A linguagem dos olhos

A linguagem dos olhos

Última atualização: 06 março, 2022

A comunicação verbal cobre apenas uma pequena parte do que estamos expressando constantemente. Normalmente nossas palavras são filtradas por condicionamentos sociais ou circunstâncias; é por isso que elas nem sempre comunicam o que realmente queremos dizer. Algo muito diferente acontece com os olhos, que não foram classificados como as “janelas da alma” à toa.

A linguagem dos olhos é basicamente inconsciente. Quase nenhum de nós mantém constantemente o controle sobre a nossa forma de olhar. Muito menos podemos direcionar a amplitude de abertura de nossas pupilas ou o grau de umidade no olho. Nesses pequenos detalhes há muita informação sobre o que realmente passa pela nossa cabeça.

“Os olhos são o ponto onde a alma e o corpo se misturam.”

-Friedrich Hebbel-

O alfabeto das pupilas

As pupilas enviam mensagens muito sutis e, por isso, geralmente passam despercebidas. No entanto, elas têm seu próprio alfabeto que pode ser decifrado. O aspecto mais visível é o tamanho, que muda automaticamente de acordo com as diversas circunstâncias, sem que a nossa vontade intervenha nela.

a linguagem dos olhos

Normalmente, as pupilas dilatam se nos encontramos diante de um objeto que achamos agradável e que aceitamos sem hesitação. Obviamente, elas também ficam maiores se a luz for fraca ou tivermos dificuldade em visualizar algo. Mas se as condições de iluminação e visibilidade forem normais, a dilatação da pupila é sinal de gosto e atração.

A mesma coisa acontece ao contrário. Em outras palavras, quando nos deparamos com algo que gera rejeição ou medo, as pupilas tendem a se contrair. Pupilas pequenas revelam hostilidade ou mau humor, mesmo que não estejamos olhando diretamente para o objeto que é a fonte dessas emoções.

A linguagem dos olhos provavelmente é conhecida intuitivamente há centenas de anos. Antigas prostitutas chinesas e egípcias usavam beladona em seus olhos para aumentar o tamanho de suas pupilas, ao atender um de seus clientes. Elas achavam que isso as tornava mais desejáveis.

Quanto às pupilas contraídas, é fácil observá-las no gesto de qualquer pessoa que esteja pronta para atacar. Além de apertar os olhos, se pararmos para observar, veremos que o tamanho das pupilas também diminui.

Movimento ocular e linguagem

Os olhos estão em movimento permanente, mesmo quando estamos dormindo. Normalmente são pequenas ações nas pálpebras ou no globo ocular, bastante difíceis de capturar. Ainda assim, há movimentos mais explícitos que deram origem a identificar o que está escondido por trás dessa dinâmica. Na fase do sono REM (movimentos rápidos dos olhos) os olhos se movem mais rápido.

Olhos de mulher fechados dormindo

Se os olhos se movem para cima e se inclinam para a direita, os mecanismos de memória do cérebro provavelmente entraram em ação. O movimento denota evocação de um dado ou de uma situação passada. Se, em vez disso, eles se movem para cima e para a esquerda, é mais provável que as funções criativas relacionadas ao campo visual tenham sido ativadas. Esse movimento geralmente ocorre quando capturamos uma imagem que nos surpreende.

Dirigir os olhos para baixo indica que entramos em um processo de introspecção. Se o olhar se dirige para a esquerda, certamente é porque se está fazendo um cálculo sobre uma situação ou alguma mensagem. Se se mover para a direita, é sinal de que está ocorrendo um processo de memória relacionado às sensações físicas.

Os movimentos dos olhos para a esquerda são o indicador mais claro de que um processo criativo está ativado. À direita, fala-nos de um processo de memória. E em ambos os casos alude a experiências relacionadas ao som.

Estes são apenas alguns pequenos exemplos desse enorme universo que é a comunicação não-verbal. Embora a linguagem dos olhos seja útil, é para desvendar o que as pessoas com quem falamos não dizem, talvez tenha um valor bastante anedótico, porque elas só conseguem revelar alguns dados isolados sobre o que está em nosso cérebro.

O sorriso de Duchenne

Todas as informações que os olhos podem nos fornecer não ficam apenas no globo ocular, mas também podem ser transferidas para os músculos que o cercam. Neste caso, o músculo orbicular é o protagonista. É um músculo que fica ao redor do olho e é fundamental para identificar se um sorriso é autêntico.

O pesquisador francês Guillaume Duchenne percebeu que um sorriso genuíno é aquele que envolve os músculos zigomáticos maior e menor próximos à boca e os músculos orbiculares. Assim, o sorriso espontâneo foi batizado de sorriso Duchenne. Nesse caso, os músculos orbiculares são responsáveis por alongar as bochechas e enrugar os olhos por meio de sua contração.

Pode interessar a você...
Movimentos sacádicos dos olhos: características e funções
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Movimentos sacádicos dos olhos: características e funções

Os movimentos sacádicos dos olhos auxiliam na comunicação, seja por meio da leitura, percepção ou conversação. Saiba mais aqui!