8 estratégias para evitar a tentação de julgar os outros

· agosto 16, 2018

Superar ou aplacar a tentação de julgar os outros é um costume muito saudável quando se trata de estabelecer relacionamentos pessoais e profissionais saudáveis ​​e construtivos. Por isso, a seguir mostraremos algumas razões que podem motivá-lo a fazer isso.

Às vezes, a tentação de julgar os outros sem saber muito – e pensando que sabemos o suficiente – pode ser muito grande. No entanto, a sensação de estar do outro lado não é agradável e também nos esquecemos disso.

Quantas vezes tivemos a sensação de que os outros se permitiram o “luxo” de falar sobre nós sem saber? Quantas vezes nós escorregamos deste tobogã e até nos precipitamos falando sobre o que aconteceria (profecia autorrealizável)?

Estratégias para evitar a tentação de julgar os outros

Para não julgar os outros, podemos seguir estas 8 estratégias:

1. Pensar antes de falar

Deixar-nos levar pelo que os outros dizem ou pelo que nós mesmos intuímos pode ser uma grande tentação. Esta seria a escolha mais “fácil” para preencher silêncios quando não temos inspiração para compartilhar algo importante.

Não ouvir e propagar fofocas fará com que descartemos mais corretamente aquela informação que, pelo menos, é questionável. A consequência imediata disso é que deixaremos de julgar os demais e incentivaremos outras pessoas a adotar a mesma atitude de prudência.

Amigas conversando sem julgamentos

2. Praticar o mindfulness

O mindfulness é uma atividade baseada em algumas técnicas extraídas do budismo. Em resumo, é uma filosofia que entende que a liberdade aumenta quando o número de julgamentos diminui, tanto aqueles que fazemos aos outros como aqueles que fazemos a nós mesmos. Esse tipo de atitude pode nos ajudar a não julgar os outros.

3. Ninguém é perfeito

Para não julgar os outros, é muito importante aumentar o grau de tolerância. Certamente os demais cometem erros, com certeza nós também, mas até que ponto temos o direito de julgá-los por seus erros, de nos colocar em uma posição de superioridade? Muitas vezes até ultrapassamos os fatos e nos tornamos juízes de opiniões.

4. Lembrar que não somos todos iguais

Nem todo mundo pensa ou age da mesma maneira. Cada pessoa é diferente e não merece menos respeito por isso. Aspectos como a cultura, a família, os amigos ou a educação que recebemos influenciam nossa história e, portanto, a maneira como pensamos e nos comportamos.

5. Olhar para si mesmo

Em vez de gastar tanto tempo julgando outras pessoas, podemos passar esse tempo observando a nós mesmos, fazendo alguma introspecção e conhecendo nossos defeitos e nossa maneira de pensar mais profundamente. Isso pode nos ajudar a saber por que pensamos como pensamos e por que criticamos as posturas de outras pessoas.

6. Sentir-se bem consigo mesmo

Nosso grau de tolerância à variabilidade é muito maior quando estamos em um estado mental positivo. Assim, a tristeza, por exemplo, impõe um filtro de pessimismo e severidade ao nosso olhar. A raiva, por exemplo, faz com que a tentação de fazer julgamentos rápidos e com pouco apoio argumentativo aumente.

Mulher feliz livre de julgamentos

7. Ter uma mente mais aberta

Ser uma pessoa com uma mente aberta e tolerante dirá muito sobre nós. Além disso, mostrar uma atitude positiva em relação aos outros facilitará muito a comunicação. Junto com isso, podemos conhecer melhor as outras pessoas, o que pode ser muito interessante e podemos aprender com sua forma de ser e de pensar.

8. Estar ciente de que as aparências enganam

As aparências enganam, e muito. Por outro lado, a complexidade do ser humano é muito grande. Desta forma, por trás de nossos comportamentos, geralmente existem várias motivações. Por trás de nossos atos, se encaixam várias interpretações. Um exercício de prudência nos fará reconhecer o papel que determinados efeitos desempenham, como o efeito halo, em relação à primeira impressão que uma pessoa nos causa.

Nossa mente vive nessa dinâmica, precisa dela para delinear o que nos cerca e entender nosso próprio comportamento e o dos outros como previsível. Falamos sobre a dinâmica de julgar os outros. Um automatismo que, em muitas ocasiões, longe de ajudar, prejudica, estraga os relacionamentos, e é por isso que, em muitos casos, devemos nos conter e, em outros, fazer isso com extrema prudência.