Homecoming: um thriller psicológico sobre emoções e memória

janeiro 21, 2019
A série conta a história de uma empresa privada de pesquisa com um contrato com o exército dos Estados Unidos. Aparentemente, a empresa abriu um centro onde os soldados que voltam para casa após servir no exército passam por reabilitação.

Recém estreado no Amazon Prime, a última série protagonizada e produzida pela atriz Julia Roberts se chama Homecoming. Estamos falando de um thriller psicológico que está arrasando na audiência. A série tem como foco o sempre polêmico assunto das descobertas científicas a serviço da máquina militar.

O enredo dessa série parece se basear em um estudo que foi publicado no ano passado na revista Current Biology. Trata-se de uma pesquisa que foi realizada por uma equipe da Universidade de Columbia e da Universidade McGill nos Estados Unidos. Nesse estudo ficou demonstrado que é possível “apagar” de maneira seletiva diferentes memórias armazenadas em um mesmo neurônio.

Homecoming: sinopse

A série tem um total de 10 capítulos de 30 minutos cada um. Ela conta uma história sobre uma empresa privada de pesquisa com um contrato com o exército dos Estados Unidos. Aparentemente, a empresa abriu um centro onde os soldados que voltam para casa após servir no exército passam por reabilitação. Eles vão ficar reclusos no centro e receber terapia, o que ajudará a retomar suas vidas civis de forma mais natural.

Para isso, a empresa contrata uma psicóloga sem muita experiência – que é interpretada por Julia Roberts. Ela é colocada a cargo do centro, mas recebe ordens “que vêm de cima”. O projeto, na verdade, pretende testar uma nova medicação que promete eliminar por completo os efeitos do transtorno do estresse pós-traumático que muitos dos veteranos de guerra sofrem.

Isso é o que a psicóloga – Heidi – sabe. Mas por trás disso há muito mais. No entanto, não quero estragar a surpresa e antecipar nenhuma informação, para que aqueles que ficaram curiosos possam aproveitar o seriado e todas as emoções que vêm com ele.

Julia Roberts na série 'Homecoming'

A pesquisa verdadeira

O mote que se desenvolve na série parece ter origem nas assombrosas descobertas realizadas sobre emoções e memória. O estudo da Universidade de Columbia descobriu um jeito de apagar memórias de um mesmo neurônio de maneira seletiva. A pesquisa foi realizada em caracóis Aplysia, um tipo de lesma que possui, em um nível bem básico, uma química dos neurônios idêntica a dos seres humanos.

Essa descoberta abriu toda uma linha de pesquisa que procura tratamentos para os efeitos psicológicos causados por acontecimentos traumáticos.

A nível químico há uma diferença entre as memórias associativas e as não associativas. Muita da informação que guardamos é emocionalmente neutra. Outro tipo de informação é a que está ligada a emoções e os dois estímulos juntos formam a memória ou lembrança de um acontecimento.

Os cientistas descobriram que cada tipo de memória emprega uma variante diferente da proteína quinase M, um neurotransmissor usado pelos neurônios para registrar as memórias. Pois bem, acontece que as memórias associativas usam a variante PKM API III, e as memórias não associativas usam outra variante, a PKM API I.

O resultado do estudo

As conclusões dessa investigação parecem confirmar que é possível apagar a parte dolorosa de uma recordação mantendo a memória em si, sem perdê-la. Isso é possível aplicando os inibidores da variante da quinase adequada. Essa descoberta é uma esperança para o tratamento do transtorno do estresse pós-traumático – TEP.

A psicologia atual tem ferramentas para gerir o TEP, mas não é sempre possível erradicá-lo com a terapia. O que a pesquisa pretende agora é desenvolver enfoques farmacológicos para tratar o TEP, de modo que se mantenha a memória sem a angústia que ela provoca no paciente.

Julia Roberts em 'Homecoming'

A relação com a série Homecoming

A série Homecoming apresenta um cenário onde essa pesquisa parece estar em processo de experimentação com seres humanos. Nesse caso, com os militares mais suscetíveis a desenvolver transtorno do estresse pós-traumático: os ex-combatentes. Os resultados apresentados por esse estudo são fascinantes. No entanto, a série mostra também o lado mais obscuro do desenvolvimento desse tipo de técnica, e também a sua parte menos humana.

Em Homecoming, a experimentação em humanos traz os resultados previstos para a agência secreta que faz a pesquisa, mas com alguns imprevistos. Os imprevistos são relativamente fáceis de lidar na fase seguinte do desenvolvimento do medicamento, mas não parece que o problema vai ser sanado para as pessoas que já experimentaram o remédio em sua etapa anterior. Pessoas que, além de tudo, desconhecem por completo o verdadeiro propósito da sua “terapia de reabilitação para a vida civil”.

Seria muito interessante saber se os cientistas estão fazendo pesquisas nesse sentido atualmente, que tenham como base técnicas terapêuticas entre as chamadas de terceira geração. Parece existir bastante evidência de que algumas dessas técnicas podem influenciar o equilíbrio químico do nosso cérebro. Ou seja, fazer a mesma função que uma medicação externa faria. Uma linha de pesquisa que para muitos parece interessante, e sobre a qual talvez possamos ver resultados em um futuro próximo.