6 atitudes que separam mais do que a distância

· agosto 18, 2018

Estar separado fisicamente não é a única forma de estar longe dos outros. Às vezes, mesmo estando a milímetros de distância, podemos experimentar uma grande ausência das pessoas que nos rodeiam. Nos relacionamentos, a conexão não se alimenta apenas da proximidade física, mas também da troca de afetos, gestos e intenções. Por isso, é importante ter cuidado com certas atitudes que afastam em vez de unir.

Deve-se ter em conta que esta espécie de distância psicológica que podemos experimentar pode ser fruto de dificuldades e problemas, tanto próprios quanto dos outros. Por esta razão, é fundamental verificar como nós estamos e obter mais informações. Agora, independentemente do motivo, essas situações nos fazem sofrer. Vamos falar melhor sobre isso.

“A coisa mais assustadora sobre a distância é que você não sabe se vão sentir saudades suas ou te esquecer”.
-Nicholas Sparks-

Quais são algumas das atitudes que afastam?

Sendo seres com tendências sociais, somente problemas de caráter psicológico podem nos fazer desejar estar longe dos outros. Se alguém rejeita constantemente a companhia de outros, talvez esteja sofrendo com dificuldades que não conseguimos perceber. A nível patológico, a depressão pode ser uma das causas e, neste caso, apenas um especialista pode ajudar o paciente.

Por outro lado, existem outras atitudes, reflexo de características psicológicas, que também determinam o distanciamento das pessoas. Embora não constituam patologias, essas atitudes prejudicam o funcionamento correto dos relacionamentos interpessoais. A seguir iremos nos aprofundar em algumas delas.

Casal enfrentando dificuldades

O egocentrismo

Segundo o dicionário, o egocentrismo é a “exaltação exagerada da própria personalidade, até considerá-la como centro da atenção e atividade gerais”. As pessoas egocêntricas ignoram os interesses e os desejos dos outros por considerá-los inferiores aos próprios.

Portanto, esse tipo de pessoa não dá importância aos problemas dos outros, afastando sua atenção deles. É difícil dialogar com os egocêntricos, pois eles negarão a existência de qualquer problema cuja raiz esteja em sua pessoa. Pelo contrário, sua tendência será identificar o problema naqueles que comunicam suas preocupações, muitas vezes gerando uma separação, tanto física quanto emocional.

Os abusos

Neste caso, a atitude tóxica que o agressor expressa é diretamente refletida na vítima. O abuso é definido como “tratar alguém mal em palavra ou ação”. Isso se refere às consequências psicológicas negativas sofridas pela pessoa abusada, que sente como o abusador se afasta da ideia que havia se formado em sua mente. Por sua vez, o abusador se afasta psicologicamente da pessoa abusada, já que não leva em conta seus sentimentos, como se fosse um objeto sem importância.

No entanto, este caso é bastante especial. Porque embora os comportamentos e as atitudes do abusador criem uma distância entre ele e a vítima, existe um bloqueio manipulativo que, de alguma forma, impede que a separação ocorra na maioria das vezes. Agora, podemos dizer que esse tipo de relacionamento é completamente removido de um vínculo consciente, emocional e saudável entre duas pessoas.

O desprezo

Relacionado diretamente com o abuso, o desprezo se manifesta de diversas formas. Por exemplo, em um sarcasmo excessivo, que por trás do humor esconde a intenção de magoar o outro. Normalmente é consequência de um sentimento de superioridade (geralmente intelectual) do que despreza.

Na verdade, por definição, o desprezo é sinônimo de “desdém”, o que por sua vez é um “desapego”, ou seja, uma posição de afastamento em relação ao outro. Por isso, é uma das atitudes que separam mais do que a distância, já que tratar os outros com superioridade é uma forma de rejeição.

A mentira

Esta é uma das atitudes que afastam mais do que a distância mais comuns, precoces e aparentemente inofensivas. Mentir é esconder e falsificar a realidade. Colocar uma máscara para esconder algo que, por algum motivo, não se quer mostrar.

Como vamos confiar em uma pessoa que mente? Como vamos transmitir confiança se mentimos? É normal que a mentira nos afaste dos outros. É um boicote à sinceridade que prejudica todas as tentativas de conexão nas relações com os outros. Ao mentir, não deixamos que as pessoas nos conheçam.

Máscaras simbolizando diferentes emoções

A vitimização

Essa atitude, quando é própria, é incrivelmente prejudicial para os relacionamentos. Não só porque dilui o significado de vítima, fazendo com que as verdadeiras vítimas percam credibilidade, mas porque estamos derramando sobre os outros um sentimento desnecessário de culpa.

A vitimização é uma forma de autoengano e a prova de ter baixa capacidade de autorregulação e responsabilidade emocional. Esses tipos de pessoas estão assentadas na denúncia e na crítica continua como um mecanismo para sobreviver, culpando os outros por sua infelicidade ou qualquer outro estado de espírito.

A manipulação

Relacionada com o desprezo e o abuso, a manipulação é consequência de uma suposta superioridade intelectual. As pessoas manipuladoras tentam influenciar as atitudes dos outros para seu próprio benefício. Elas geralmente assumem suas intenções devido a essa superioridade intelectual, mas quando aqueles ao seu redor se tornam conscientes de suas práticas, geram uma profunda rejeição.

Como vemos, todas essas atitudes que afastam mais do que a distância são prejudiciais para um bom funcionamento dos relacionamentos interpessoais. Por isso, devemos aprender a identificá-las se quisermos ter relacionamentos saudáveis e frutíferos.