O mau humor se volta contra a pessoa que está de mau humor

· setembro 9, 2017

Costumamos reproduzir o modo como somos tratados e, segundo a psicóloga Elisa Múgica, isso se deve aos neurônios espelho, que nos incitam a agir da mesma forma que os outros agem conosco.  Esses famosos e interessantes neurônios são os responsáveis pelo bocejo contagioso, por sorrirmos quando nos dão um sorriso ou por ficarmos de mau humor quando alguém que está irritado se dirige a nós.

Portanto, todos os insultos e as grosserias que saem pela nossa boca acabam encontrando o caminho de volta, provocando estragos no nosso equilíbrio pessoal e emocional.  O mau humor é como estar resistindo a si mesmo, aos outros e às situações que acontecem na nossa vida.

Uma das justificativas que servem para explicar por que algumas pessoas estão constantemente de mau humor, embora a vida tenha sido boa com elas, é que elas têm um ego muito grande. Poucas coisas ou nada importa e elas pensam que a realidade está particularmente preocupada em fazer com que suas expectativas não se cumpram, por isso o constante mau humor. Nesse sentido, o humor atormentado é o estado de espírito que nos torna ao mesmo tempo pequenos e escravos.

 “A ignorância e o erro são fontes de mau humor.”
-Barón de Holbach-

De onde vem o nosso mau humor?

Aquilo que desencadeia o mau humor pode ser qualquer circunstância.  O humor é um estado de espírito que apresentamos por muitos fatores.  Alguns especialistas concluem que as expectativas não cumpridas, por exemplo, nos deixam mais propensos a ter pensamentos desajustados e isso acaba nos deixando de mau humor.

Estar de mau humor

Tal Bem Shahar, professor de Psicologia Positiva na Universidade de Harvard, garante que a raiva tem sua função. Ela funciona como uma válvula que quando se abre alivia a pressão à qual uma pessoa está submetida em determinada circunstância que a afeta. Se alguém for despedido do trabalho, por exemplo, pode ser mais produtivo para si mesmo aceitar a raiva que essa circunstância produz do que negá-la.

A raiva, nesse sentido, pode nos informar que fomos vítimas de uma injustiça e nos proporciona energia para fazer uma reclamação. Também pode nos fazer prisioneiros do ressentimento. Tudo vai depender da maneira como lidamos com a emoção.

O mau humor também pode ser explicado, sempre que não haja transtornos neurológicos, como um estado de espírito no qual geralmente há uma negação da realidade. As pessoas que estão constantemente mau humoradas poucas vezes estão satisfeitas com o que possuem. Suas expectativas desajustadas provocam grande frustração que se traduz em raiva e mau humor, fazendo com que enxerguem a situação de uma forma mais negativa do que realmente é ou do que pode ser.

 “A amargura e o orgulho são irmãos gêmeos: o mau humor e a irritabilidade são seus companheiros inseparáveis.”
-Madre Teresa de Calcutá-

O mau humor atinge o nosso corpo e a nossa mente

Estar continuamente de mau humor nos causa mal-estar psicológico e um desgaste emocional que atinge nosso sistema imunológico. Aumenta o risco de apresentar problemas cardiovasculares e é um hábito nocivo ao funcionamento dos pulmões, segundo um estudo da Universidade de Harvard.

A pessoa mal-humorada tem sentimentos de irritação, indignação e raiva. Ela foca sua atenção nos obstáculos externos que a impedem de conquistar seus objetivos, aos quais responsabiliza por sua frustração.  Além disso, o mau humor gera a necessidade de agir física ou verbalmente de maneira intensa ou imediata.

Mulher de mau humor

No plano fisiológico, esse estado de espírito ativa o sistema nervoso, aumenta a frequência cardíaca e a pressão arterial e, ao mesmo tempo, diminui o volume sanguíneo e a temperatura periférica. Também provoca um aumento na tensão muscular a na liberação de adrenalina, preparando o organismo para esforços intensos.

Devido às crescentes evidências científicas sobre o impacto negativo do mau humor no organismo, é melhor contar até dez antes de perder o controle. Você não acha?

 “Devemos interpretar o mau humor como um sinal de insegurança e falta de autoestima.”
-Alfred Adler-