Curiosidades sobre os psicólogos

Curiosidades sobre os psicólogos

novembro 8, 2015 em Psicologia 18 Compartilhados
Curiosidades sobre os psicólogos

Os terapeutas precisam “encarar” muitas perguntas dos pacientes. Isto se deve ao fato de ainda existirem muitos tabus neste mundo, bem como preconceitos quanto a esta profissão.

Aqui juntamos uma série de perguntas, algumas engraçadas, que costumam aparecer diariamente nas consultas. Não perca!

A prática da medicina, seja do tipo que for, é analisada e colocada “em julgamento” pelos pacientes. A psicologia não é exceção. Estas são as perguntas mais frequentes no consultório:

– Como devo chamá-lo: doutor, doutora? Pelo seu nome? Este é um questionamento comum na primeira consulta. As pessoas não sabem como chamar a pessoa que está a sua frente e que está lhes perguntando sobre a sua infância, seus temores ou seus problemas matrimoniais.

A situação pode ser embaraçosa, já que nem todos os psicólogos são doutores (porque não fizeram um doutorado). Normalmente, utilizar seu nome costuma ser o mais usual.

– Psicólogo e psicanalista são a mesma coisa? Talvez, para que entre os amigos e familiares não sejam vistos como “pirados”, muitos preferem dizer que vão ao analista ou ao terapeuta em vez do psicólogo. Contudo, há diferenças entre estas profissões.

O psicólogo é formado em psicologia e o psicanalista se especializou em uma área dessa profissão. Por exemplo, o mais conhecido psicanalista da história, Sigmund Freud, não era psicólogo, e sim neurologista.

– Por que não posso usar o divã como nos filmes? Não é obrigatório que os psicólogos tenham esse sofá para se deitar tão confortavelmente, como o que costuma ser visto nos seriados de TV ou nos filmes. Este é um preconceito instaurado e que sai à tona ao chegar ao consultório. E muitos até foram embora por não poder usar esse divã!

– Tenho que fazer o que o psicólogo me disser? Na verdade, o terapeuta não “diz” o que você tem que fazer, e sim indica o caminho para que o paciente possa encontrar a solução para o seu problema. Talvez lhe dê algum conselho, mas isso não significa que você tenha que segui-lo ao pé da letra. Cada um tem o poder de fazer o que acha melhor. Também não se trata de um juiz, nem de um policial, portanto, não vai acontecer nada se você “desobedecer”.

– O psicólogo pode me hipnotizar? Não, salvo que você queira e que o profissional esteja preparado para isto. Alguns psicólogos são formados em hipnose clínica. Mas não se preocupe; ele não usará um pêndulo para que você caminhe como uma galinha ou lhe conte todos os seus segredos. Para aceitar ser hipnotizado é preciso antes conhecer toda a informação a respeito e se preparar adequadamente.

– Posso enganar o meu terapeuta? Se você tem essa capacidade, claro que sim. Agora, isso não lhe será de grande valia. É a mesma coisa que colar em uma prova. O verdadeiro prejudicado é você, não o professor.

Ir na consulta de um terapeuta supõe um “contrato de honra” entre ambas partes. Supõe-se que o paciente quer solucionar um ou vários problemas e o trabalho do profissional está em detectá-lo e ajudá-lo. Portanto, mentir na consulta só retardará o tratamento.

– Porque o psicólogo não me fala da sua vida privada? Em alguns casos, pode ser que diga certas coisas pessoais, mas não é algo muito comum.

Tudo depende do rigor profissional e, além disso, o seu objetivo é focar nos problemas do paciente, e não nos seus próprios. Por sua vez, os psicólogos costumam fazer terapia… mas com outros psicólogos. Portanto, não se sinta mal se em toda a sessão só se falar de você, é justamente essa a ideia.

– Posso ser amigo (ou amante) do meu psicólogo? Talvez, esta seja uma fantasia de muitas pessoas que vão ao psicólogo. Contudo, dentro dos deveres e obrigações dos terapeutas, está proibido manter qualquer tipo de relação (comercial, de amizade, amorosa) com os pacientes. Isto não quer dizer que não possam se dar super bem e se “conectar” ou que “tenham boa química”. Isto é o necessário para um bom tratamento.

– E por último, os psicólogos tem problemas? Claro que sim! Não são robôs, e sim pessoas de carne e osso como você.

Alguns acham que os terapeutas são uma espécie de extraterrestre, mas por enquanto não, são apenas humanos. Por isso, passam por adversidades e maus momentos nas suas vidas, mesmo que não o demonstrem diante de seus pacientes.

Quais são as perguntas que você se faz sobre os psicólogos e as consultas terapêuticas?

Recomendados para você