Sapiosexual: a atração pela inteligência

· dezembro 23, 2017

Sapiosexual é o conceito que se utiliza para se referir às pessoas que consideram a inteligência como o principal fator da atração sexual. A origem dessa palavra procede da palavra “sapiens”, que significa sábio ou ajuizado.

Os sapiosexuais se vinculam emocionalmente diante de estímulos novos e prestam pouca atenção ao que eles consideram como repetitivo. São pessoas que possuem uma característica que a psicologia da personalidade define como abertura à experiência.

Precisamente por isso, na sedução, elas se sentem especialmente atraídas pelas conversas que abrem a mente. Esta ativação, que no começo é somente mental, acaba se estendendo a outros níveis, como o físico, afetivo e erótico.

Este fenômeno pode compreender qualquer um dos sexos, ou seja, pode acontecer com mulheres e homens. Apesar de estimarem que é mais comum nas mulheres ou mais demonstrado por elas, já que não são tão visuais como os homens e precisam de outros estímulos para se apaixonar.

“Para uma pessoa sapiosexual, uma inteligência marcante é o principal fator no jogo da sedução”.

Casal conversando vestido de branco

Sapiosexual: a inteligência erótica

O psiquiatra Lister Rossel defende que o cérebro é o principal órgão sexual, antes mesmo da pele e dos órgãos genitais. Por outro lado, a sexóloga Emma Ribas considera que a sedução pelo intelecto adiciona mais qualidade à relação, já que a inteligência desperta um desejo que logo é traduzido ao nível físico.

Para os sapiosexuais, a conversa se transforma em um jogo sexual de duas mentes. Adoram as surpresas e o inesperado. Com frequência, deixam espaço para que surja o desejo e sabem como mantê-lo através do mistério. Este último é a inteligência erótica.

Pois bem, a atração pela inteligência também pode acarretar algum perigo, especialmente nas pessoas inseguras ou com baixa autoestima. Nesses casos, podem se estabelecer relações de dependência devido à desvalorização que as pessoas com baixa autoestima têm de si mesmas. Elas admiram quem acreditam ser mais inteligentes porque elas mesmas acham que não são.

“Os órgãos genitais dependem em grande medida de nosso cérebro”.

Encontrando o amor no interior

As redes sociais estão dando mais visibilidade, sob novos paradigmas léxicos, a conceitos que já existem há muito tempo atrás. Segundo o sociólogo Francesc Nuñez, procurar rótulos para definir relacionamentos não é algo novo, senão uma necessidade humana de funcionar com estereótipos e preconceitos que nos orientam na vida social.

Nesse sentido, sapiosexual é um dos termos que está na moda para descrever uma circunstância que sempre existiu: a atração sexual pela inteligência do outro. Apesar do termo ser novo, a relação entre inteligência e mente como fatores de atração entre pessoas data dos textos do filósofo Platão, no ano 380 a.C.

Conversa entre casal

Os sapiosexuais são seduzidos pelas palavras. Eles gostam de ter qualidade nas conversas e diálogos estimulantes que lhes permitam fugir da frivolidade, encontrando o amor no interior do outro. Porém, ao ser sapiosexual, isso não quer dizer que a pessoa não considere outros parâmetros como o físico ou a personalidade do outro.

Também pode ser que essas pessoas, de maneira inconsciente, interpretem a intelectualidade do outro como um relacionamento mais seguro e estável. De algum modo, elas associam a inteligência à uma boa determinação e proteção no relacionamento.

A sapiosexualidade é um aspecto a mais a ser incluído junto ao resto dos critérios que utilizamos para escolher com quem gostaríamos de estar. Definitivamente, se queremos passar mais tempo com uma pessoa, é melhor que ela acrescente conversas interessantes e seja capaz de manter o mistério e o desejo.

“O amor é como uma escala de gradação que começa com a beleza do corpo, para depois se aproximar das ideias e das pessoas que mostram uma inteligência privilegiada”.
–Platão-