumbo.

2. Edvard Munch (1863-1944)

Sua vida foi muito complicada pela doença que o perseguiu:

  • Com apenas 5 anos, sua mãe morreu de tuberculose. Na verdade, em The Dead Mother já é possível ver esse desespero do autor.
  • Alguns anos depois, sua irmã Sophie faleceu pelo mesmo motivo. Daí a pintura de The Sick Girl.
  • Infelizmente, seu pai teve o mesmo destino fatídico.

Todos esses trágicos acontecimentos começaram a fazer com que o pintor desenvolvesse um suposto transtorno bipolar, que reflete a tragédia na expressão dos personagens das suas pinturas.

Munch

3. Maurice Utrillo (1883-1955)

A partir dos 13 anos, o pintor francês Utrillo começou a consumir álcool. Esta foi a razão pela qual ele abandonou a escola e provavelmente a principal causa por trás da sua tentativa de suicídio.

O que sabemos é que ele foi internado meses depois para tratar o seu vício. Segundo um artigo publicado pelo Museo del Palacio de Bellas Artes, em 1903 sua mãe o iniciou na pintura como uma forma de terapia, na qual ele demonstrou um grande talento.

Nessa altura, se tornou amigo de Amedeo Modigliani e desenvolveu o seu chamado “período branco”, que é reconhecido como a fase de produção mais importante da sua obra.

4. Amedeo Modigliani (1884-1920)

Ele nasceu em Livorno (Itália) e foi o quarto e último filho de uma família de judeus sefarditas.

Aos quatorze anos, recuperado da febre tifóide, Modigliani decidiu se tornar artista. Assim, acabou ingressando na Escola de Belas Artes de Livorno, seguindo os ensinamentos de seu professor, Guglielmo Micheli, pintor impressionista italiano.

Em 1889, Amedeo pintou suas primeiras obras. Ele fez retratos sem olhos e nus com um estilo pessoal, caracterizado pelo prolongamento de rostos e figuras.

5. Jules Pascin (1885-1930)

Aos 20 anos, Pascin tinha uma personalidade muito peculiar: gostava de brincar com a sua imagem. Ele gostava de seduzir.

Com um temperamento inquieto, atormentado por uma angústia permanente que beirava o desespero e de tez delicada e morena, atraiu seus contemporâneos com um especial interesse pela condição humana. Era especialmente apaixonado pelas curvas e formas do corpo feminino.

6. Chaim Soutine (1893-1943)

Soutine foi o décimo filho de onze irmãos. Seu pai, alfaiate de profissão, não aprovava o gosto do menino pela arte. As pinturas eram proibidas na comunidade judaica ortodoxa.

Como indicam os especialistas em história da arte, a Segunda Guerra Mundial foi um duro golpe para o pintor judeu. As tropas nazistas ocuparam a cidade, criando uma fonte de tensão que provavelmente causou a úlcera que acabaria com a sua vida.

Embora um tanto ofuscado pelos seus companheiros, destaca-se a intensidade lírica das suas paisagens mesclada com o contorno violento de suas formas e suas cores vivas. Nesse sentido, suas naturezas mortas também se destacam de maneira especial.

7. Zdzisław Beksinski (1929-2005)

Beksiński foi um pintor, fotógrafo e escultor polonês, cujo mundo criativo ele chamou de “realismo fantástico”. Em seu trabalho, ele molda personagens distorcidos e imagens nas quais são comuns cenas de:

  • Morte.
  • Mutilação.
  • Figuras deformadas.
  • Esqueletos

Ele não viu nenhum significado no que pintou (daí o fato de que não tenha dado um título a nenhuma de suas pinturas). Em 1977 mudou-se para Varsóvia, mas não antes de queimar grande parte de sua obra, por considerá-la autobiográfica e com muitas referências ao seu próprio “eu”.

No que diz respeito à sua vida pessoal, teve uma existência marcada pela morte da mulher e do único filho, Tomasz, que se suicidou. Foi ele quem descobriu o seu corpo.

