Qual é o papel dos avós na família?

· janeiro 2, 2018

Afinal, qual é o papel dos avós na família? Se pensarmos na nossa infância, certamente lembraremos que há uma figura que tem um papel relevante nela: a dos nossos avós. Eles estavam sempre disponíveis para nós, dispostos a brincar do que quer que fosse ou a comprar um doce ou um brinquedo quando nossos pais não queriam.

Nós os adorávamos. Mas as coisas mudam quando temos os nossos próprios filhos e são os nossos pais que se tornam avós. A situação muda e o papel dos avós na família pode se transformar em geradores de conflitos… Eles prejudicam mais do que beneficiam ou é o contrário? Um dos problemas mais recorrentes entre os avós e os pais é a aplicação dos limites. Em muitos casos, é muito difícil que ambas as partes cheguem a um consenso.

“Certamente duas das experiências mais gratificantes da vida são ser neto ou ser avô”.
– Donald A. Norberg –

O papel dos avós na família como geradores de conflitos

Todos nós já ouvimos dizer que os pais educam e os avós estragam, não é verdade? A realidade é que os avós geralmente são menos exigentes do que os pais e interpretam os comportamentos inapropriados das crianças através de uma perspectiva mais tranquila.

É comum os avós pensarem que educariam os seus netos de forma diferente de como os seus próprios filhos estão fazendo. De um lado estão os avós que, diante da sua experiência, não estão de acordo com as ideias dos mais jovens. Do outro lado estão os pais, que não aceitam as intromissões dos avós na educação dos seus filhos e sentem que a sua autoridade está sendo questionada.

“É natural que muitas vezes nos sintamos mais próximos das gerações distantes do que daquelas que nos precedem”.
– Igor Stravinsky –

A realidade é que essa superproteção dos avós não deve levar as crianças a desobedecerem os seus pais, mas é importante que pais e avós conversem francamente. Os pais precisam deixar claro que os avós devem ajudar na criação dos netos, sem desafiar as diretrizes estabelecidas para a educação das crianças.

Fotos de neto com seu avô

O papel dos avós na família como mediadores

De fato, se conseguirmos que os pais e os avós se vejam como aliados em vez de oponentes, a educação das crianças será muito beneficiada. Em primeiro lugar, porque os idosos poderão atuar como mediadores nos conflitos que surgem (como é habitual) entre pais e filhos.

Se os avós forem capazes de assumir uma posição que equilibre os dois lados, poderão ser uma fonte de resolução de problemas muito conveniente para todos. O papel dos avós na família diante dos conflitos familiares pode ser o de “facilitadores da comunicação”.

Mas não é só isso, eles também podem trazer tranquilidade e um novo olhar sobre o problema: podem oferecer diferentes alternativas de solução e assegurar que tanto os pais quanto os filhos cumpram o acordo estabelecido. De alguma forma, eles podem agir como garantia desse tipo de acordo.

“O que as crianças mais precisam são os elementos que os avós oferecem em abundância. Eles dão amor incondicional, carinho, paciência, humor, conforto, lições de vida. E o mais importante, as guloseimas”.
– Rudy Giuliani –

O papel dos avós como apoio emocional para os filhos e netos

O papel dos avós na família vai mais além. É inegável que eles podem se tornar um grande apoio emocional para seus filhos e netos. Quando embarcamos na aventura da paternidade, isso pode provocar emoções negativas: a educação dos filhos não é uma tarefa fácil, ou pelo menos, nem sempre é fácil.

Avô abraçando seu neto

Poder contar com a experiência e o aconselhamento dos idosos pode nos dar uma segurança extra no dia a dia com os nossos filhos. Para que esta relação nos forneça o apoio de que precisamos, é importante que ela se baseie no diálogo, na compreensão e empatia mútuas, para que as diretrizes da educação sejam respeitadas, assim como o que cada um pode dar e receber.

Por outro lado, é inegável que os avós proporcionam uma contribuição positiva para o desenvolvimento emocional da criança e para a percepção que ela tem de si mesma. Eles são uma fonte de tolerância e carinho insubstituível. Além disso, nos ajudam a descobrir quem somos quando nos contam as histórias sobre a nossa família. Eles também desenvolvem o nosso senso de responsabilidade, uma vez que são as primeiras pessoas das quais aprendemos a cuidar.

Imagens cortesia de O.C. González, Lindy Baker e Gemma Evans.