Aprenda a aproveitar o presente; ele irá acompanhá-lo pelo resto da vida

· março 11, 2017

A chave da felicidade parece estar relacionada com usar todos nossos sentidos e prestar atenção à informação que chega através deles: desenvolver uma consciência presente e plena. Diversas pesquisas da psicologia positiva defendem que o bem-estar psicológico se alimenta da capacidade de focar a própria mente naquilo que está acontecendo no momento presente em que você se encontra.

Viver o instante presente requer um trabalho constante e progressivo da própria mente. Afinal, uma mente que não foi treinada tende por natureza à dispersão. Vivemos para a próxima coisa que vai acontecer, e isto nos leva a diversos desajustes emocionais.

Quando a nossa mente vive constantemente preocupada com o futuro, a ansiedade irá se apoderar do nosso presente, e quando a mente vive ancorada ao passado, será a tristeza e o desespero quem se apoderará de nossos dias.

As pessoas são frágeis quando não param de se fazer perguntas sobre o passado e o futuro, e somos fortes quando experimentamos sem medo o nosso próprio dia a dia. O passado e o futuro só existem em nossos pensamentos, portanto, o que é verdadeiramente real está no presente.

“Não se detenha no passado, não sonhe com o futuro, concentre a sua mente no presente.”
-Buda Gautama-

Viver de acordo com o presente modifica o nosso cérebro

O Dr. Andrew Newberg, neurocientista da Universidade Thomas Jefferson, e Mark Robert Waldman, um especialista em comunicação, apontam que viver a vida focado no presente pode mudar o cérebro. A palavra presente tem o poder de influenciar o equilíbrio da tensão física e emocional.

menina-sentindo-natureza

Quando focamos apenas as tarefas presentes, podemos mudar a forma como o cérebro funciona. Focando a vida desta forma estamos potencializando o raciocínio cognitivo, o qual contribui para o fortalecimento das áreas do lóbulo frontal.

Usar palavras positivas focadas no que estamos realizando ativa os centros de motivação do cérebro, levando-os à ação. Em um extremo oposto, quando usamos palavras lembrando o passado ou nos antecipando ao que iremos fazer, certos neuroquímicos, como o cortisol, contribuem para administrar o estresse e a ansiedade.

Quando usamos palavras negativas para relembrar nosso passado é ativado o centro do temor do cérebro, a amígdala. Quando estas palavras se transformam em pensamentos, o medo é ativado, mesmo que as situações que o provocaram não estejam presentes.

Os seres humanos são programados inicialmente para se preocupar. É parte do nosso cérebro primitivo que nos protege de situações de perigo. De fato, o que há 10.000 anos atrás era fundamental para a nossa sobrevivência, atualmente tem um uso excessivo que apenas nos provoca angústia diante do que na verdade ainda não podemos agir, porque ainda não existe, e há probabilidades de que nunca chegue a existir.

Estar sempre atento ao que se está fazendo, a todo instante, aí está o verdadeiro poder.

A felicidade só pode ser vivenciada no momento presente

Podemos imaginar que algum dia seremos felizes ou lembrar períodos em que fomos felizes, mas a verdade é que somente poderemos ser felizes no momento que estamos vivendo. Isto não significa que não devamos definir metas nem organizar nossas vidas, mas que fazer isto não deve se transformar em uma forma de procrastinação na hora de mergulhar na realidade que nos rodeia, seja para aproveitá-la ou para transformá-la.

Aceitar as coisas tal como são, sem julgá-las e focalizando-as nas nossas mentes no momento presente, é uma forma de controlar os pensamentos errantes que nos afastam da consciência plena. Se não podemos evitar que surjam, pelo menos teremos que deixá-los passar quando aparecerem, sem nos prendermos a eles.
gerir-o-tempo-presente
Lembrar as circunstâncias negativas do passado diminui nosso entusiasmo, nosso otimismo e, portanto, nos amarga o momento atual, limitando nosso potencial e dispersando a nossa energia. Inclusive as lembranças de circunstâncias positivas, se são recorrentes, afetam o gozo do momento presente, já que implicam um sentimento de nostalgia, aquela ideia de que qualquer tempo passado foi melhor.

O presente é o único lugar onde podemos agir sobre a realidade, onde nossos dias são realidade e onde encontramos as oportunidades. O primeiro passo para nos conectarmos a ele passa por controlar atos tão presentes e tão naturais quanto a respiração. Somente com este ato de consciência nossos sentidos poderão se abrir.

Imagens cortesia de Claudia Dinora.