Estudos sobre a popularidade - A Mente é Maravilhosa

Estudos sobre a popularidade: por que gostamos de algumas pessoas?

19, outubro 2015 em Psicologia 0 Compartilhados
Estudos sobre a popularidade

Independentemente de onde estamos, seja no escritório, em casa, numa reunião de pais, ou em qualquer meio social: intuitivamente sabemos quem são as pessoas populares e quem são aquelas de quem nós gostamos, mesmo que na maioria das vezes não saibamos por quê.

Esta informação é geralmente essencial para o sucesso profissional ou social, conforme avançamos em nossos círculos sociais. No entanto, até agora, os cientistas não haviam entendido como o nosso cérebro reconhece essas pessoas populares. Neste novo estudo da Cognitive Neuroscience Society, os investigadores dizem que rastreamos a popularidade das pessoas, em grande parte, pela região do cérebro envolvida na antecipação de recompensas.

“Ser capaz de rastrear o estado de outras pessoas em seu grupo é muito importante em termos de sobrevivência” , diz Kevin Ochsner da Universidade de Columbia. “Saber o que é popular ou simpático é de importância vital em tempos de necessidade ou perigo, quando você está procurando uma parceria, ou quando precisa de ajuda – física ou política – etc”.

Enquanto os sociólogos, psicólogos e antropólogos estudaram por um longo tempo essas dinâmicas de grupo, os neurocientistas apenas começaram compreenderam a superfície da forma como pensamos sobre a condição social das pessoas.

Segundo Ochsner, com as muitas áreas de trabalho que reúnem a neurociência cognitiva, a sociologia e a psicologia social, poderemos compreender melhor como os processos cerebrais individuais são conectados para uma associação de grupo.

Alguém atinge o status social de um grupo através de poder ou popularidade. Uma pesquisa anterior centrou-se em grande parte no poder, mas Ochsner e seus colegas queriam ver especificamente a popularidade, a capitalização das técnicas de análise de redes sociais que já estão disponíveis a partir da sociologia.

“Agora que temos uma maneira simples de definir que um determinado grupo é popular, então podemos perguntar como é que o cérebro está apresentando essa informação, o que significa que alguém tem este tipo de status com base no gosto, ou em termos de popularidade, dentro do contexto de um grupo” , disse Ochsner.

No novo trabalho, a equipe de Ochsner reuniu pessoas de organizações estudantis em laboratório para avaliar o quanto se gostam. Os pesquisadores usaram estas classificações para determinar matematicamente o que é mais valorizado em cada ambiente social.

Semanas mais tarde, os pesquisadores levaram os mesmos indivíduos para o laboratório e estes foram submetidos a um scanner de ressonância magnética e, ao mesmo tempo, foram mostrados a eles rostos de pessoas. Os participantes diziam se os rostos eram de pessoas de sua própria organização, ou se eram faces virtuais – pessoas não reais. Os pesquisadores queriam ver como as áreas do cérebro dos participantes respondiam ao ver os rostos dos qualificados como muito populares dentro de um grupo e o aumento ou a diminuição da atividade cerebral específica com base em sua popularidade.

Com cada rede social, os pesquisadores descobriram o mesmo padrão de atividade cerebral em pessoas que olharam para os rostos das pessoas populares, identificando dois sistemas críticos no cérebro: o sistema envolvido na avaliação emocional e recompensa, e o sistema envolvido na cognição social, ou a nossa capacidade de pensar sobre os sentimentos e intenções dos outros.

Em primeiro lugar, há que se considerar que, ao longo do tempo, aprendemos que é bom experimentar os efeitos gratificantes da interação com alguém. Embora você, pessoalmente, possa não gostar de alguém, você sabe que essa pessoa é boa pelo seu conhecimento baseado na observação de interações com outros membros do grupo. Isso explicaria por que o sistema de recompensas no cérebro reage à visão de pessoas populares, porque estamos antecipando os benefícios da interação com elas.

Outra consideração é que temos que ser capazes de pensar sobre os estados mentais, crenças e pensamentos relacionados a outras pessoas, em especial aquelas que têm um status elevado, a fim de formarmos coligações, pedirmos ajuda, ou trabalharmos dentro de um grupo.

Por outro lado, o sistema de avaliação emocional controla a resposta do sistema de cognição social: “O sistema de avaliação emocional realmente detém a chave para abrir a popularidade dos membros do grupo e para os sistemas de cognição social.” Você pensa “Poderei esperar de uma determinada pessoa interações de recompensa, fazendo com que os outros pensem sobre indivíduos populares, intenções e sentimentos!”.

Eles também descobriram que quando a pessoa é mais popular dentro de um grupo, estes sistemas cerebrais reagem mais fortemente aos olhos de outra pessoa popular. Esta descoberta sugere que as pessoas populares são “muito sensíveis à maneira através da qual os outros indivíduos são simpáticos e que, então, podem adaptar o próprio comportamento apropriadamente”, disse Ochsner.

É importante destacar que Ochsner ressalta que estes estudos controlaram vários fatores, incluindo a apelação, a honestidade e as preferências idiossincráticas das pessoas, para garantir que a extensão de sua popularidade fosse determinada. Além disso, primeiro foram localizados de forma independente os sistemas cerebrais envolvidos, por meio de tarefas projetadas para identificar o aprendizado de recompensa e cognição social.

O trabalho se refere não só à questão da ciência básica de como podemos acompanhar a popularidade social no cérebro, mas também pode vir a fornecer informações sobre o autismo e outros transtornos que prejudicam a capacidade das pessoas para julgar o status social. O trabalho tem enormes implicações no mundo dos negócios, onde a eficácia de uma estrutura hierárquica muitas vezes é reduzida à popularidade.

Recomendados para você