Estresse em professores: como cuidar dos nossos mestres

O estresse em professores: como cuidar dos nossos mestres

agosto 10, 2018 em Psicologia 0 Compartilhados
Estresse em professores: como cuidar dos nossos mestres

Há quem acredite que o estresse em professores só afeta a eles mesmos, mas isso está muito longe da realidade. Acontece com todo mundo: quando nos sentimos esgotados e com mal-estar, nosso desempenho no trabalho é afetado e piora. Isso é especialmente relevante se pensarmos no alcance da função dos professores e na sua capacidade de ensino sendo afetada. São eles que proporcionam grande parte da educação de nossos filhos.

Por isso, é importante levar em consideração o que nós mesmos podemos fazer para que o estresse entre os professores deixe de ser um problema. Há diversos fatores externos que influenciam e que nós podemos ajudar a moldar para cuidar desses profissionais que desempenham uma das funções de trabalho mais importantes que existem na sociedade.

“O professor deixa uma marca na eternidade; nunca podemos definir quando acaba a sua influência”.
-Henry Adams-

O problema do estresse em professores

Já foram realizadas muitas pesquisas sobre o estresse no trabalho em diversas profissões. Com relação aos professores, uma pesquisa espanhola encontrou entre os seus profissionais uma taxa de 54,2% de todo o corpo docente sofrendo de algum nível de estresse no trabalho. Tendo em mente que isso é mais da metade de todos os professores do território da Espanha, a porcentagem é bastante assustadora. No Brasil, a situação não é diferente.

Professora cansada

Na mesma pesquisa, os resultados mostraram que 19,6% dos professores consideram que seu trabalho afetava sua saúde negativamente. Mas não é só isso, outros percentuais similares indicaram que eles também apresentam problemas para dormir, sensação de fadiga, dores de cabeça, e que se sentiam tensos e irritados.

Em outra pesquisa realizada em 2011 entre os professores do mesmo país, foi levantado que 33,9% dos professores entrevistados manifestavam sobrecarga de trabalho, de modo que precisavam prolongar sua jornada de trabalho sem receber qualquer compensação em troca. Infelizmente, vários estudos sobre esse tema encontram os mesmos resultados.

“Se você tiver que colocar alguém em um pedestal, ponha os professores. Eles são os heróis da nossa sociedade”.
-Guy Kawasaki-

Gil-Monte (2012), responsável por outra pesquisa, relatou que em torno de 50% dos professores apresentavam níveis de estresse altos ou muito altos entre os entrevistados. Mas não é só isso, o pesquisador também descobriu que esses elevados níveis de estresse entre os professores são preditores de problemas de saúde, tanto física quanto mental. Por último, a insatisfação e a pressão no trabalho se correlacionam com a sintomatologia somática, depressiva e ansiosa.

O que gera tanto estresse entre os professores?

Mas o que está gerando tanto estresse entre os professores? São fatores internos ou externos? Vamos responder a essas perguntas. Diversos estudos já demonstraram que as principais fontes de estresse entre os professores têm relação com seus alunos e as famílias destes. Sobre os alunos, os fatores se relacionam à falta de motivação e de interesse pelo aprendizado, assim como os problemas de disciplina em sala de aula.

Professor estressado

Quando falamos das famílias das crianças, isso supõe um fator de grande estresse para os professores devido a uma falta de reconhecimento do seu trabalho pelos pais. Há também pouquíssima colaboração e falta de apoio. Em muitas ocasiões o trabalho de educação das crianças e adolescentes acaba recaindo totalmente sobre o professor.

É aqui que podemos ajudar, colaborando com alguns grãos na construção do castelo de areia que é o desenvolvimento de uma vida menos estressante para o professor. Como sociedade no geral, e como familiares de alunos particularmente, devemos ter consciência da dificuldade que é o trabalho desses profissionais em vários momentos. É importante ter em mente que eles são profissionais da educação, e por isso seria interessante ajudar realizando as indicações que recebemos em reuniões e comunicados.

“A profissão do educador contribui para o futuro da sociedade mais do que qualquer outra profissão”.
-John Wooden-

Muitas vezes essas indicações podem parecer difíceis, mas é relevante se esforçar para que tudo corra da melhor forma possível. Não estamos falando só do clima da sala de aula, mas também da convivência em casa e da vida das crianças como um todo. Os professores devem estar motivados e entender que reconhecemos o seu trabalho. Só assim iremos contribuir para que eles se sintam menos estressados e, dessa forma, exerçam seu trabalho da melhor forma possível.

Imagens cortesia de Tra Nguyen e Lonely Planet.

Recomendados para você