2 formas de ser amável consigo mesmo 

· julho 16, 2018

Muitos dos problemas que nos afligem têm uma origem comum: a falta de amor próprio. Graças a todas as pressões externas às quais somos submetidos, a nossa própria autoexigência e a sensação de estarmos perdidos e não saber o que fazer, podemos acabar tratando a nós mesmos com muita dureza. Por essa razão, se você quiser melhorar seu humor, é necessário aprender a ser amável consigo mesmo. 

A compaixão por si mesmo é um conceito que surgiu pela primeira vez na religião budista. Ser amável consigo mesmo é copiar o tom e a generosidade com a qual você trataria um amigo próximo, em vez de cair em autocríticas que na verdade não levam a nada. Sem perceber, muitas vezes falamos com nós mesmos como se fôssemos nossos piores inimigos.

De acordo com pesquisas sobre o assunto, para ser amável consigo mesmo é preciso desenvolver três habilidades:

  • Bondade consigo mesmo: Consiste na capacidade de agir de forma compreensiva e amável consigo mesmo. Fazer isso implicaria, por exemplo, nos perdoarmos em vez de nos culparmos por cometer um erro.
  • Senso de humanidade compartilhada. Este elemento de nome tão peculiar esconde, na verdade, um atitude muito básica. Consiste em acreditar que ninguém é perfeito, e que todos nós temos o direito de errar. Isso nos ajuda a compreender que não somos nem melhores nem piores do que os outros.
  • Mindfulness. A capacidade de viver no momento presente nos ajuda a relativizar os problemas quando eles aparecem. Além disso, nos ajuda a ser mais estoicos, aumentando a paciência com nós mesmos.
Mulher feliz e plena

Como desenvolver a capacidade de ser amável consigo mesmo?

Agora que você já sabe quais habilidades estão implicadas na autocompaixão, certamente está se perguntando como desenvolvê-las. A verdade é que não são características que já estão instaladas em nós ao nascer (talvez exista uma pré-instalação, uma força favorecida pela genética, mas não mais do que isso). Assim, ser amável consigo mesmo vai demandar um esforço consciente e uma boa dose de trabalho. 

Neste caso, os pesquisadores descobriram que uma das melhores estratégias para desenvolver a autocompaixão é cuidar da qualidade das perguntas. Considerar certas questões pode fazer com que mudemos o nosso ponto de vista e a nossa forma de agir.

Isso, que é importante quando se trata de interagir com os outros, se transforma principalmente na forma como tratamos a nós mesmos. A seguir você vai encontrar duas das perguntas mais poderosas para aprender a ser amável consigo mesmo.

“A qualidade da sua vida é igual a qualidade das perguntas que você faz”.
– Anthony Robbins –

1- Do que eu preciso para ficar bem?

Esta pergunta pode parecer extremamente simples, mas a maioria de nós não pensa nisso habitualmente. No geral, estamos tão preocupados com o que “devemos fazer” que nos esquecemos das nossas próprias necessidades. 

Uma das ideias distorcidas que nos levam a isso é associarmos o egoísmo com algo negativo. Se uma pessoa declara que quer trabalhar em sua própria felicidade, não vai demorar para receber um olhar de julgamento. Ela não deveria estar se sacrificando pelos demais? Mas, como dizia Aristóteles, preocupar-se consigo mesmo, longe de ser ruim, é necessário. 

É que, para sermos capazes de nos dar aos demais, primeiro precisamos ter algo para entregar. Pense, quem pode fazer o melhor? Uma pessoa que é infeliz porque não se preocupa consigo mesma? Ou uma pessoa que está bem consigo mesma porque se ocupa de suas próprias necessidades?

2- Como eu trataria uma pessoa querida nesta mesma situação?

Muitas vezes nós podemos nos transformar em nossos piores inimigos. Ninguém nos julga com tanta dureza quanto nós mesmos, nem exige tanto. Ao exigirmos uma perfeição que é impossível de alcançar, podemos sofrer com graves problemas de autoestima. Imagine que você e seu parceiro discutiram e você começa a se afundar em culpa. Em situações como essas, é comum que digamos a nós mesmos coisas como:

  • “Eu sempre faço tudo errado.”
  • “Como eu posso ser tão insensível?”
  • “No fim eu vou acabar sozinho, como de costume.”

Na próxima vez que você cair nessa de dar voltas em ideias irracionais, imagine como seria se você estivesse lidando com alguém muito próximo de você. Como essa pessoa se sentiria? Você acha que estaria realmente ajudando a pessoa?

Se a resposta for “não”, por que você trata a si mesmo pior do que os outros?

Mulher com coração de pelúcia

Conclusão

Tratar a si mesmo com compaixão é uma habilidade muito complicada de adquirir. Embora o fato de sermos críticos com nós mesmos possa nos ajudar a mudar, levar esta atitude ao extremo acaba provocando grandes quantidade de sofrimento. Por isso, vale a pena aprender a ser amável consigo mesmo. 

Qual é o passo seguinte? Agora que você conhece estas perguntas, tome a decisão de fazê-las na próxima vez em que estiver julgando a si mesmo com muita dureza. Mesmo que seja difícil no começo, você vai notar que pouco a pouco tratar a si mesmo desta nova forma vai se transformar em algo mais natural.