Aprender a amar com 5 dicas importantes - A Mente é Maravilhosa

Aprender a amar com 5 dicas

dezembro 17, 2017 em Psicologia 0 Compartilhados
Aprender a amar

Existe apenas uma felicidade na vida: amar e ser amado, disse o romancista e dramaturgo Amantine, conhecido pelo pseudônimo “George Sand”. Sob essa dualidade, nós nos relacionamos com os outros não só pelo que são, mas pelo que nos fazem ser quando estamos com eles. Agora, para que o amor esteja ligado à felicidade, precisamos amar bem, com a autenticidade mais completa. Vamos ver como aprender a amar.

A palavra amor tem um uso extendido em nossa linguagem. É associada por excelência ao amor, um dos sentimentos mais importantes que os seres humanos experimentam e que tem a ver com o afeto profundo, apego e o compromisso que se sente por uma outra pessoa.

Amar tem múltiplas concepções, tanto quanto há pessoas no mundo. Mas, além de sua concepção, sabemos amar? Tudo parece indicar que temos algumas dificuldades, e mesmo não acreditando que as tenhamos, é sempre possível melhorar e continuar a crescer em temas de amor. Vamos mergulhar neste belo tópico.

Casal se beijando sob um guarda-chuva

Sabemos amar?

Quase todas as pessoas pensam que sabem amar. Eles acreditam que os sentimentos que experimentam são suficientes e esquecem que o verdadeiro amor é como a manutenção de um jardim. Dia após dia você tem que regá-lo, eliminar as ervas daninhas e cuidar para que as flores continuem crescendo.

Ninguém está livre das tentações de uma vida confortável. No entanto, amar é passar por elas sem nos deixar levar. Discutir questões importantes com quem você ama, estabelecer limites saudáveis ​​e promover o bem-estar são a base de uma vida em comum.

O amor é uma arte? Aqueles que compartilham essa concepção sabem que o amor requer conhecimento e esforço. Ou talvez, é uma sensação agradável, cuja experiência é uma questão de chance, algo em que se tropeça se tiver sorte. O livro “The Art of Loving” de Erich Fromm fala sobre isso. Através dele, podemos descobrir que o amor, em vez da sorte – apesar do fato de que a maioria pensa que é assim – é uma arte.

Não se trata de pessoas que pensam que o amor não tem importância. Na verdade, todos temos sede de amor. Vemos inúmeros filmes baseados em histórias de amor felizes e infelizes, ouvimos centenas de canções triviais que falam de amor … No entanto, quase ninguém acha que tem que aprender a amar.

Pote de vidro com flor de coração dentro

Como aprender a amar?

Às vezes parece que apenas o que nos traz um benefício tangível, como dinheiro ou prestígio, é considerado digno de aprender. Mas o que acontece com o que beneficia nossa alma? Aprender a amar é possível? Aprender sobre o que sentimos, mas que não tocamos, também nos beneficia?

Neste contexto, nos vemos na sociedade de hoje, onde somente pelo título do artigo muitas pessoas não pararam para lê-lo, sem levar em conta que o amor é a resposta à existência. Qualquer teoria do amor deve começar com uma teoria do homem, da existência humana.

O amor é uma atividade e, como tal, é continuidade, e não apenas um começar. Aprender a amar é necessário se queremos alcançar a autorrealização e cultivar relacionamentos saudáveis.

Então, para que o amor não fique só na teoria e passe à prática, nós lhe damos essas cinco dicas tiradas do livro “A arte de amar” de Erich Fromm:

  • Seja original. Vivemos na falsa ilusão de nos sentirmos originais em um mundo completamente homogêneo. Nós nos conformamos porque pensamos que os relacionamentos não podem ser de outra forma. No entanto, temos o poder de criar nosso próprio tipo de relacionamento de sinceridade e autenticidade com nosso parceiro. Desta forma, nos libertamos das condições e dos costumes que acompanham o “casal perfeito” e os ideais românticos.
  • Encontre alguém que dê tudo e faça o mesmo. Amar é dar. Uma experiência cheia de vitalidade, força e poder que nos enche de alegria. Tudo isso enquanto nossos limites não forem excedidos e preservarmos nossa dignidade e respeito. Se também escolhermos alguém que compartilhe essa perspectiva, será maravilhoso porque trocaremos o melhor de nós mesmos.
  • Desejar conhecer o outro. Nós nos conhecemos, mas não nos conhecemos, diria Fromm. Nós pensamos que conhecemos os outros, mas não o fazemos, pelo menos não totalmente. Cada experiência que temos nos influencia de alguma forma. A mudança é a única constante. Manter viva a chama de conhecer nosso parceiro é o que nos livra da rotina.
  • Distinguir o tipo de amor que estamos dispostos a dar e a receber. Existem muitos tipos de amor. Saber o que podemos oferecer e receber influenciará nossa relação. Agora, não há nada comparado ao amor maduro e consciente. Esse deve ser o nosso fim. Dois seres que se tornam um, mas que permanecem dois.
  • Aceite os desafios e conflitos de um casal. O amor não é a ausência de conflito, mas um desafio constante para crescer e trabalhar em conjunto.  

Escadas para o topo de um coração

Existe apenas um remédio para o amor: amar mais. Longe de nos desencorajar, quando sofremos uma decepção amorosa é necessário olhar para o futuro com uma nova visão da vida, em vez de nos encerrar em nosso lar.

Amar é uma arte, um processo em que a criatividade, o cuidado e a autenticidade dão frutos enquanto estivermos dispostos a dar respeito e responsabilidade. Amar mais é o remédio para qualquer problema na vida…

Recomendados para você