Síndrome de Peter Pan: 4 indícios de que você a tem

4 indícios que dirão se você sofre da Síndrome de Peter Pan

outubro 31, 2017 em Psicologia 45 Compartilhados
Síndrome de Peter Pan

Não é de admirar que um homem como James Matthew Barrie, cuja máxima era “os dois anos marcam o início do fim”, tenha colocado na boca de um de seus personagens, a Senhora Darling, a exclamação “Oh, por que você não pode ficar assim para sempre?!”. Curiosamente, pode ser que haja pessoas capazes de ficar sempre assim: elas sofrem da síndrome de Peter Pan.

No entanto, isso não parece tão simples. Na verdade, aquelas pessoas que decidem não amadurecer, ou pelo menos tentar, acabam ficando doentes. Isso tem um nome: a Síndrome de Peter Pan, mas não é tão agradável quanto pode parecer de início. Vamos comprovar.

“Talvez a maior aventura de todas tenha sido que passou muito tempo da hora de eles irem para a cama.”
–J. M. Barrie-

O que é a síndrome de Peter Pan?

Uma pessoa adulta que se comporta como uma criança pode parecer engraçada durante um tempo. No entanto, é algo que pode chegar a cansar, já que o que se tem que suportar não são só as brincadeiras e os comentários engraçados. Uma pessoa com a síndrome de Peter Pan não quer crescer nem amadurecer, por isso nunca ultrapassa ou supera a fase egocêntrica, narcisista e imatura das crianças.

Homem com síndrome de Peter Pan

Mas ainda há mais. Essas pessoas fazem verdadeiros esforços para evitar responsabilidades e têm medo dos compromissos como se fossem pesadelos noturnos. Por isso confundem o verdadeiro significado da palavra liberdade, pois consideram que tudo o que implica um ato responsável ou comprometido atenta contra ela.

Hoje em dia este perfil está cada vez mais comum em nossa sociedade. A publicidade fomenta a eterna juventude e o hedonismo, as oportunidades de trabalho são escassas e a dependência financeira dos pais se alarga no tempo, por isso a incidência dessa síndrome começa a aumentar. E, embora não seja exclusiva do gênero masculino, é predominante entre eles.

Como detectar a síndrome de Peter Pan?

Como é lógico, existem formas de detectar essas atitudes que, levadas ao extremo, levam a transtornos ou síndromes graves. Vamos ver quais indicadores revelam os futuros Peter Pan.

Medo do compromisso

Já vimos isso antes, mas este perfil mostra um medo atroz do compromisso. Neste sentido, isso não quer dizer que uma pessoa não quer ter um parceiro, por exemplo. A pessoa pode participar de um relacionamento, mas sempre haverá momentos em que ela não vai querer ir mais longe.

Para esclarecer o medo do compromisso, digamos que uma pessoa afetada por esta síndrome raramente aceita se casar, comprar uma casa junto com seu parceiro ou aprofundar os problemas que podem levar a fortalecer a relação e perder parte de sua “liberdade”.

A síndrome de Peter Pan

São manipuladores

Curiosamente, este tipo de pessoa aparece como um ser encantador. No entanto, sob sua fachada de pessoa extrovertida, engraçada e inteligente, existe um tipo manipulador com um grande medo de mudanças.

Não é raro encontrar nas pessoas com este perfil frases típicas como “não sou escravo do meu trabalho” para justificar sua incapacidade de evoluir, realizar uma simples mudança de emprego ou suportar algumas condições de trabalho que o obrigam a fazer um esforço.

Detalhistas e interesseiros

Outro ponto polêmico demonstrado pelas pessoas com síndrome de Peter Pan. É verdade que são pessoas detalhistas, embora geralmente com eles próprios. Ou seja, mesmo se derem um presente para outra pessoa, será algo que eles mesmos gostem, e que até mesmo possam obter certo benefício disso.

Não é raro que uma pessoa assim possa dar um presente que não interesse a outra pessoa. Ou seja, serve como uma desculpa para que o presente acabe por ir parar nas mãos dele ou que ele mesmo desfrute do presente, em vez do presenteado.

Homem jogando videogame com a mulher reclamando

São mimadas

Outra característica distintiva desses pessoas: elas costumam ser muito mimadas Na verdade, elas se apegam temporariamente a suas posses físicas e, quando encontram outra, acabam descartando e ficando loucas com qualquer outra coisa.

Por exemplo, um dia elas podem aparecer com um carro esportivo que, ao longo dos anos, percebem que era o sonho de sua juventude. Mas amanhã poderiam perfeitamente trocá-lo por uma moto que, coincidentemente, também era um desejo de infância.

Você conhece alguém com esse tipo de síndrome? A verdade é que essas pessoas não são difíceis de encontrar. Se for assim, uma pequena ajuda psicológica profissional nunca pode dar errado.

“Não podia se encher apenas pelo prazer de se sentir abarrotado, que é o que a maioria das crianças mais gosta.”
–J. M. Barrie-

Recomendados para você