No entanto, a tragédia não terminaria aí: em 2005, Berksinski foi encontrado morto em sua casa em Varsóvia, brutalmente assassinado com dezessete facadas em seu corpo.

8. Charles Pierre Baudelaire (1821-1867)

Nascido em Paris, Baudelaire é um dos maiores expoentes do simbolismo (muitas vezes considerado o iniciador da poesia moderna). No entanto, ele também não teve uma vida fácil:

  • Ele era filho do ex-padre Joseph-François Baudelaire e de Caroline Dufayis. Seu pai morreu em 1827 e sua mãe se casou com o militar Jacques Aupick no ano seguinte.
  • Baudelaire nunca aceitou seu padrasto. Os conflitos familiares foram uma constante em sua infância e adolescência.

Por As Flores do Mal (obra em que condenava as mulheres) recebeu uma pena por imoralidade que, além disso, o obrigou a suprimir alguns dos poemas da obra original.

Baudelaire

9. Paul-Marie Verlaine (1844-1896)

Verlaine nasceu em Metz, estudou no Lycée Bonaparte em Paris e, muito cedo, atraído pela leitura de Baudelaire, tornou-se amigo dos poetas do grupo parnasiano liderado por Leconte de Lisle.

Com seus primeiros livros de poesia, tornou-se conhecido e passou a exercer uma grande influência no meio literário. No entanto, a vida licenciosa, a bebida e um tempestuoso caso de amor com Rimbaud o levaram à prisão, onde mais tarde se converteu ao catolicismo.

Em 1894 foi eleito o “Príncipe dos Poetas” em Paris. No entanto, oprimido pelo vício e pela doença, faleceu na mesma cidade em 1896.

10. Stéphane Mallarmé (1842-1898)

Depois de uma viagem ao Reino Unido, onde se casou com sua amante Marie Gerhardt, ele se tornou professor de inglês no instituto Tournon, mas logo perdeu o interesse pelo ensino. Foi assim que surgiu um dos mais altos representantes do simbolismo.

“À medida que o tempo finalmente o transforma em si mesmo,
o poeta desperta com sua espada nua
que na sua idade não soube descobrir, assustada,
que a morte inundava sua estranha voz de abismo”.

– “O túmulo de Edgar Poe” (1888) –

A dificuldade da poesia de Mallarmé é explicada pela grande exigência que ele impõe aos seus poemas. Neles, ele costuma interrogar para chegar à não resposta, à ausência, ao nada.

11. Jean Nicolas Arthur Rimbaud (1854-1891)

O último nome da nossa lista de artistas amaldiçoados nasceu em Charleville, França, e começou a escrever quando era muito jovem. Embora fosse um aluno de destaque, abandonou a escola para fugir a Paris no meio da Guerra Franco-Prussiana e se juntar à batalha pela liberdade.

Como Mallarmé, ele é um dos mais altos representantes do simbolismo. No entanto, Rimbaud detestava a grande maioria dos poetas de seu tempo, apesar de sua curta carreira literária (escreveu seu último livro aos vinte anos).

Você também acha que esses artistas são amaldiçoados?

Depois de ler este artigo, você provavelmente ficou chocado e surpreso ao saber mais sobre a vida e as obras desses artistas reconhecidos pela crítica. É claro que suas histórias não foram fáceis; de alguma forma, por trás do horror, eles deixaram um rastro que vai perdurar no tempo graças às suas criações.

Esperamos que eles tenham surpreendido você e que você se aprofunde um pouco mais em seu universo para descobri-los melhor. Você também acha que esses artistas são amaldiçoados?

Pode interessar a você...
Dadaísmo, a arte do absurdo
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Dadaísmo, a arte do absurdo

O dadaísmo é um movimento artístico diferente, original e criativo, conhecido como a arte do absurdo e da provocação. Saiba mais aqui!