7 passos para esquecer um amor impossível

· outubro 16, 2017

Esquecer um amor impossível não é fácil. É aquele amor que nunca consegue se tornar um relacionamento estável, ou que termina antes de ter começado ou amadurecido. São esses amores os que dão origem aos lutos mais profundos, e às vezes são os mais difíceis de esquecer. É paradoxal porque, se eles finalmente não floresceram, na teoria não deveriam dar lugar a tantos sofrimentos.

Os mais práticos não complicam a vida com um amor impossível. Quando percebem que não existem condições para construir ou manter o vínculo amoroso, eles aceitam e colocam um ponto final a tempo. Outros, por outro lado, acham muito difícil desistir das expectativas, ilusões ou sonhos que foram criados em torno de um relacionamento. O sentimento é mais forte do que as evidências de sua inviabilidade.

De uma forma ou de outra, um amor impossível jamais se esquece. Deixa grandes marcas, precisamente porque não foi vivido ou desgastado no momento em que era necessário renunciar a ele: a idealização não foi quebrada. Mas embora não se esqueça de tudo, é possível processar esse sentimento e deixá-lo de lado para seguir em frente. Aqui estão 7 dicas para conseguir isso.

“O amor é como uma guerra, fácil de começar, difícil de terminar, impossível de esquecer”.
-Henry Louis Mencken-

Como esquecer um amor impossível

1. Defina o que o torna um amor impossível

Há uma grande diferença entre um amor difícil ou conflituoso e um amor impossível. Este último não tem possibilidade de existir. O caso mais típico, e também o que envolve mais dificuldades emocionais, é o de alguém que ama e não é correspondido. Talvez seja mais preciso dizer que uma pessoa ama e precisa de outra, mas essa outra não sente o mesmo. O amor verdadeiro sempre é de dois.

Claro que se pode tentar conquistar alguém que não mostra interesse em um começo. Ao mesmo tempo, também é importante entender que há um ponto em que é necessário aceitar que o investimento não tenha futuro. O mesmo se aplica a outras impossibilidades que geralmente têm em comum esse mesmo elemento: um quer e o outro não. Se não existe sentimento mútuo, não há viabilidade.

Casal se olhando nos olhos com binóculo

2. Examine suas fantasias sobre o amor

É muito comum que a dificuldade para renunciar a um amor impossível venha de algumas fantasias que têm se estabelecido na cultura. Por exemplo, a da “metade da laranja” ou a do “amor da vida”. A partir desses imaginários surge a ideia de que existe apenas uma pessoa “predestinada” para ser nosso par.

Embora seja uma bela fantasia, não corresponde à realidade. Os seres humanos têm uma capacidade infinita de amar. Quando se vive um relacionamento, se enfrenta o seu fim e se tira dele a experiência e a sabedoria que pode contribuir, geralmente o relacionamento seguinte é ainda melhor.

Nós sempre podemos começar de novo e cada nova experiência pode ser melhor do que a anterior. Na verdade, os anos nos preparam para amar com maior generosidade e tolerância quando não permanecemos ancorados nesses desejos impossíveis; os mesmos que às vezes se cruzam.

3. Reconheça os aspectos negativos

A paixão, e não o amor, nos leva facilmente a idealizar as pessoas e as situações. Às vezes lhes damos virtudes e atributos que eles realmente não têm, ou que apenas possuem em uma medida modesta. Para diluir essas construções mentais, é importante que também passemos a avaliar os elementos negativos.

Que defeitos tem essa pessoa que você acredita amar tanto? Quais aspectos insatisfatórios existem ou estavam nas situações que você compartilhava com ela ou ele? Você poderia pensar em como esses defeitos e erros se manifestariam em cerca de 10 anos? Essas são as perguntas que você deve formular e tentar responder com total honestidade. É provável que ao final sua perspectiva seja mais realista.

Mulher em piscina em cérebro de homem

4. Aceite que é hora de esquecer

É o passo mais difícil. Foi comprovado que, quando uma pessoa quer estar em um relacionamento amoroso com alguém e não é possível, são produzidas reações semelhantes às que um viciado tem durante a síndrome de abstinência. O desconforto emocional, e inclusive físico, às vezes se torna difícil de tolerar.

