3 segredos da PNL (Programação Neurolinguística) para mudar a sua vida

· julho 12, 2018

Os segredos da PNL (Programação Neurolinguística) podem ser incrivelmente eficazes para mudar a forma como percebemos e interpretamos a realidade. Não podemos esquecer que nossos pensamentos e sentimentos moldam tudo que nos envolve, por isso as técnicas que acompanham este enfoque são úteis para tomar consciência disso e aplicar as mudanças adequadas.

De um modo ou de outro, todos ouvimos falar da programação neurolinguística. Mais do que uma teoria da psicologia, devemos vê-la como um conjunto de estratégias de desenvolvimento pessoal. Com elas, seus criadores Richard Bandler e John Grinder buscaram, nos anos 70, modelar as habilidades do ser humano para permitir que alcançassem por si mesmos seus propósitos de vida.

“Tudo que somos é o resultado do que pensamos.”
– Buda –

Por outro lado, é preciso ressaltar que não faltam críticos a respeito deste modelo, pessoas que desconfiam da PNL e a enxergam como um tipo de pseudociência. Agora, cabe dizer que suas estratégias são úteis em muitos casos, assim como interessantes do ponto de vista psicológico. Deste modo, um de seus principais objetivos é estabelecer uma conexão entre os processos neurológicos, nossa linguagem e os padrões de comportamento aprendidos através da experiência.

Assim, ao corrigir nossas representações cognitivas e tirar o poder dos mapas mentais rígidos que às vezes nos definem e caracterizam, vamos pouco a pouco dando forma a padrões de comportamento muito mais adaptativos. As chaves da PNL são uma maneira interessante e útil de mudar a nossa realidade, de modelar nossa mente, nossa forma de sentir o que nos envolve, para perceber a vida de um modo mais livre, positivo e feliz.

Estas seriam 3 estratégias para conseguir fazer isso.

Analisar o cérebro

1. Técnica da dissociação na programação neurolinguística

A PNL ou Programação Neurolinguística explica que nossa falta de confiança, assim como a ansiedade ou o estresse, são atividades, processos, e não condições permanentes. A chave está, portanto, em controlar estes processos, mudá-los para que fluam em uma direção mais adequada e, é claro, a nosso favor.

Uma maneira de conseguir fazer isso é por meio da dissociação. Os passos seriam os seguintes:

  • Identifique a emoção que você quer parar, que quer acalmar, e dissolva-a em sua mente, como é o caso da raiva, da ira, do medo, da decepção, etc…
  • O que devemos fazer é nos concentrarmos nessa emoção específica e em uma situação que a provoque de forma regular. Por exemplo: sinto raiva sempre que meu companheiro de trabalho fala mal de mim pelas costas.
  • Visualize essa cena como se fosse um filme e faça o seguinte: dê a ela uma trilha sonora divertida para tirar todo o seu dramatismo. Depois, reproduza-a mais vezes em sua mente para reduzir as emoções negativas, para perceber que tudo está sob o nosso controle e que essa situação, longe de nos afetar, já não tem importância; inclusive, ela pode chegar a ser bem irônica e até engraçada. A raiva desaparece.

2. Reformulação de conteúdo

Se nos tornamos obcecados em antecipar fatalidades, em enfrentar nosso dia a dia com medo e pensando sempre no pior, é muito possível que no fim nós mesmos causemos nossa própria fatalidade.

Por exemplo, há pessoas que não param de pensar no que seria delas se seus parceiros as deixassem ou as traíssem. Sua angústia é tamanha que acabam desenvolvendo condutas obsessivas, ciúmes, desconfiança, e um leque de processos daninhos que acabam se cristalizando e se transformando em seu pior medo: o parceiro acaba rompendo o relacionamento por não suportar mais essa situação.

  • Assim, um modo de controlar esses medos é fazendo uso da reformulação de conteúdo. Ela se baseia em uma técnica cognitiva que substitui a atenção centrada no medo para enquadrá-la em outros aspectos mais construtivos.
  • Por exemplo, tenho que parar de me concentrar no medo de perder meu parceiro para focar em construir bons momentos ao seu lado.
  • Desloco meu medo de ficar só para concentrá-lo em um processo essencial: me responsabilizar por mim mesmo. Devo aprender a me amar o suficiente, aprender a ser forte ao invés de me deixar prender pelo medo.
Programação neurolinguística

3. Segredos da PNL: a técnica da ancoragem

A técnica da ancoragem é, sem dúvidas, uma das chaves da PNL mais representativas desta estratégia psicoterapêutica do crescimento pessoal. Uma ancoragem é uma conexão entre um estímulo e um estado emocional. Nosso propósito aqui é conseguir um estado de humor adequado, além de poderoso, com o qual realizar com sucesso uma tarefa ou enfrentar uma situação determinada.

“Cada vez que você estiver fazendo o mesmo que a maioria, é hora de parar e refletir.”
– Mark Twain –

Por exemplo, pensamos nas situações que se caracterizam por provocar ansiedade ou insegurança: as provas, falar em público, uma aproximação daquela pessoa que nos atrai… Se formos capazes de evocar, de pôr em funcionamento um estado mental específico, encontraremos o impulso e a segurança suficientes para sairmos vitoriosos destes momentos tão comuns. Estes seriam alguns passos simples para conseguir uma ancoragem baseada nos segredos da PNL:

  • Identificar, primeiro, o que desejamos sentir: confiança, felicidade, tranquilidade…
  • Agora tentaremos lembrar um momento de nossas vidas em que sentimos essas emoções positivas com muita intensidade.
  • Iremos nos concentrar nessa lembrança e “recortar” essa imagem, tornando-a só nossa, e a tornaremos presente da forma mais real e vívida possível.
  • Agora, devemos escolher uma frase que nos sirva de ancoragem, “eu estou em paz” ou “estou calmo”, ou “tudo vai ficar bem”…
  • A estratégia está em repetir esta sequência (emoção desejada, lembrança, visualização, palavra de ancoragem) de forma diária até que fique integrada em nossa mente. Deste modo, pouco a pouco a ancoragem vai se automatizar sempre que precisarmos dela.

Para concluir, temos certeza de que estes segredos da PNL despertaram a curiosidade de muitos leitores, que querem saber mais sobre esse universo que é a Programação Neurolinguística. Cabe dizer que é um enfoque que está ao alcance de todos, faz parte do movimento que dá ênfase ao nosso enorme potencial como seres humanos, iniciado nos anos 70, e que veio a se consolidar com o passar dos anos.

Se você quiser se aprofundar, pode começar por livros como “Introdução à Programação Neurolinguística”, um trabalho muito completo com o qual podemos aprender estratégias novas para transformar as nossas vidas.