Sociotropia: quando investimos demais nas nossas relações interpessoais

Esse tipo de personalidade coloca todos os seus esforços nos outros a fim de obter aprovação, ser aceito e apreciado. É um traço patológico que costuma levar a transtornos depressivos.
Sociotropia: quando investimos demais nas nossas relações interpessoais

Última atualização: 26 Agosto, 2021

A sociotropia define um tipo de personalidade com grande necessidade de investir tempo e esforço nas suas relações interpessoais. Eles o fazem na tentativa desesperada de serem aceitos, evitar a solidão e se sentirem validados em cada uma das suas ações. O mais problemático a respeito desse traço de personalidade é que, mais cedo ou mais tarde, ele tende a revelar problemas psicológicos.

Ansiedade, depressão, relações de codependência, apego doentio, baixa autoestima… O caleidoscópio de nuances patológicas que esse perfil traça é tão conhecido quanto desgastante. Embora nos lembre muito da síndrome de Wendy, deve-se notar que esse padrão de personalidade foi definido pelo psicoterapeuta Aaron T. Beck.

O interesse por homens e mulheres sociotrópicos já existe há várias décadas. Suas presenças, sempre vulneráveis, inseguras e eternamente necessitadas da consideração alheia, são recorrentes nas consultas psicológicas devido à navegação frequente no universo da depressão.

Duas características comuns da personalidade sociotrópica são a timidez e a falta de assertividade.

Amigos conversando

O que é a sociotropia?

A sociotropia é caracterizada por um investimento excessivo e patológico nas relações interpessoais. Estas pessoas são satélites orbitando os outros de forma devota para ganhar validação, se sentirem integrados, aceitos e reconhecidos. Isso costuma causar situações que são tão absurdas quanto desconfortáveis.

A personalidade sociotrópica pode dar atenção e carinho excessivos àqueles que mal conhecem. É, para contextualizar de alguma forma, aquele novo colega de trabalho que de repente se desdobra por todos, que os enche de favores e palavras amáveis a ponto de incomodar.

É fácil identificar esse traço de personalidade porque eles se entregam ao excesso e seu comportamento costuma beirar o servilismo e o desespero por aprovação. O afeto e o interesse excessivo pelo outro, a atenção constante ou mesmo a priorização de pessoas que ainda não conhecem em profundidade desenham um perfil muito problemático a nível psicológico.

Aaron T. Beck e Escala de Autonomia de Sociotropia (SAS)

Uma das personalidades que mais se interessou em definir, compreender e identificar a sociotropia foi Aaron T. Beck. Algo que estudos como o realizado na Universidade de Shippensburg apontam é que este famoso psicoterapeuta estabeleceu que a sociotropia tem um oposto comportamental e cognitivo: a autonomia.

  • A sociotropia é o oposto exato da autonomia pessoal. Enquanto o primeiro se concentra inteiramente no atendimento às relações interpessoais, as pessoas com autonomia buscam e trabalham a própria independência, sem se preocupar excessivamente com os outros.

O que a escala de Beck mede em relação à sociotropia/autonomia?

A escala Aaron T. Beck busca identificar a personalidade sociotrópica e a personalidade autônoma. Para isso, e para criar a Escala de Sociotropia-Autonomia (SAS), ele definiu 378 questões que aplicou em vários pacientes psiquiátricos e pessoas de fora desse ambiente. Isso permitiu que ele gerasse seis fatores para detectar cada padrão de personalidade:

  • A sociotropia é definida pelo medo da desaprovação dos outros / preocupação constante em fazer parte de alguém ou de um determinado grupo / medo da solidão ou separação dos outros / complacência.
  • A autonomia se distingue pelo desempenho autônomo e individual / necessidade de não estar sob o controle de ninguém / preferência pela solidão.
Menina pensando que sofre de sociotropia

Pessoas sociotrópicas e depressão

Se há um aspecto em que a sociotropia gera interesse como traço de personalidade, é pela sua tendência a levar a transtornos depressivos. A literatura científica sobre o assunto é extensa.

Uma pesquisa da Universidade de Santiago de Compostela destaca como o pensamento ruminante e a abordagem emocional mais imatura estabelecem as bases tanto para a depressão maior quanto para a ansiedade generalizada. Em geral, as causas dessas condições psicológicas são construídas nos seguintes aspectos:

  • Baixa autoestima
  • Uma personalidade tímida que alia, por um lado, a necessidade constante de ser validado, amado, cuidado e aceito, com a necessidade de manter os seus próprios espaços. Essa contradição lhes causa sofrimento.
  • Eles não são homens e mulheres muito assertivos.
  • Eles têm uma tendência contínua para o pensamento ruminante, para inverter as coisas, questionar tudo o que dizem e fazem, arrependendo-se do que fizeram, julgando-se e criticando-se.
  • Má gestão emocional.
  • O desejo de serem aceitos socialmente os leva a comportamentos pelos quais se sentem mal mais tarde, fraturando ainda mais seu autoconceito.
  • Medo excessivo da solidão.

A importância da autoaceitação

Quando Aaron T. Beck estudou essa personalidade, ele basicamente encontrou pessoas que lutavam contra sua timidez e sua necessidade de atenção, aprovação e afeto. Esse paradoxo em que o desespero de fazer parte dos outros se integra à insegurança pessoal e ao auto-afastamento produziu neles um grande conflito interno.

A abordagem para ajudar as pessoas com sociotropia é desenvolver nelas traços de personalidade mais autônomos, assertivos e autoconfiantes para construir uma boa autoestima. O complicado é que, muitas vezes, esses números chegam ao limite, com transtornos depressivos maiores e um histórico afetivo repleto de fracassos.

É essencial agir o mais rápido possível. Não podemos exigir que os outros nos ofereçam o que não oferecemos a nós mesmos. Antes de reivindicar validação externa, vamos começar sendo nossos únicos e melhores provedores de amor próprio e autoaceitação.

Pode interessar a você...
Além do que se vê: os transtornos de personalidade
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Além do que se vê: os transtornos de personalidade

Determinadas características podem se apresentar em uma pessoa não como exceção, mas como um padrão de comportamento: são os transtornos de persona...



  • Bruch, Monroe A; Rivet, Kathy M .; Heimberg, Richard G .; Hunt, Anne; McIntosh, Bonnie (1999), “Shyness and Sociotropy: Additive and Interactive Relations in Predicting Interpersonal Concerns”, Journal of Personality , Blackwell Publishers, 67 (2): 373–406, doi : 10.1111 / 1467-6494.0005
  • Martínez, R., Senra, C., Fernández-Rey, J., & Merino, H. (2020). Sociotropy, Autonomy and Emotional Symptoms in Patients with Major Depression or Generalized Anxiety: The Mediating Role of Rumination and Immature Defenses. International journal of environmental research and public health17(16), 5716. https://doi.org/10.3390/ijerph17165716
  • Sato T, McCann D. Sociotropy-autonomy and interpersonal problems. Depress Anxiety. 2007;24(3):153-62. doi: 10.1002/da.20230. PMID: 16986139.
  • Kolts, RL; Robinson, AM; Tracy, JJ (2004). “La relación de la sociotropía y la autonomía con las cogniciones postraumáticas y la sintomatología del TEPT en los sobrevivientes de trauma”. Revista de psicología clínica . 60 (1): 53–63. doi : 10.1002 / jclp.10193