Consultar seus filhos em tudo não é democracia, e sim uma má educação

· março 10, 2017

A forma de educar os filhos sofreu uma grande transformação durante as últimas décadas. A estrutura da família também se transformou drasticamente. De um modelo que alguns chamavam de “filhos-móvel”, passou-se para outro no qual os filhos se tornaram o centro do universo para seus pais.

A família extensa foi aos poucos desaparecendo. Agora, boa parte das famílias tem apenas um filho e, muitas vezes, só um pai também. Por esse motivo, o filho é o centro de atenção absoluta para os responsáveis pela sua educação. Isso não acontecia antes, quando o interesse tinha que ser distribuído entre vários filhos e outros membros da família, como tios ou avós, que tinham uma grande influência na educação dos pequenos.

“Se você quer que seus filhos tenham os pés no chão, coloque alguma responsabilidade sobre seus ombros.”
-Abigail Van Buren-

Este novo modelo é quase sempre próprio das classes médias e altas. Por isso mesmo, implica um elemento adicional que é preocupante. Os filhos também se transformaram em um símbolo de status para os seus pais. São seu “grande investimento”. Há uma competição por quem tem os filhos mais bonitos, mais poliglotas, mais desenvolvidos. Definitivamente, qualquer adjetivo positivo que possa vir a nossa cabeça.

A atenção excessiva aos filhos

O novo modelo de criação busca produzir filhos mais ou menos perfeitos. Caracteriza-se por manter uma supervisão constante sobre o que os filhos fazem diariamente. Mas não é apenas isso, também há uma completa supervisão sobre seu futuroOs pais projetam para eles um  futuro promissor a partir do momento em que começam a andar.

Para que as expectativas sejam cumpridas, frequentemente os pais também ficam atentos para que os filhos não passem por nenhuma situação ruim diante de qualquer  problema que eles tenham. Meter-se em encrencas não cabe neste esquema de educação, muito menos sair de problemas sem a ajuda dos pais, para saber exatamente o que devem fazer.

mae-e-filho-rindo

Por outro lado, os pais se tornaram pessoas muito inseguras. Temem o exercício de sua própria autoridade. Comportam-se como uma espécie de coach de seus filhos, não como seus pais. Projetam neles seus próprios desejos e metas, e  têm medo de entrar em conflito com os pequenos, pois a rejeição de alguma de suas ações pode afetá-los demais. Por isso, pensam muito antes de impor limites.

Os filhos da atualidade

A criação vista dessa maneira não parece ter resultados esperançosos. Costuma gerar filhos que se mostram inseguros para enfrentar as dificuldades ou as carências. Não sabem como agir quando deixam de ser o centro do universo. Ao mesmo tempo, é muito difícil fazê-los entender que para conseguir as coisas, eles precisam fazer mais do que exigir.

Os filhos que crescem dentro desse modelo têm a sensação de que são melhores que os demais. No entanto, ao mesmo tempo, essa percepção desaparece e se transforma com uma facilidade enorme. Todo seu “amor próprio” acaba quando se encontram em uma situação na qual os demais não aplaudem o que eles fazem.

pai-e-filho-pescando

Esses filhos são bons candidatos à dependênciaSe estiverem em uma encruzilhada, provavelmente vão chamar pelos seus pais antes de tentar resolver a situação por conta própria; quando adultos, vão pensar que um bom sinal de amor vindo de seu parceiro é que aguentem suas demandas sem nenhum tipo de opinião crítica. No fundo, por mais idiomas que falem ou habilidades que tenham desenvolvido, emocionalmente continuam sendo crianças indefesas.

Consultar a opinião dos filhos para tudo

Este novo estilo de educação origina grandes problemas de autoridade. A ideia de que o filho é um “adulto em miniatura” é muito nociva. Alguns pais pensam que se consultarem a opinião de seus filhos para tudo, vão aumentar sua autonomia, quando o efeito que conseguem com este costume é, sem exceções, o oposto. Um menino de 5 ou 10 anos, em muitos aspectos, não tem ideia do que é melhor para ele e, por outro lado, para desenvolver a autonomia é absolutamente necessário passar pela obediência.

Os limites que os pais impõem não são uma forma de cortar a liberdade ou o desenvolvimento de seus filhos. Muito pelo contrário. São as referências que farão com que eles sintam o mundo como um lugar seguro: isso lhes daria um limite no qual poderiam explorar de forma livre e sem medo. Além disso, eles vão aprender que a realidade se desenvolve através de uma ordem já estabelecida e que não é a criança que vai dizer como o mundo tem que funcionar, mas sim o contrário.

mae-conversando-com-filho

A família é uma instituição de relações assimétricas. Sua principal função é a de acompanhar o indivíduo em seu processo de inserção em uma cultura, e para entrar na lógica da cultura, é indispensável que renunciemos a certos desejos impossíveis. O desejo de nunca perder, por exemplo. O desejo de que todos realizem nossos caprichos. E muitos outros, que surgem em todo ser humano.

Vai chegar uma hora na qual os filhos vão tentar mudar o mundo de acordo com o seu estilo. Mas enquanto são pequenos, precisam participar das diretrizes impostas pelos seus pais. Ao contrário do que muitos pais inseguros pensam, o processo de colocar limites é a melhor maneira de investir para que eles tenham um grande futuro.