Regulação emocional nos transtornos alimentares: como melhorá-la?

A regulação emocional nos transtornos alimentares

Janeiro 5, 2018 em Psicologia 225 Compartilhados
Regulação emocional nos transtornos alimentares

Como se dá a regulação emocional nos transtornos alimentares? Talvez você nunca tenha parado para pensar nisso, mas nem todos temos a mesma habilidade para reconhecer, aceitar e regular as nossas emoções. Agora que o assunto está colocado sobre a mesa, você consegue pensar em alguém que raramente reconhece algo que o incomoda?

Ou que tem dificuldade para gerenciar suas emoções negativas, tanto que a maioria das pessoas que o conhecem sabem que ele tem um problema com ansiedade ou tristeza? Pode ser que você esteja vendo a si mesmo refletido nessas características. A realidade é que reconhecer, aceitar e regular as nossas emoções são capacidades que influenciam significativamente os vários distúrbios psicológicos, incluindo os de comportamento alimentar… descubra por quê!

“A primeira riqueza é a saúde”
-Emerson-

Como é a regulação emocional nos transtornos alimentares?

Em primeiro lugar, é importante destacar que a regulação emocional nos transtornos alimentares é diferente daquela das pessoas que não sofrem de patologias psicológicas, segundo vários estudos científicos. Por um lado, foi descoberto que essas pessoas apresentam maior alexitimia. Ou seja, elas têm mais dificuldades para identificar e descrever os sentimentos. Como é óbvio, quando uma pessoa não sabe reconhecer as emoções que sente, ela terá mais problemas para escolher a melhor estratégia que permita regulá-las.

A explicação é: se não nos damos conta de que estamos com raiva, como vamos fazer algo para que essa raiva diminua? Complicado, não é? Bem, este é um dos problemas da regulação emocional nos transtornos alimentares. Mas devemos adicionar outro obstáculo a isso: o uso de estratégias inadequadas para reduzir o desconforto. Ou seja, quando essas pessoas estão conscientes de que se sentem mal, elas não se “gerenciam” neste estado de forma adaptativa.

“O homem inteligente deveria considerar que a saúde é a maior benção humana. Deixe o alimento ser seu remédio.”
-Hipócrates-

Pessoa segurando doces de chocolate

Pelo contrário, elas tentam gerenciar essas emoções através da fuga, evitação ou negação. Na realidade, esses comportamentos só provocam um efeito rebote, dando lugar a uma cronificação de suas emoções negativas. Vejamos um exemplo: quando uma pessoa com este problema se sente mal porque pensa que se comer vai engordar, ela tenta gerenciar essa ansiedade restringindo sua comida. A curto prazo, ela vai conseguir fazer com que esse desconforto diminua.

Mas a longo prazo, isso fará com que quantidades menores de comida gerem cada vez mais emoções negativas, por isso o mínimo para desconforto será aumentado gradualmente. Este círculo vicioso também é observado com compulsão alimentar: a pessoa come porque se sente mal, mas logo em seguida se tortura pelo excesso de comida, então ela tenta vomitar, o que a leva novamente a experimentar emoções negativas porque sabe que o que faz é errado.

Por que é importante melhorar a regulação emocional nos transtornos alimentares?

Depois do que foi explicado até agora, o papel desempenhado pela regulação emocional nos transtornos alimentares e a necessidade de melhorá-la são claros. Por um lado, é importante mudar a restrição dos alimentos ou a compulsão alimentar (e consequentes vômitos) por outras estratégias de enfrentamento e gerenciamento emocional mais adaptativas (melhores para a pessoa que as usa).

Mas não é só isso que devemos trabalhar para melhorar os comportamentos patológicos realizados quando uma pessoa sofre dessa doença. A realidade é que ser capaz de aceitar, identificar e expressar nossas emoções nos beneficia a nível global, produzindo uma sensação de bem-estar físico e mental.

Mulher sofrendo de transtorno alimentar

Além disso, ser capaz de regular nossas emoções negativas de forma adequada, através de estratégias de enfrentamento adaptativas, vai fazer com que os níveis de ansiedade, tristeza e raiva que sentimos diminuam. De fato, foi descoberto que trabalhar a regulação emocional nos transtornos alimentares melhora notavelmente o seu prognóstico.

“Comer não é só um prazer material. Comer bem dá uma alegria espetacular à vida e contribui em grande medida para a boa vontade, para a moral e para a felicidade.”
-Elsa Schiaparelli-

Imagens cortesia de Olenka Kotyk, Nordwood Themes e Jairo Alzate.

Recomendados para você