Alimentação consciente: melhore a sua relação com a comida

outubro 26, 2019
Você se sente culpado depois de comer? Você sempre come porque sente fome? Hoje vamos falar sobre a alimentação consciente.

Muitas pessoas enfrentam o eterno dilema de decidir entre fazer dieta ou se deixar levar. A alimentação consciente nos ajuda a lidar com isso e a melhorar a nossa relação com a comida.

Em muitos casos, uma dieta desequilibrada é o resultado de uma vida muito ocupada que se prolonga nos períodos de descanso. Muitas vezes perdemos completamente o senso de relação com a nossa alimentação e o nosso corpo.

Percebemos isso quando surgem problemas de sobrepeso ou sensação de mal-estar depois das refeições.

É então que nos questionamos sobre parar de comer certos alimentos e começar uma dieta para perder alguns quilos. Aparecem a culpa e as reprovações internas pelos alimentos que comemos… e por aqueles que deixamos de comer.

A alimentação consciente não se refere apenas ao que comemos, mas também à forma como comemos. Pouco adianta trocar o tipo de alimento se o ingerimos de forma muito rápida, sem mastigar o suficiente e sem permitir que nossos sentidos desfrutem do momento e da experiência de comer.

Mulher mantendo uma alimentação consciente

Comer além da conta

Nosso cérebro precisa de aproximadamente 20 minutos para receber e analisar os sinais de saciedade que o estômago envia. Quando comemos muito rápido, é provável que acabemos comendo mais do que o necessário.

Mastigar e engolir não é comer de forma consciente. O ato de comer está sempre acompanhado de estados emocionais. Quando comemos de forma consciente, o estado emocional é de satisfação.

No entanto, quando comemos de forma inconsciente, o estado emocional desenvolvido costuma ser de incômodo, sensação de estômago muito cheio e letargia.

Um estudo realizado por Langer, Warheit e Zimmerman indicou que, depois de cada refeição, 44% das pessoas achavam que tinham um problema de sobrepeso. Mais de 45% se sentiam culpados depois de comer.

As quatro perguntas

Para começar a adotar a alimentação consciente em nossas vidas, vamos trabalhar a atenção e criar uma continuidade de consciência. Quanto mais consciência da nossa relação com a comida tivermos, mais possibilidades teremos de melhorar nesse sentido.

É preciso ter consciência do que você quer e deve comer antes, durante e depois do processo de alimentação. Para isso, faça quatro simples perguntas.

  • A minha satisfação com a forma como me relaciono com a comida é alta ou baixa?
  • O nível de prazer proporcionado pela comida durante o processo de alimentação é alto ou baixo?
  • Consumo porções normais de comida ou costumo escolher uma porção maior do que o normal?
  • Quando termino de comer me sinto feliz ou incomodado?

Quando exercitamos a nossa atenção ao responder a estas perguntas, começamos o processo de uma alimentação consciente. Comprometer a consciência e a atenção é dar abertura para uma alimentação mais saudável.

Por outro lado, quando a nossa consciência e a nossa atenção se distraem, perdemos o controle sobre o que comemos. Há uma exceção, que é quando planejamos exatamente o que vamos comer e também quanto vamos comer.

A fome emocional

Nossa forma de comer é muito influenciada pelo nosso entorno sociocultural, mas também é influenciada de maneira muito íntima pelas nossas emoções. A forma como desenvolvemos a capacidade de regular nossas emoções pode nos ajudar muito a regular o hábito da alimentação consciente.

Comemos emocionalmente quando não somos capazes de diferenciar as emoções, tanto agradáveis quanto desagradáveis, da sensação real de fome.

Além disso, a baixa tolerância ao mal-estar emocional impulsiona as pessoas a comer injustificadamente e de forma inconsciente, o que é conhecido popularmente como “assaltar a geladeira”.

A comida como recurso de enfrentamento para lidar com as emoções é um caminho incorreto e completamente afastado da alimentação consciente. A comida não é um alívio nem um entretenimento, muito menos um ansiolítico ou depressivo.

Esta forma de utilizar a comida não é nada além de um caminho rápido que o cérebro utiliza para obter uma diminuição de algum tipo de angústia vital. O problema é que são atitudes que acabam se transformando em hábitos.

Mulher assaltando a geladeira

Desenvolver consciência, desenvolver uma alimentação consciente

A prática regular da auto-observação ajuda a lidar melhor com as nossas habilidades de alimentação consciente. Também é uma forma de evitar a autossabotagem. A solução passa por construir novos hábitos alimentares baseados na consciência.

É fundamental começar a se perguntar se a fome que sentimos é uma fome física ou simplesmente fome emocional. Devemos começar a identificar as nossas emoções e a lidar com elas adequadamente.

Precisamos exercitar o hábito de comer nos momentos certos e não comer fora de hora com justificativas de qualquer tipo. Devemos fazer um aumento consciente de outras atividades prazerosas que não estejam relacionadas com a comida.

A alimentação consciente é uma habilidade que pode ser adquirida e treinada. Quando paramos de comer emocionalmente e começamos a comer de forma consciente, também passamos a nos sentir melhor porque estamos nos cuidando; percebemos que temos controle sobre o que comemos e, portanto, controle sobre o nosso corpo.

  • Vidal, Julia (2017) El comer emocional: Cuando nos alimentamos desde nuestras emociones. Area humana blog. Recuperado de https://www.areahumana.es/comer-emocional/
  • Churchill, Margaret (2002) Conscious Eating. Experience life blog. Recuperado de https://experiencelife.com/article/conscious-eating/
  • Nelson J. B. (2017). Mindful Eating: The Art of Presence While You Eat. Diabetes spectrum : a publication of the American Diabetes Association, 30(3), 171–174. doi:10.2337/ds17-0015
  • Frayn, M., Livshits, S., & Knäuper, B. (2018). Emotional eating and weight regulation: a qualitative study of compensatory behaviors and concerns. Journal of eating disorders, 6, 23. doi:10.1186/s40337-018-0210-6