Em quais áreas ocorrem os principais problemas de relacionamento?

· junho 4, 2018

Muitos casais que procuram uma primeira consulta de terapia de casal o fazem porque não estão felizes ou satisfeitos com a relação. No entanto, nem todos os casais sabem realmente se estão com problemas de relacionamento ou se estão passando por uma fase ruim, quando só resta esperar a tormenta passar.

A maioria dos casais que buscam ajuda profissional são casos nos quais existe, sim, um problema significativo, mas ao mesmo tempo são pessoas que, estando juntas, também funcionam em diferentes aspectos. Ou seja, são casais que têm problemas em algumas áreas da vida, mas que mantêm outras áreas intactas. Dessa forma, surge a confusão e a dúvida em relação a se têm ou não problemas de relacionamento.

Por isso, neste artigo, vamos explicar as 5 áreas de diagnóstico que são utilizadas na primeira consulta de terapia de casal para identificar quais problemas de relacionamento existem e em quais áreas se encontram. Além disso, esse esquema de análise do relacionamento por áreas também vai permitir saber o que funciona corretamente na sua relação.

As 5 áreas de diagnóstico nas quais se pode observar problemas de relacionamento

1. Amizade: encontrar no seu companheiro ou na sua companheira um de seus melhores amigos

Essa área diz respeito a ver seu companheiro ou sua companheira como um amigo ou uma amiga. Isso significa que deve ser uma das pessoas com a qual você compartilha sentimentos, experiências do dia a dia, preocupações e desejos. A amizade é necessária para que um casal funcione bem. Na verdade, muitos casais satisfeitos destacam a amizade como a “cola” que une a relação.

Casal de mãos dadas

Além disso, a amizade no relacionamento pode existir antes do casal ser um casal, mas também pode se desenvolver junto com a relação afetiva. Além disso, dentro da área da amizade no relacionamento, temos o tempo compartilhado e atividades, preferências, passatempos e valores em sintonia. Todos esses ingredientes não podem faltar para que a relação funcione.

 “O primeiro amor é uma pequena loucura e uma grande curiosidade”.
-George Bernard Shaw-

Uma das primeiras avaliações que se realiza na terapia de casal é a base de amizade que existe, já que essa área se relaciona profundamente com a confiança. Devemos nos lembrar de que a confiança não é um sentimento que se limita aos relacionamentos, pelo contrário, existe no relacionamento porque entre o casal existe amizade.

Se a relação de amizade entre o casal não é boa, haverá problemas de relacionamento enraizados na falta de confiança, refletidos, por exemplo, em um sentimento de distância e desconhecimento (“meu companheiro é um estranho para mim”).

Dessa maneira, quando essa “cola” não existe em um relacionamento, é muito provável que a relação apresente problemas. Por quê? Porque quanto maior o sentimento de amizade, mais fácil é o entendimento, a assertividade e a cumplicidade.

2. Intimidade: a arte de passar tempo de qualidade juntos e sem distrações

Nesse caso, pode haver problemas de relacionamento por compartilhar amizade, momentos em companhia, mas não intimidade. A intimidade na vida do casal é entendida como o tempo de qualidade que o casal passa a sós, no qual compartilha expressões verbais de afeto e carinho. A intimidade também abrange momentos de sinceridade total e demonstrações verdadeiras das ideias, emoções e desejos.

Ter momentos a sós em casal é muito importante, mas ao mesmo tempo, pode ser muito difícil se for um casal com filhos ou responsabilidades familiares. Por esses motivos, os filhos e as relações com outros membros da família (pais, irmãos, filhos de outros relacionamentos, etc.) podem fazer com que um dos membros do casal sinta que perde a intimidade e, assim, surgem problemas.

Casal jantando à luz de velas

Nesse sentido, se um dos membros do casal não estiver satisfeito com o nível de intimidade, surgirão problemas de relacionamento. Porque a pessoa pode se sentir deslocada e pouco importante para a outra. Tudo isso acaba gerando uma atitude negativa no dia a dia (irritação, baixa valorização) e favorecendo os sentimentos negativos.

3. Ser um time: andar no mesmo sentido

A sensação de que o casal funciona como um time é fundamental para que a relação seja positiva e tenha futuro. Quando uma das duas partes sente que o outro não faz esforços em prol da vida em comum, começam os problemas de relacionamento. Nessa área se valoriza quando o casal se esforça em conjunto, reparte por igual as tarefas diárias, compartilha responsabilidades familiares e se apoia mutuamente.

Nos casais em que se observa uma desigualdade no sentido de um precisar puxar o outro, ou arrastar o outro, aumentam as chances de aparecerem problemas de relacionamento. Porque sentir que um mobiliza o outro, ou que um precisa empurrar o outro, é um peso ou uma carga que vai provocar estresse e insatisfação.

Portanto, para diagnosticar se há problemas nessa área, é fundamental avaliar (entre outros aspectos) a divisão de tarefas em casa, os esforços que o casal realiza um com o outro, a iniciativa que cada lado demonstra, as propostas que são feitas para passar o tempo livre e o apoio que cada um oferece (o objetivo e o percebido).

 “O amor não reivindica posses, mas dá liberdade”.
-Rabindranath Tagore-

Casal se mudando

4. Paixão e sexualidade: a diferença entre ser um casal ou melhores amigos

A paixão e a sexualidade não podem faltar na vida do casal porque sem esses fatores o que se tem é uma boa relação de amizade e muito carinho, mas dificilmente (ou mais dificilmente) um bom relacionamento. No entanto, é claro que a importância dada à paixão e à sexualidade não é sempre a mesma, mas esses dois componentes precisam estar presentes. Caso contrário, as chances de aparecerem problemas vão aumentar.

Em outras palavras, a paixão e a sexualidade costumam diminuir à medida que o casal vai “fazendo aniversário”. Isso é um aspecto natural da evolução do casal e muitas vezes é uma adaptação ao aparecimento das primeiras limitações físicas. No entanto, enquanto houver interesse por manter a chama viva, é possível viver a sexualidade de maneira plena e satisfatória, inclusive acima dessas limitações.

Casal se beijando

5. Compromisso com um futuro em comum: ter projetos e cuidados

O compromisso no casal, psicologicamente falando, vai muito mais além de um compromisso verbal ou formal de fidelidade e respeito. Em terapias de casal, quando falamos de compromisso, nos referimos ao envolvimento de ambas as partes no futuro da relação e nos projetos compartilhados.

Assim, quando encontramos casais que terminam sempre que têm um problema ou uma discussão, ou que consideram o término como uma estratégia para a solução de problemas, estamos diante de um casal com um nível de compromisso nulo ou muito baixo.

O escasso compromisso entre o casal mostra que há problemas nessa área e que se trata de um problema delicado, já que os relacionamentos, a longo prazo, geralmente demandam um forte compromisso para evoluir e superar as dificuldades.

Casal de mãos dadas

Por fim, uma das vantagens desse sistema de diagnóstico é que já nos mostra para onde é preciso direcionar nosso olhar. Ou seja, ao mesmo tempo em que se realiza um diagnóstico das áreas nas quais existem problemas, são identificados pontos em que se pode trabalhar. Assim, se você está passando por uma fase ruim no seu relacionamento, tente explorar essas 5 áreas.