4 formas inadequadas de lidar com a raiva

· janeiro 13, 2019
A raiva não desaparece sozinha, nem por magia. Quando sentimos essa emoção invasiva, é muito importante expressá-la da maneira adequada. Caso contrário, podemos acabar ficando doentes.

Lidar com a raiva de maneira inadequada é um costume que pode provocar consequências desastrosas. A raiva é uma dessas emoções invasivas que, muitas vezes, nos leva a fazer besteiras. Acabamos falando ou fazendo alguma coisa que nos prejudica e/ou prejudica as pessoas que amamos.

Infelizmente, por vezes, a raiva é vista de forma mais ou menos positiva. O chefe que grita ou o pai rígido podem acreditar que suas explosões de humor são uma demonstração de seriedade ou compromisso.

No entanto, a raiva descontrolada dificilmente gera algo positivo. Pelo contrário, machuca, fere e acaba gerando mais raiva e ressentimento nos outros. Por isso é tão importante aprender a lidar com a raiva.

Não se trata de não senti-la, porque a raiva, assim como todas as emoções, é uma reação legítima em muitos casos. O importante é não deixar que assuma o controle. Ou seja, não deixar a emoção ditar o que é preciso fazer. A seguir, vamos apresentar quatro maneiras inadequadas de lidar com a raiva.

“A raiva: um ácido que pode fazer mais mal ao recipiente no qual se armazena do que a qualquer coisa sobre a qual é lançada”.
-Sêneca-

1. A contenção absoluta, uma forma inadequada de lidar com a raiva

A contenção absoluta nunca é um caminho válido para lidar com a raiva, nem com outras emoções. Negar o que se sente, aprisionar, evitar ou tentar ignorar o que sentimos não é adequado. Nenhuma repressão é positiva.

Essa energia que pretendemos asfixiar dentro de nós mesmos sempre retorna em forma de outro sintoma físico ou psicológico. Assim, o melhor caminho não é morder os lábios e tentar seguir em frente como se nada tivesse acontecido.

O que podemos fazer é pensar em um primeiro momento para evitar que ocorra uma dessas explosões de raiva. Assim, evitamos que se voltem contra nós ou contra quem amamos. A serenidade dará lugar a um cenário mais propício para expressar a emoção.

Dificuldade para lidar com a raiva

2. Descarregar a raiva sobre si mesmo

Uma das consequências de reprimir a energia que acompanha a raiva é que ela acaba explodindo dentro de nós. As emoções não se diluem, nem desaparecem sozinhas. Quando não as gerimos, acabam se transformando em algo indesejado. É comum que essa raiva que guardamos, posteriormente, se transforme em uma agressão contra nós mesmos.

A depressão muitas vezes encobre uma raiva reprimida. A raiva está aí, mas em vez de se dirigir a quem a causou, se volta contra nós. É nesse momento que aparecem as recriminações e o ressentimento.

Também é possível que surjam enxaquecas, vertigens e outros sintomas físicos. Não devemos perder de vista a fonte da raiva. O que fez com que esse sentimento aparecesse?

3. Adotar atitudes passivo-agressivas

As atitudes passivo-agressivas são aquelas nas quais as palavras, os gestos ou os atos denotam raiva, mas esta não é expressada diretamente. Pelo contrário, é ocultada.

São colocados enfeites ou véus que amenizam a raiva, mas não a canalizam nem a solucionam. O exemplo mais típico são as indiretas. A pessoa diz, mas não diz.

Lidar com a raiva dessa maneira não é adequado porque gera confusão, tanto para você quanto para os outros. A pessoa não consegue manifestar abertamente o incômodo, mas também não fica completamente quieta.

O problema é que isso pode dar lugar a uma prorrogação desnecessária do conflito ou a novas fontes de problemas.

Como lidar com a raiva

4. Descontar a raiva em pessoas inocentes

A raiva, às vezes, gera redes de agressão que são completamente irracionais. Vamos supor que um chefe fique incomodado de alguma maneira com sua funcionária. Ela não responde, mas quando conversa com seu namorado, se mostra contrariada e o recrimina sem razão. O namorado não responde, mas guarda um certo incômodo dentro de si. Por isso, chega em casa e se mostra excessivamente intolerante com seu irmão mais novo, com quem acaba gritando. A criança não responde, mas brinca de forma brusca com o animal de estimação para atenuar a raiva que está sentindo.

Dessa maneira, forma-se um círculo de agressões, sem que em nenhum ponto o sentimento seja administrado de maneira adequada. Alguém completamente inocente pode acabar sofrendo as consequências de uma má gestão emocional. Como se pode ver, isso deteriora os vínculos sem nenhuma necessidade.

Aprender a lidar com a raiva é muito importante para criar ambientes saudáveis e relações mais construtivas. O adequado é sempre expressar nossos incômodos para a pessoa que os causou. Manifestar abertamente que repudiamos um tratamento injusto, sem consideração ou pouco respeitoso.

Fazer isso depois de ter recuperado a serenidade – se for impossível falar, coloque tudo no papel, sem filtros – é de grande ajuda.