Como dar más notícias da melhor maneira possível?

· novembro 11, 2017

Às vezes parece que dar más notícias é a ordem do dia. Às vezes elas surgem de forma desprevenida e outras vezes tínhamos a certeza de que elas iam chegar mais cedo ou mais tarde. Um exemplo disso é a perda de um ente querido depois de uma doença grave. Embora doa, nesses casos parece que é mais “fácil” dizer aos outros.

Existem outras situações nas quais o falecimento é totalmente inesperado e não sabemos como comunicá-lo aos outros. Um acidente, um atentado ou uma catástrofe natural são exemplos de situações que, em um segundo, podem fazer com que o nosso mundo inteiro balance, levando uma pessoa muito importante para nós.

Embora ninguém queira viver esse tipo de experiências, a verdade é que, infelizmente, é a lei da vida. A questão é como enfrentar essas experiências e, em determinados casos, como contar aos outros o ocorrido. Continue lendo para aprender alguns conselhos sobre como dar más notícias.

“Toda história não passa de uma catástrofe infinita da qual tentamos sair da melhor forma possível”.
-Italo Calvino-

O que sentimos quando temos que comunicar más notícias?

Dar más notícias é uma tarefa muito complicada. Além de ter que passar por um infortúnio terrível, a realidade é que nos sentimos péssimos. Não só por nossos próprios sentimentos em relação à pessoa que faleceu, mas também porque nos preocupamos com as pessoas para quem vamos contar.

O medo de machucá-las, apesar de tentarmos falar da melhor forma possível, nos preocupa. Além disso, também não sabemos como as pessoas vão reagir em relação a nós. Elas podem nos culpar pelo acontecido ou até responder mal, tudo depende da capacidade de enfrentamento de cada um. Como comunicadores dessa notícia, não temos que encarar a reação dos outros como algo pessoal.

“Que injusta, que maldita, que filha da mãe a morte que não nos mata, mas que mata a quem amamos”.
-Carlos Fuentes-

Mulher chorando por ter recebido más notícias

Por outro lado, nessas situações normalmente não temos muitas informações. O normal é que os entes queridos da pessoa que faleceu tenham inúmeras perguntas para nos fazer. É aí que surge o medo de não saber o que dizer, mas a realidade é que somos humanos e nem sempre temos todas as respostas às perguntas que nos fazem… muito menos quando acontecem desgraças inesperadas.

Passos a seguir antes de dar más notícias

Uma forma de gerenciar essas emoções negativas que surgem, assim como tratar de reduzir, na medida do possível, a dos nossos interlocutores, consiste em nos preparar para comunicar as más notícias antes de fazer isso. Um primeiro passo é tentar reunir todas as informações sobre o que aconteceu, para poder responder às possíveis perguntas que vão nos fazer.

Também temos que saber a quem vamos contar o ocorrido. Não é a mesma coisa preparar a mensagem para os filhos e para os pais, os amigos ou os parceiros. Embora não pareça algo importante, assim seremos mais capazes de nos colocar no lugar da pessoa e de adequar nosso discurso às condições de cada um.

Depois é o momento de buscar um lugar adequado para contar o que aconteceu. Pode parecer algo lógico, mas nunca é demais relembrar que é importante ser um espaço o mais privado possível. Por último, é extremamente relevante nos prepararmos mentalmente para o que vamos dizer e como. Desta forma, evitaremos dizer algo infeliz que faça com que a dor da outra pessoa aumente.

“Depois de tudo, a morte é só um sintoma de que houve vida”.
-Mario Benedetti-

O que temos que ter em conta ao dar más notícias?

Uma vez que nos prepararmos acerca de tudo o que foi dito anteriormente, chega a hora da verdade. O que dissermos não vai fazer com que o falecido volte, mas podemos fazer com que a outra pessoa se sinta o menos mal possível. Para isso, a informação que dermos tem que ser muito clara, e devemos ter a certeza de que é verdade. Se não for, podemos confundir nosso interlocutor e gerar ainda mais emoções negativas.

Mulher sendo consolada por sua amiga

Depois, vamos contar tudo o que aconteceu de forma gradual. Por exemplo: “Houve um acidente de carro e seu marido sofreu ferimentos bastante graves. A ambulância que foi até lá tentou reanimá-lo, mas não conseguiu. Sinto muito, mas o Pedro morreu”.

Temos que dizer o nome da pessoa que faleceu, além de dizer expressões referentes à morte, de forma que fique claro o que aconteceu. Se a pessoa tiver perguntas, ela tem que sentir que pode nos interromper para fazê-las, de forma que sinta que empatizamos com ela e que vamos tentar apoiá-la nestes momentos tão difíceis.

Como vemos, dar más notícias não é algo simples, nem confortável, nem algo desejável, mas é importante saber como fazer isso para que os outros entendam o que aconteceu. É preciso muita delicadeza, muita segurança e, acima de tudo, muita empatia para apoiar o sofrimento da pessoa que está recebendo a notícia.