Monet: biografia do pai do Impressionismo

abril 14, 2019
Claude Monet é uma das figuras mais renomadas do impressionismo e da pintura francesa em geral. De onde vinha sua paixão pelo mar? Como chegou à sua pintura fragmentada?

Oscar-Claude Monet foi um dos pintores mais famosos da França dos últimos séculos. Fundador do movimento impressionista, Monet nasceu em Paris em 14 de novembro de 1840. Apesar disso, nem sempre residiu na capital francesa. Aos cinco anos, mudou-se com sua família para a cidade normanda de Le Havre, onde seu pai pôde desempenhar seu trabalho como comerciante; antes, administrava um negócio familiar.

Sua mãe, Louise, se dedicava à música e era cantora. A transferência para Le Havre marcou profundamente Monet, pois o fez entrar em contato com a costa e, assim, adquirir um conhecimento íntimo da paisagem marítima.

Trabalhar a pintura a partir da natureza foi a característica distintiva do movimento impressionista. Este é também um hábito que Monet abraçou; suas pinturas refletem o impacto em constante mudança da luz e das condições climáticas.

Claude Monet, começos na pintura

Claude Monet e sua iniciação na pintura

Com apenas 15 anos de idade, Monet vendia caricaturas e fazia esboços a lápis de barcos à vela, que eram quase técnicos por seus detalhes. Sua tia, Marie-Jeanne Lecadre, era uma pintora amadora que influenciou muito o futuro do pintor. Foi ela quem incentivou Claude a estudar desenho com um artista local.

“A cor é minha obsessão diária, a alegria e o tormento”.
-Claude Monet-

No entanto, sua vida como pintor só começou quando conheceu o artista Eugène Boudin. Boudin foi quem iniciou o estudante na prática, então incomum, de pintar ao ar livre.

A experiência marcou o rumo de Monet que, por mais de 60 anos, se concentrou em fenômenos visíveis. Além disso, Monet focou na inovação de métodos eficazes com o objetivo de transformar a percepção em pigmento.

O retorno de Monet a Paris ocorreu entre 1859 e 1860. Mas, para desgosto de sua família, ele se recusou a se matricular na École des Beaux-Arts. Em vez disso, frequentou os locais de encontro de alguns artistas que contavam com alguma fama e trabalhou na Académie Suisse, onde conheceu Camille Pissarro.

Esse treinamento informal, no entanto, foi interrompido por uma convocação para o serviço militar. Monet serviu de 1861 a 1862 na Argélia, onde foi tocado pela luz e a cor da África.

Após seu retorno a Paris, coincidiu com a maioria dos artistas mais importantes da época, incluindo Renoir, Cézanne, Whistler e Manet. Durante este período, ou pelo menos antes de 1872, Monet descobriu estampas japonesas, apaixonando-se por padrões asiáticos com fervor. Esse fascínio, como resultado, teve uma forte influência no desenvolvimento de seu trabalho artístico.

O trabalho do jovem Monet e o Salão dos Rejeitados

As realizações de destaque do prolífico período juvenil de Monet podem ser observadas em obras concluídas entre 1865 e 1870. Durante este período, no entanto, ele ainda não havia começado a fragmentar suas pinceladas nos toques quebrados característicos que se tornariam a marca registrada do estilo impressionista.

Em 1870, Monet se casou com Camille Doncieux, que já havia dado à luz a seu primeiro filho Jean Monet em 1867. Para escapar da Guerra Franco-Prussiana, a família se mudou para Londres em 1870. Posteriormente, regressaram à França, estabelecendo-se em Argenteuil, um centro de navegação no Sena que atraiu muitos outros pintores impressionistas.

O termo Impressionismo foi cunhado em referência ao título de sua pintura Impression, soleil levant (Impressão, nascer do sol), que foi exibida no ano de 1874 na primeira exposição independente montada pelo pequeno círculo de pintores impressionistas.

Esta exposição, como resultado, a impulsionou como uma alternativa ao dogmático Salão de Paris. Assim, 1874 foi um ano decisivo para o nascimento do movimento impressionista e definiu Monet como um de seus criadores. Apesar das críticas, os impressionistas produziriam seis exposições até o ano de 1882.

O trabalho do jovem Monet

O trabalho de um impressionista e seu segundo casamento

Em 1876, Monet conheceu Ernest e Alice Hoschedé, que logo se tornaram amigos íntimos da família. No ano de 1878, nasceu seu segundo filho, Michel Monet.

A família Monet se estabeleceu em Vétheuil com a família Hoschedé. Um ano depois, Camille morreu; anos depois, Alice Hoschedé ficou viúva. Deste modo, depois de ficarem viúvos, os dois amigos, como resultado, se uniram mais do que nunca; Monet e Alice se casaram em 1892.

Em 1883, Monet mudou-se para uma casa em Giverny, onde permaneceu por 43 anos. Neste lugar, começou um vasto projeto de paisagismo, que incluiu lagoas de lírios que se tornariam o tema de suas obras mais conhecidas.

Em 1899, começou a pintar nenúfares; primeiro em vistas verticais com uma ponte japonesa como elemento central e mais tarde na série de pinturas em grande escala. Este tema se tornaria uma constante durante os próximos 20 anos de sua vida.

“Para mim, uma paisagem não existe em si, já que sua aparência muda a cada momento, mas seu ambiente a traz à vida – o ar e a luz, que variam continuamente…”.
-Claude Monet-

Em 1907, começou a ter problemas de visão. Em 1923, o pintor estava quase totalmente cego. Depois de uma operação de catarata, teve uma melhora. Em 1926, aos 86 anos, sem nunca ter parado de pintar, morreu em consequência de um câncer de pulmão em sua amada Giverny.

Legado às Belas Artes: o jardim japonês e as pinceladas fragmentadas

A famosa casa de Monet contava com um jardim excepcional com uma lagoa. Seus herdeiros decidiram que a casa deveria ficar nas mãos da Academia Francesa de Belas Artes. E assim foi feito em 1966. Ao longo do tempo, através da Fundação Claude Monet, a casa e os jardins foram abertos ao público em 1980, depois de remodelados.

Além das memórias de Monet e outros objetos de sua vida, a casa contém sua coleção de xilogravuras japonesas. Como resultado, a casa é uma das duas principais atrações de Giverny, que recebe turistas de todo o mundo.

“Meu jardim é minha mais bela obra de arte”.
-Claude Monet-

Monet foi o precursor, líder e defensor inabalável do estilo impressionista. Sua ambição por documentar o interior da França levou-o a adotar um método que consistia em pintar o mesmo cenário muitas vezes. Assim, tentava captar a mudança de luz e a passagem das estações. Estas séries foram frequentemente exibidas em grupos, por exemplo, Los Almiare (1890-1891) e La Catedral de Rouen (1894).

Sua popularidade disparou na segunda metade do século 20, quando suas obras viajaram pelo mundo em exposições de museus que atraíram multidões sem precedentes. Além disso, artigos populares foram comercializados com imagens de sua arte.

Assim, Monet tornou-se uma referência no mundo da arte, um mestre do pincel e um amante declarado da natureza.