E assim como ocorre com os vícios, o mais difícil é aceitar que a dependência existe, que gera profundo sofrimento e que se sente impotente diante dela. Parece fácil de admitir, mas não é. Às vezes somos capazes de inventar e racionalizar qualquer pretexto para não aceitar que, de fato, somos vítimas de uma dependência. Quando você consegue aceitá-la, dá o passo mais importante. Isso enfoca e esclarece os passos a seguir.

5. Elimine vínculos e suprima memórias

Depois de aceitar que é hora de deixar para trás esse amor impossível, o que se segue é começar a cortar todos os vínculos que subsistem. Isso significa não chamar, não tentar novos encontros, manter distância de seus amigos e fazer tudo aquilo que permita romper os laços que se mantém com essa pessoa. Em particular, rompa os vínculos nas redes sociais: são muito traiçoeiros.

Nesta mesma lógica, é necessário suprimir as memórias. Exclua as fotografias, desfaça-se dos presentes. Se você não está pronto para deixá-los, simplesmente reúna todos e os guarde em um lugar de difícil acesso. Se sua decisão já for mais firme, desfaça-se de tudo. É uma maneira de desfocar e diluir a presença desse amor impossível.

Homem com os olhos cobertos por guarda-chuvas

6. Mude sua rotina, experimente algo novo

É hora de começar uma nova etapa. O amor impossível pode ter ocupado muitas das suas horas, de seus dias e até de seus anos. Deixá-lo ir não será nada fácil. No entanto, se você se propõe a fazer essa mudança, tudo se tornará cada vez mais simples. Certamente, há coisas que você sempre quis fazer e por uma razão ou outra você adiou. Agora é a hora de atender a essas “pendências”.

A hora de dar o adeus definitivo é também o momento de se aventurar em novas atividades ou novos lugares. Viajar é sempre uma excelente alternativa. Que tal se propor a isso? Também vale a pena explorar suas habilidades, fazer um curso que te leve a conhecer novas pessoas ou a praticar um passatempo interessante. A vida continua e há milhares de coisas para fazer.

7. Dê tempo ao tempo

Há amores e amores, e alguns deles deixam marcas tão profundas que não vão embora por mais coisas que aconteçam. Um amor impossível quase sempre se enraíza por um bom tempo e resiste a não ser evocado. É algo que, em todo caso, não se consegue da noite pro dia. Requer decisão, coragem e caráter. Custa e vão existir pequenas recaídas, mas o tempo irá ajudá-lo a crescer.

Se você tem claro que não pode continuar alimentando um amor que não pode existir, se também cortar os vínculos e se propor a começar uma nova vida, pouco a pouco vai ver que é possível esquecer um amor impossível, e conseguir com que essa pessoa ocupe um lugar diferente em sua mente e em seu coração. Progressivamente você sentirá mais paz em sua alma. Irá descobrir que nesse processo de amar e, depois, deixar ir, tem aprendido muito e tem crescido mais.

Homem carregando mochila em forma de casa

Renunciar ao impossível é um ato cotidiano, e isso não poderia ser diferente no amor. Sem querer, muitos de nós somos sonhadores irremediáveis. Não nos conformamos tão facilmente com a ideia de que os limites existem e de que às vezes não temos escolha senão aceitar esse fato. O maravilhoso é que ao encontrar as fronteiras de nossas próprias possibilidades e aceitá-las, também damos um passo definitivo para aprender a sermos melhores.

Tudo o que você vive vale a pena. Inclusive, são essas frustrações que tanto nos machucam as que logo se convertem na semente de nossas maiores conquistas. Também são a base sobre a qual construímos uma personalidade adulta. Ou seja, uma forma de ser em que se compreende que o limite para nossas fantasias amorosas esteja no que outros desejam livremente.

Esperamos que estes passos de como esquecer um amor impossível possam servir de ajuda para os leitores que estiverem enfrentando este problema em suas vidas.

Imagens cortesia de Maria Wasick, Henn Kim