6 dicas para ajudar os adolescentes a superar os problemas de imagem

O número de adolescentes que sentem insatisfação corporal vem aumentando. As redes sociais têm muito a ver com isso. Vamos falar sobre o que você pode fazer para ajudar o seu filho.
6 dicas para ajudar os adolescentes a superar os problemas de imagem

Última atualização: 31 maio, 2022

A adolescência é uma fase da vida que traz consigo muitas mudanças em nível físico e psicológico. As inseguranças sobre o próprio corpo são comuns, e os pais desempenham um papel essencial para superá-las. Com o acompanhamento necessário, os jovens podem superar essa situação e aceitar a si mesmos. Portanto, daremos algumas dicas para ajudar os adolescentes a superar os problemas de imagem.

Promover um bom autoconceito e uma boa autoestima na juventude estabelece as bases para o equilíbrio emocional na idade adulta. Embora possa ser um desafio, com perseverança e paciência, é possível educar os adolescentes.

Problemas de imagem na adolescência

Vivemos em uma sociedade que geralmente tende a idealizar certos tipos de corpo, rosto, cabelo, etc. Muitas vezes, vemos pessoas que alcançam fama e fortuna apenas porque projetam uma determinada imagem, que chama a nossa atenção.

Com a ascensão das redes sociais, a beleza subiu posições na hierarquia das variáveis de influência. Cada vez mais pessoas estão viralizando no TikTok ou no Instagram por atender a certos padrões físicos.

Por outro lado, os jovens são os principais consumidores das redes sociais. Assim, ainda que seja apenas pela frequência e intensidade da exposição, eles são os mais vulneráveis aos efeitos de que estamos falando.

Richards, Caldwell e Go (2015) publicaram uma revisão sistemática sobre o impacto das mídias sociais em crianças e jovens. As evidências disponíveis indicam que as redes sociais têm um efeito significativo na saúde mental. Isso ocorre sobretudo em áreas como a autoestima e o bem-estar psicológico.

Adolescente triste olhando no espelho
Os influenciadores podem condicionar a imagem corporal que os adolescentes têm de si mesmos.

O papel dos pais na autoestima dos jovens

Embora possa não parecer, os pais servem de modelo para seus filhos. Portanto, suas ações, atitudes e palavras têm um impacto importante sobre os jovens.

Imagine, por exemplo, o caso de uma mãe que fala constantemente sobre estar “gorda” e que se submete a dietas. Além disso, também costuma dizer para a filha que ela deve comer menos doces ou gorduras porque está “fofinha”. Que tipo de impacto isso pode ter na autoestima dessa filha?

Pode ser também o caso de um pai que diz ao filho que ele é muito “magrelo”. Repetidamente, diz que ele deveria ser mais forte porque é assim que “um homem deve ser”. Isso pode motivar o filho a se envolver em rotinas de exercícios extenuantes e a se sentir insatisfeito com o próprio corpo.

Se somarmos a esses comportamentos parentais a pressão nas redes sociais e no entorno social, podem surgir problemas de autoimagem. Da mesma forma, no entanto, por meio de suas próprias ações, os pais também podem ajudar os adolescentes a superar os problemas de imagem.

Como ajudar os adolescentes a superar os problemas de imagem

Diante do exposto acima, é fácil perceber a influência que os adultos exercem sobre os mais jovens. Por isso, a seguir, você conhecerá algumas estratégias que vão te ajudar a ser um modelo positivo para seus filhos.

1. Ensine por meio do exemplo

Se você quer que o seu filho seja mais gentil consigo mesmo, comece você mesmo a agir dessa forma. Embora talvez você não seja mais a única referência para ele, você ainda é um modelo muito importante.

Nesse sentido, você pode compartilhar com ele o que você gosta e o que não gosta do seu corpo. Dessa forma, ele poderá contar com um modelo real, explícito e próximo que poderá imitar para administrar as sensações que a sua própria imagem corporal produz.

2. Converse com ele sobre estereótipos de beleza

É importante que os jovens compreendam que a beleza é uma construção subjetiva. Assim, o que pode ser considerado “bonito”em nossa cultura, pode ser bem diferente em outras regiões do mundo. Poderíamos resumir a ideia na frase popular que diz: “a beleza está nos olhos de quem vê”.

