O que podemos aprender com as perdas?

· outubro 8, 2017

Quando “perdemos” alguma coisa ou alguém, por trás da dor, da confusão e do orgulho, existe uma lição que por si só vai nos curar. Por mais difícil que seja, todos nós podemos e devemos aprender com as perdas.

A concepção da perda está ligada às interpretações caprichosas do nosso ego. Dependendo de como nos relacionarmos com nós mesmos, veremos a perda como uma péssima jogada do destino ou como uma situação a mais pela qual passar e aprender. Já disse Charles Dickens, escritor e romancista inglês: “Aprendo com cada fracasso o que precisava aprender.”

Ninguém está preparado para as experiências difíceis de suportar. As perdas e os fracassos nos preparam exatamente para isso. As perdas nos tornam pessoas mais completas e mais inteiras, nos ensinando uma parte da vida, embora nosso ego tenha as esperanças direcionadas a outras aspirações.

Todas as pessoas vão passar por perdas de familiares, amigos, companheiros e não enfrentar ou não querer aceitar essa situação é o verdadeiro problema. Nós sabemos que esses fatos vão acontecer e quando acontecerem aprenderemos alguma coisa com eles. Além disso, muitas lições serão tão valiosas quanto dolorosas, sem dúvidas.

“O verdadeiro meio para sair ganhando consiste em não querer ganhar sempre.”

Como aprender com as perdas e sair fortalecido?

O sofrimento é um aspecto da vida que não pode ser erradicado, como não podem ser isolados a influência do destino que nos prega peças ou da morte. Sem eles a vida não seria completa. Por isso, a dor da perda de familiares e de pessoas queridas é uma dor que faz parte do processo da vida, sem ela a vida não seria vida. Nesses casos, a aceitação é o segredo para que a dor natural dessas perdas não se transforme em um sofrimento contínuo e prolongado que nos fará entrar em um estado de desadaptação.

Mulher disposta a aprender com as perdas

No maravilhoso livro “Em busca de sentido”, Viktor Frankl nos mostra a perda a partir de uma perspectiva mais humanista e adaptativa. A maneira como o homem aceita seu destino e todo o sofrimento que este acarreta acrescenta um sentido mais profundo à sua vida. Inclusive, sob as circunstâncias mais difíceis ele consegue conservar sua coragem, sua dignidade e sua generosidade. Mas também pode se esquecer da sua dignidade humana e se transformar no mais destrutivo dos animais.

Muitas vezes é exatamente uma situação externa excepcionalmente difícil, a perda de um familiar, o término de um relacionamento, que dá ao ser humano a oportunidade de crescer espiritualmente, de transcender seus limites. Aquele que perde a fé no futuro está condenado, vai se abandonar e se transformar no objeto em que a apatia física e mental se apoia.

A única coisa que não podemos perder somos nós mesmos. É com isso que devemos e podemos nos ocupar em primeiro lugar.

“Diga para mim e esquecerei, me ensine e lembrarei, me envolva e aprenderei.”
-Benjamin Franklin-

Eu aprendo com cada perda alguma coisa que precisava aprender

Nem tudo o que aprendemos com a perda de alguém ou de alguma coisa é positivo. Também precisamos aprender com a parte negativa que a perda nos deixa. Por exemplo, nos términos de relacionamentos, a perda deixa uma marca quase inesquecível no ego, que continua a atingir até mesmo quando os sentimentos já não estão mais em chamas. Portanto, precisamos aprender com o lado ruim que a perda teve e nos concentrarmos no bom que fica após essa situação.

“Eu aprendo com cada perda, apesar da dor.”

Mulher determinada a aprender com as perdas

Desde que nascemos aprendemos a possuir e a ficar perto daquilo que amamos para encontrar segurança. No entanto, poucas coisas nos dão dicas do que fazer ou sentir no momento de perder ou de nos separarmos de um ente querido. As principais causas da dor que acompanha a perda de um ser querido, de um relacionamento, de uma esperança ou de alguma coisa material são os apegos e os medos que construímos ou geramos durante a nossa vida.

Para aprender com as perdas ao se adaptar a elas, superá-las e sair fortalecido dessa situação é bom olhar nos olhos de quem possa ter ressurgido na nossa vida nesse momento. Além disso, a coisa mais importante que podemos identificar é todo o aprendizado que a perda nos oferece, com o objetivo de recuperar as forças e a vontade de seguir em frente.

“Ser inteligente é aprender com as perdas e com a experiência.”