A qualidade de vida de pacientes com doenças degenerativas

· outubro 13, 2018

A saúde é fundamental para o nosso bem-estar. A maioria das pessoas considera que sua qualidade de vida é positiva, desde que se mantenham em boas condições físicas e mentais. No entanto, e precisamente devido a esse pensamento, quando sofremos alguma doença o mundo cai sobre nós e pensamos que nada mais vale a pena. Este pode ser o caso de pacientes com doenças degenerativas.

A verdade é que a qualidade de vida não é medida apenas pelo estado de saúde. Existem muitos outros fatores que contam para a sua manutenção. É a esses outros fatores que devemos recorrer se desejamos aumentar o bem-estar de pacientes com doenças degenerativas.

No entanto, antes de aprofundar em quais são estes aspectos, devemos entender melhor no que consiste exatamente esse tipo de doença.

O que caracteriza uma doença degenerativa?

As doenças degenerativas são condições, geralmente crônicas, devido às quais determinadas células do nosso corpo se deterioram. Isso faz com que os tecidos tenham sua qualidade comprometida ou, inclusive, deixem de trabalhar. Esse tipo de doença, ao contrário das doenças infecciosas, não ocorre por agentes externos; pelo contrário, é o nosso corpo que causa os sintomas.

Alguns exemplos conhecidos de doenças degenerativas são aquelas que afetam o sistema nervoso central. Portanto, se manifestam no funcionamento correto do cérebro do paciente. Isso pode afetar tanto as habilidades cognitivas quanto o controle motor. Duas das mais conhecidas deste tipo são Alzheimer e Parkinson.

Homem com doença degenerativa

No entanto, os pacientes com doenças degenerativas não apenas têm o sistema nervoso afetado. Muitas dessas síndromes afetam todos os tipos de tecidos. Assim, qualquer órgão, aparelho ou sistema do organismo pode ser afetado.

As doenças degenerativas são complicadas de assimilar por parte do paciente e de seus familiares. A cura inexistente e o fato de que a independência e a liberdade de movimento serão reduzidas são difíceis de aceitar. No entanto, deve-se enfatizar que isso não implica que o paciente não terá mais qualidade de vida.

Como melhorar a qualidade de vida desses pacientes

A qualidade de vida é um conceito muito abstrato, difícil de definir detalhadamente. Os indicadores oficiais responsáveis por estudá-la são definidos no nível de bem-estar de cada país. No entanto, essas maneiras de mensurá-la não nos servem quando tentamos aumentar nossa felicidade individual.

Mesmo assim, existem determinados fatores que aumentam nossa qualidade de vida. Por exemplo, as relações pessoais e a autoestima provavelmente estão na definição de felicidade da maioria de nós. São esses aspectos que devem ser focados com os pacientes com doenças degenerativas.

  • Ambiente familiar favorável. Os familiares mais próximos devem apoiar o paciente mostrando seu carinho e respeito. É importante que a pessoa que sofre desse tipo de doença não se veja como um fardo para seus familiares. Sentir-se querido e útil é uma das melhores maneiras de integrar um ser humano a um grupo social.
  • Ambiente social ativo. Como vimos, pertencer a um grupo é determinante para manter a qualidade de vida. Há muitas pessoas que compartilham uma doença, que se reúnem para expressar suas preocupações e aprender com as experiências dos outros. Buscar seu apoio pode ser muito útil para melhorar o bem-estar dos pacientes.
  • Saúde física. Muitas vezes, para nos sentirmos bem com nós mesmos, precisamos nos cuidar também por fora. Esta é a razão pela qual pacientes com doenças degenerativas não devem negligenciar sua aparência física ou renunciar a gostar de si mesmos por fora. Nem devem dar tudo como perdido em termos de seu bem-estar físico. Portanto, tanto quanto possível, cuidar do seu corpo pode ser muito útil para melhorar seu humor.
Qualidade de vida de pacientes com doenças degenerativas

Outras maneiras de ajudar pacientes com doenças degenerativas

Além desses pontos fundamentais, existem diversas terapias que são desenvolvidas com o objetivo de melhorar a qualidade de vida deste tipo de paciente. Por exemplo, a hipoterapia ou terapia assistida por cavalos em pessoas com esclerose múltipla; ou as terapias com cães para pacientes de Alzheimer.

Independentemente de qual escolhermos, o importante é que existem muitas maneiras de melhorar a qualidade de vida dos doentes crônicos. Se você está nesta situação ou conhece alguém enfrentando algo assim, lembre-se: sempre há algo que podemos fazer.