Síndrome de Stendhal, quando o prazer pela arte ataca sua saúde

· julho 20, 2016

A Síndrome de Stendhal, também conhecida como Síndrome de Florença, é considerada um transtorno psicossomático que costuma afetar especialmente as pessoas altamente sensíveis. 

Ela ocorre quando, em um curto espaço de tempo, admiramos de maneira contínua um grande número de obras de arte, experimentando uma espécie de overdose de beleza artística. A origem desta patologia se encontra na pessoa que observa a arte e não o objeto em si. A admiração de obras artísticas tem uma enorme variedade de interpretações e avaliações subjetivas que dependem da cultura e do contexto em que vive cada pessoa.

Síndrome de Stendhal

Grupos de neurologistas explicam como um prazer mental excessivo de visualizar obras maravilhosas pode acabar se convertendo em um grande mal-estar. Os sintomas que se experimentam costumam ser físicos e psíquicos: sudorese, palpitações, tonturas, visão turva. Sentimentos de estresse e semelhantes a um ataque de ansiedade, alucinações, sensações de euforia e até depressão também podem ocorrer, conforme for apropriado.

As origens da Síndrome de Stendhal

O primeiro a escrever sobre esta doença foi o escritor francês Stendhal, que descreveu sua experiência pessoal durante uma visita a Florença, na Itália. No entanto, a psiquiatra Graziela Magherini, depois de estudar vários casos em turistas que visitavam Florença na década de 70, foi quem definiu definitivamente a doença como uma síndrome.

Geralmente ela é desenvolvida em cidades emblemáticas do ponto de vista artístico. Florença, Roma ou Veneza são os exemplos mais conhecidos dos casos já ocorridos. A controvérsia oferecida por alguns psicólogos descreve como único motivo responsável por esta síndrome a sugestão que acompanha muitos turistas que já estão familiarizados com esta doença.
A Síndrome de Stendhal acabou se tornando uma referência romântica e pode ocorrer em qualquer lugar onde haja uma grande concentração de beleza (pintura, música, poesia, etc), a tal ponto que seja impossível suportar a influência intensa que ela causa na pessoa afetada.