Além disso, você também pode ajudar a reconhecer toda a artificialidade das imagens que estão na internet. A grande maioria das modelos e influencers recorrem a truques de maquiagem e edição de fotos para aparecer dessa forma.

3. Reforce suas qualidades

Reforce as iniciativas que expõem as suas qualidades. Seu filho pode acreditar que, para ser bem-sucedido e apreciado, ele precisa se concentrar na sua aparência física. Por isso, é fundamental que ele saiba que o sucesso e a felicidade não dependem apenas da beleza física.

Fale com ele sobre as outras qualidades que ele tem, tais como inteligência, carisma ou bondade. A ideia é que ele possa expandir o seu autoconceito e se ver além do “bonito” ou “feio”.

4. Explique o que está acontecendo com ele

Muitos jovens se sentem mal com os próprios corpos como consequência das transformações pelas quais estão passando e das quais são testemunhas. Mudanças que podem fazer um adolescente se sentir incômodo onde antes se sentia confortável.

Como bem sabemos, o processo de amadurecimento comporta toda uma série de mudanças a nível físico que nem sempre são do agrado de quem passa por elas. Apesar disso, trata-se de algo natural. De fato, muitas das descompensações que podem ocorrer durante essa evolução corporal, e que podem desagradar o adolescente, acabam se corrigindo por conta própria no final. Assim, essas informações podem servir para afastar este desconforto.

5. Regule a exposição às redes sociais e o conteúdo para adolescentes

As redes sociais podem ser ferramentas benéficas para o crescimento pessoal. No entanto, tudo vai depender do uso que se faz delas.

O uso responsável das redes sociais implica regular o tempo dedicado a elas. Da mesma forma, ajudar os adolescentes a superar os problemas de imagem também requer o monitoramento do conteúdo ao qual são expostos.

Um estudo de Woods e Scott (2015) avaliou a influência das redes sociais na saúde dos jovens. Foi determinado que aqueles que dedicavam mais tempo a elas e que estavam mais envolvidos emocionalmente tinham maiores problemas de autoestima. Da mesma forma, outras condições também foram observadas nos hábitos de sono e traços de ansiedade.

Por outro lado, existem diferentes séries e filmes que tendem a sexualizar a imagem dos adolescentes. Esse tipo de conteúdo promove a ideia de que os jovens são objetos sexuais para o prazer dos outros.

Certamente, o que foi dito acima não quer dizer que a sexualidade deva ser um assunto tabu, mas tudo depende de como a encaramos. Existem outros programas que abordam a questão da sexualidade na adolescência, sem recorrer a argumentos que os sexualizam.

Adolescente olhando no espelho
Os padrões de beleza nas redes sociais afetam a autoestima dos adolescentes.

6. Considere procurar por ajuda profissional

Em certos casos, os problemas de imagem em adolescentes podem gerar profundos desequilíbrios emocionais. Se você sente que os conflitos do seu filho, ao contrário de serem resolvidos, estão se intensificando ou se reproduzindo ao longo do tempo, bem como afetando a sua saúde, procure ajuda profissional.

O atendimento psicológico especializado pode identificar as causas dos seus problemas e fornecer o tratamento adequado.

Por fim, lembre-se de que pedir ajuda não o torna ou o reconhece como um pai pior. Você é um ser humano com virtudes e limitações, e é natural que certas circunstâncias excedam os recursos com os quais você pode contar para enfrentá-las.

Pode interessar a você...
Os influenciadores adolescentes e o impacto psicológico nos nossos filhos
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Os influenciadores adolescentes e o impacto psicológico nos nossos filhos

Hoje em dia, muitos adolescentes querem ser como os influenciadores que seguem em suas redes sociais. Quais são as consequências disso?



  • Richards, D., Caldwell, P. H., & Go, H. (2015). Impact of social media on the health of children and young people. Journal of paediatrics and child health, 51(12), 1152-1157.
  • Woods, H. C., & Scott, H. (2016). # Sleepyteens: Social media use in adolescence is associated with poor sleep quality, anxiety, depression and low self-esteem. Journal of adolescence, 51, 41-49.