Daniel Bar-Tal: uma vida estudando os conflitos intratáveis

agosto 4, 2019
Como a vida se desenvolve nos conflitos intratáveis? Se você quer saber a resposta, precisa conhecer Daniel Bar-Tal.

Daniel Bar-Tal é um pesquisador israelense nascido no Tajiquistão conhecido pelo estudo dos conflitos intratáveis.

Ele passou a sua infância na Polônia para depois emigrar para Israel. Bar-Tal completou os seus estudos na Universidade de Tel-Aviv e concluiu o seu doutorado na Universidade de Pittsburgh, Estados Unidos. Depois, voltou para Israel, onde desenvolveu suas pesquisas mais importantes.

Entre os seus méritos, destacamos que Bar-Tal foi diretor do instituto de pesquisa Walter Lebach para a coexistência de judeus e árabes através da educação. Ele também foi presidente da sociedade internacional de psicologia política.

Não podemos esquecer que ele foi editor chefe do jornal Palestina Israel, que recebeu inúmeros prêmios pelas suas pesquisas sobre a paz e o conflito e sua relação com a psicologia.

Embora o seu trabalho seja extenso, algumas de suas contribuições se destacam pela sua importância. Em primeiro lugar, o seu trabalho de pesquisa se concentrou principalmente nos fundamentos sociopsicológicos dos conflitos intratáveis.

Em segundo lugar, o pensamento paradoxal se destaca pela sua relevância. Finalmente, mais recentemente, o seu trabalho se concentrou na autocensura.

Sombra humana na parede

Daniel Bar-Tal e os conflitos intratáveis

Os conflitos intratáveis ​​têm sido o principal tema de pesquisa de Daniel Bar-Tal. São aqueles conflitos ou guerras que se mantêm ao longo do tempo e cuja solução parece muito distante. Essas características causam muito desgaste em quem vive imerso nessa situação.

Essas pessoas acabam desenvolvendo estruturas mentais que lhes permitem reduzir as consequências do conflito em suas vidas. Essas estruturas são compostas por uma memória coletiva que descreve o início, a progressão e os eventos mais importantes que ocorreram durante o conflito.

Seria um ethos ou visão organizada do mundo que lhes permite compreender o contexto do conflito e que orienta o seu comportamento. Apresentam também uma tendência a expressar emoções particulares, isto é, uma orientação emocional coletiva.

“Por quanto tempo mais o mundo estará disposto a suportar esse espetáculo de crueldade sem sentido?”
– Bertrand Russell –

Pensamento paradoxal

Um paradoxo é uma ideia estranha em oposição ao que a maioria considera verdadeiro. Assim, de acordo com a pesquisa de Bar-Tal, existe o que é chamado de pensamento paradoxal. Esse tipo de pensamento paradoxal consiste em explicar quão absurdas são algumas ideias que parecem óbvias.

Dessa forma, se ridicularizam as nossas crenças usando paradoxos que as expõem como algo irracional e sem sentido, podemos colocá-las em dúvida e até mesmo modificá-las.

Bar-Tal e sua equipe demonstraram que o poder do pensamento paradoxal pode reduzir as crenças e as atitudes. Os participantes dos seus estudos expressaram menos apoio a políticas agressivas, bem como um maior apoio às políticas de conciliação.

Ao reduzir ao absurdo as ideias do povo, o belicismo que existia em algumas pessoas em Israel foi reduzido.

“Jerusalém é uma cidade portuária na costa da eternidade”.
– Yehuda Amichai –

Relógio em forma de espiral

Autocensura

A autocensura é o ato de esconder intencional e voluntariamente informações dos demais na ausência de obstáculos formais. Ou seja, quando sabemos algo e acreditamos que é verdade, mas o escondemos de forma consciente.

Embora os seres humanos tendam a compartilhar, comunicar e disseminar informações, também tendemos a manter uma imagem positiva do nosso grupo. Consequentemente, se obtivermos informações que possam prejudicar a sua imagem, é provável que as autocensuremos.

De acordo com Bar-Tal e sua equipe de pesquisa, o contexto do grupo, os fatores individuais, o tipo de informação e os fatores circunstanciais influenciarão a autocensura. Dessa forma, as pessoas calculam os custos e benefícios de cada decisão e de enfrentar o dilema que surge.

O resultado dessas considerações pessoais determinará se a pessoa revela as informações, a quem, se elas revelam apenas uma parte ou o todo, ou se praticam a autocensura.

Em suma, Daniel Bar-Tal dedicou sua vida à pesquisa. Em particular, à investigação do que ele chama de conflitos intratáveis.

Entre as suas contribuições se destacam os aportes para a estrutura mental daqueles que vivem em conflito, o poder do pensamento paradoxal para reduzir atitudes extremas e a tendência à autocensura.

Tudo isso sem entrar nas múltiplas intervenções que ele realizou com o objetivo de buscar a paz no conflito palestino-israelense.

Bar-Tal, D. (2007). Sociopsychological foundations of intractable conflicts. American Behavioral Scientist, 50(11), 1430–1453. doi:10.1177/0002764207302462

Bar-Tal, D. (2017). Self-censorship as a socio-political-psychological phenomenon: Conception and research. Political Psychology, 38, 37–65. doi:10.1111/pops.12391

Hameiri, B., Porat, R., Bar-Tal, D., & Halperin, E. (2016). Moderating attitudes in times of violence through paradoxical thinking intervention. Proceedings of the National Academy of Sciences, 113(43), 12105–12110. doi:10.1073/pnas.1606182113