Por que é importante não deixar as coisas sem terminar?

· março 25, 2018

Deixar coisas inacabadas vai além do simples descuido sem importância. Do ponto de vista psicológico, este é um sintoma que não deve ser negligenciado, particularmente nos casos em que não é algo ocasional, mas sim sistemático. Deixar as coisas sem terminar gera angústia.

Cada tarefa ou compromisso que se deixa sem terminar é um ciclo que permanece aberto. Enquanto permanecer aberto, continuará gravitando na sua vida, mesmo que você não perceba. Você sente o peso emocional da desordem, embora não a perceba concretamente. Você também pode experimentar a angústia silenciosa que, com frequência, chega de repente. Em resumo, você se enche de desconforto.

“Nada cansa mais do que o constante lembrete da tarefa inacabada”.
-William James-

Os motivos para deixar as coisas inacabadas podem ser muitos. Às vezes as circunstâncias externas influenciam, mas na maioria dos casos isso tem a ver com nós mesmos. Não finalizamos porque há algo que entra no caminho, alguma realidade que estamos evitando. Vamos aprofundar.

Os motivos para deixar as coisas sem terminar

Em nossas vidas há objetivos grandes e pequenos, bem como tarefas grandes e pequenas. O que acontece com aqueles que optam por deixar as coisas inacabadas é uma ruptura entre objetivos e tarefas. O objetivo é fazer algo, mas isso não se torna uma ação concreta para alcançá-lo.

Mulher com as mãos no rosto

Os motivos para isso acontecer são muitos. No entanto, existem alguns que têm grande relevância:

  • Baixa autoestima. Quando não há amor próprio, pensa-se que o que é feito tem pouco valor. O que importa fazer ou não? Há uma percepção de que não fazer uma tarefa não fará qualquer diferença.
  • Sentimento de fracasso. Toma a forma de conseguir definir um “para quê”. Como se tudo já estivesse perdido e nenhum esforço valesse a pena. É uma das características da depressão.
  • Sensação de inutilidade. Algumas pessoas pensam que é melhor deixar as coisas inacabadas porque, no final, elas estarão erradas. Têm medo do resultado. Portanto, deixar tudo inacabado evita enfrentar as próprias limitações, reais ou imaginárias.
  • Distração. Esta aparece quando há outros aspectos que absorvem completamente a atenção, interesse ou energia mental disponível. Portanto, não há disponibilidade para se envolver em outra tarefa. Se algo for feito, só é feito em parte.
  • Sobrecarga. Quando há mais compromissos do que o tempo para cumprir, é normal deixar tudo pela metade.

As consequências de deixar as coisas sem terminar

Como se pode observar, deixar as coisas inacabadas dá origem a diversas consequências negativas. Basicamente, introduz uma sensação de angústia que pode se tornar crescente e invasiva. Além disso, é claro, acaba por afetar a autoestima e a autoavaliação.

Barco indo em direção a castelo em pedra

As principais consequências de deixar as coisas sem terminar são:

  • Favorece o surgimento do estresse constante.
  • Gera um sentimento de estagnação. É como ficar sempre no mesmo ponto e não conseguir avançar. Você nunca pode terminar as tarefa para continuar com as próximas.
  • Afeta a produtividade. Será muito difícil alcançar objetivos importantes se tudo for deixado pela metade. Isso nos torna ineficientes, enquanto ficamos perdendo energia permanentemente.
  • Dispersa a atenção. Ao não conseguir fechar os ciclos de cada tarefa, sua mente estará pensando em várias coisas ao mesmo tempo: as tarefas inacabadas, o tempo de que você precisará para terminá-las, etc.
  • Impede a criação de novos projetos. Não se sente a liberdade para começar algo novo.

Como resolver?

Deixar coisas sem terminar é um problema que deve ser resolvido em dois níveis. O primeiro tem a ver com quebrar o hábito. Isso começa como um ato mais ou menos inconsciente e acaba se tornando um hábito.

O que você deve fazer é realizar três ações básicas. A primeira coisa é fazer um planejamento realista, estabelecendo metas verdadeiramente viáveis. A segunda é dividir as tarefas em etapas e realizar uma de cada vez. A terceira coisa é aprender a introduzir pausas ativas. Ou seja, períodos de descanso limitados para recuperar o ânimo e continuar.

Trem passando diante da lua cheia

Por outro lado, o problema também deve ser resolvido em um nível mais profundo. É possível que você esteja fazendo algo que detesta e se sinta preso. Ou que você tenha um sentimento de incompetência que o invade. Também é possível que, por trás de tudo isso, exista uma depressão. Seja qual for o caso, é preciso investigar e se aprofundar no assunto.