Atlantis, uma preciosa fonte de inspiração para as meninas

· fevereiro 20, 2018

Os filmes animados da Disney têm acompanhado a infância de centenas de crianças ao longo de várias gerações. No entanto, é claro que alguns são mais populares do que outros. Talvez um dos filmes mais negligenciados da Disney seja ‘Atlantis, O Reino Perdido’. Porém, Atlantis é um exemplo excelente de habilidade artística e pluralidade de personagens.

‘Atlantis, O Reino Perdido’ é um filme de 2001 produzido pela Disney. Ele foi criado por Gary Trousdale e Kirk Wise, que também dirigiram o filme ‘O Corcunda de Notre Dame’. O filme nos apresenta um grupo de personagens incrivelmente variado, de diferentes nacionalidades e de diferentes origens culturais. O filme foi inspirado pelas histórias de Júlio Verne, particularmente em Viagem ao Centro da Terra, mas Atlantis tem um visual futurista e estilo steampunk.

Um dos protagonistas é Milo Tatch, linguista e historiador. Para começar a expedição em busca da cidade de Atlantis, Milo conhece seus colegas aventureiros. O líder é um homem forte e determinado, Comandante Rourke, acompanhado pela enigmática Helga Sinclair. Também encontramos Vinny Santorini, especialista em demolições italiano. Há Gaëtan “Mole” Molière, um geólogo francês, e Dr. Joshua Sweet, um médico afro-americano, além da jovem Audrey Ramirez, uma mecânica aventureira, e a operadora de rádio Whilhelmina Packard.

Cena de 'Atlantis: o Reino Perdido'

Sobre Atlantis, um filme de aventura

O filme começa com o colapso da cidade de Atlântida, berço de outras civilizações. Nas cenas de abertura você pode ver como a Rainha de Atlantis é escolhida protetora da cidade.

Muitos séculos depois, em 1914, Milo Tatch é um jovem historiador apaixonado por sua carreira e por idiomas. Um milionário excêntrico está financiando pesquisas para encontrar o reino perdido de Atlântida. Este milionário traz Milo para ser seu especialista em história, mitos e tradução hieroglífica.

Logo após iniciar a pesquisa, a equipe encontra enormes monstros do mar que destroem seus barcos. No entanto, o grupo de sobreviventes consegue encontrar uma caverna subaquática e seguir por ela pelo subterrâneo do oceano. Depois de viajar por algum tempo, a expedição finalmente encontra o reino perdido de Atlântida. Aqui você vai conhecer a princesa guerreira Kidagakash, que tentará obter a ajuda de Milo para reviver o coração mágico da cidade.

Enquanto Milo e Kida traduzem as inscrições antigas, o Comandante Rourke mata o rei de Atlantis para roubar o poderoso cristal que mantém viva a cidade. Uma vez que consegue roubá-lo, ele tenta escapar da cidade passando pelas cavernas.

Porém, os cidadãos da cidade de Atlantis, liderados pela princesa Kida e acompanhadas pelo grupo de Milo, lutam contra o Comandante Rourke e conseguem vencê-lo. Rourke morre depois de um tiro de Helga Sinclair, a quem ele havia traído.

Uma vez que eles conseguem retornar o cristal para a cidade, Atlantis recupera o seu esplendor. Kida é coroada Rainha de Atlântida e Milo fica com ela. O resto da expedição decidiu voltar para a Inglaterra com as fortunas concedidas pelo povo de Atlantis.

Filme 'Atlantis: o Reino Perdido'

O papel das mulheres nos filmes da Disney

Atlantis é um filme que rompe com o retrato que muitas vezes as mulheres têm nas obras da Disney. Até pouco tempo era muito raro ver mulheres fortes e independentes como protagonistas em filmes de animação da Disney.

A imagem habitual da Disney Princess é uma mulher magra, de pele clara que sempre usa vestidos. Pense em personagens como Branca de Neve e Bela Adormecida. Além disso, esta mulher estereotipada da Disney está sempre de bom humor. É também, em geral, um personagem para preencher ou apoiar o verdadeiro protagonista do filme: um homem.

Exemplo disso é Bela, de ‘A Bela e a Fera’, cuja vida gira em torno dos homens em sua vida. Entre casar ou não casar com Gaston, salvar seu pai, acompanhar, cuidar e amar a Fera. Nos poucos casos em que há uma protagonista feminina, como em Mulan e Pocahontas, ela é a única mulher importante na história.

Por esta razão, Atlantis é um pioneiro da reivindicação das mulheres no filme de animação infantil e juvenil. Atlantis mostra várias personagens femininas que desempenham diversos papéis ao longo do filme.

As mulheres em Atlantis

Em primeiro plano encontramos Kida, a princesa guerreira que quer desesperadamente salvar seu povo, mas não sabe como fazê-lo.

Kida esta destinada a guiar e proteger o seu povo e decide ir contra os desejos de seu pai. Assim, Kida estabelece uma aliança com Milo para traduzir os antigos textos proféticos. Só desta forma Kida poderia recuperar o esplendor perdido de Atlântida.

Uma das personagens mais carismáticas do filme é Audrey. Esta corajosa jovem será responsável pelo trabalho tradicionalmente associado aos homens: a mecânica. Audrey admite que ela estava interessada em mecânica porque seu pai queria filhos, mas tinha duas meninas. No entanto, Audrey não se deixou prejudicar pelas expectativas sociais. No filme, Audrey é apresentada como uma mulher empreendedora que sonha em ter sua própria oficina mecânica.

Personagem de 'Atlantis: o Reino Perdido'

Também temos Helga Sinclair, uma mulher imponente e misteriosa, focada em atingir seus objetivos. Ela é uma mulher que desempenha um papel sedutor, embora apenas para alcançar seus objetivos. Embora Helga seja aliada do Comandante Rourke, ele não deixa de ser uma personagem forte com suas próprias motivações. Finalmente, mortalmente ferida pelo próprio Rourke, ela atira e mata para vingar sua traição.

Os exemplos a seguir para meninas e jovens

Alguns dizem que os filmes não são responsáveis pelos estereótipos que a sociedade projeta para as crianças. No entanto, vários estudos mostraram que há uma associação entre o comportamento adulto das pessoas e os modelos e exemplos a seguir que foram expostos enquanto cresciam.

Por esse motivo, é importante que as meninas sejam influenciadas por papéis femininos positivos no cinema. As meninas que crescem cercadas por personagens femininas fortes, inteligentes e independentes são mais propensas a crescer e se tornarem mulheres capazes e autônomas.

“Nossas vidas são lembradas pelos presentes que damos aos nossos filhos”.
-Preston B. Whitmore-

Atlantis abriu o caminho para uma representação mais inclusiva das mulheres nos filmes de animação. Foi a primeira de uma série de obras importantes que retratam as mulheres como indivíduos capazes, inteligentes e independentes. Mais tarde também tivemos Frozen (2013) e Moana (2016), mostrando que as novas heroínas da Disney são muito diferentes do que aquelas que costumávamos acompanhar no passado.