5 conselhos para reduzir a ansiedade das crianças

· novembro 24, 2018

Nossos filhos podem ter dificuldade para regular suas emoções e lidar com certos estados, pois contam com menos recursos que os adultos para fazer isso. Por este motivo, é fundamental saber o que podemos fazer para reduzir a ansiedade das crianças.

Primeiro, é importante avaliar se o que a criança sofre é realmente ansiedade antes de dar o próximo passo. Essa emoção é complexa e tem múltiplas causas, o que pode frustrar as crianças por não terem amadurecido o suficiente para dominá-la.

O que causa a ansiedade nas crianças?

As causas da ansiedade nas crianças são variadas. Falamos de fatores diversos como as responsabilidades, as relações interpessoais ou as relações familiares. Um dos primeiros sinais de ansiedade nas crianças pode aparecer com a separação dos pais.

Menino com problemas de ansiedade

Quando as crianças começam a sair de casa, seja para passar tempo com seus avós ou para começar na escola, elas podem sofrer estresse pela separação. Nessas situações, o que começa como uma tensão superficial pode se tornar uma ansiedade muito intensa, quando não há nada que diminua a sensação de ameaça que a criança sente ao se separar de pessoas com as quais se sente protegida.

Essa emoção também pode ser causada pelo contato com desconhecidos, o que está diretamente ligado com o anterior. O importante é saber como identificar um episódio real de ansiedade, já que todas as crianças sofrem de estresse devido à separação e ao contato com desconhecidos, e isso não significa que elas realmente sofram de um transtorno de ansiedade generalizada (TAG).

Outras causas mais graves podem ser o abuso, um ambiente familiar violento ou disfuncional, ou algo menos traumático, mas igualmente grave para a criança: uma mudança, a morte de um ente querido ou a separação dos pais. Tudo isso pode dar lugar a uma ansiedade que eles não são capazes de controlar.

Como reduzir a ansiedade das crianças?

Em primeiro lugar, como já foi dito, é fundamental discernir entre uma tensão superficial e um verdadeiro quadro de ansiedade. Identificando erroneamente o que acontece, podemos privar a criança da ajuda de que ela precisa ou de um desafio que possa contribuir, e muito, para o seu crescimento. O primeiro passo, portanto, é identificar o problema e sua causa, prestando atenção em como a criança manifesta a emoção.

Se estivermos diante de um episódio específico, o mais importante é tentar argumentar com a criança. Embora às vezes não pareça, as crianças geralmente têm uma capacidade de raciocínio maior da que atribuímos a elas.

Dialogar com elas sobre a causa desse sentimento pode nos dar algumas respostas úteis. Assim, de forma colaborativa, é possível chegarmos a uma solução. Além disso, estaremos realizando um reforço positivo para a reflexão e o raciocínio.

Técnicas que podemos utilizar

A solução do problema pode ser alcançada usando diferentes estratégias.

  • Para começar, o raciocínio é uma boa técnica; ajuda a criança a se concentrar, relaxar e se separar psicologicamente do problema.
  • Outra maneira de lidar com o problema, se a criança não for capaz de usar as palavras apropriadas, é fazer um relato do que sente. Frequentemente, é difícil para elas descrever emoções novas e, portanto, devemos ajudá-las.
  • É importante, como afirmado no primeiro ponto, tranquilizá-la. Podemos utilizar diferentes técnicas de relaxamento ou a análise objetiva da ameaça.
  • Você também deve expressar o que sente. As crianças aprendem muito por imitação, então você as ajudará se também começar a compartilhar o que sente em palavras. Assim, de maneira indireta, aumentará seu vocabulário emocional e, como resultado, sua destreza e precisão ao descrever como você se sente.
Ansiedade nas crianças

Em resumo, estas são as etapas que podemos seguir para identificar a ansiedade em crianças:

  • Prestar atenção aos sintomas (físicos e psicológicos).
  • Dialogar com a criança sobre o seu problema.
  • Apresentar uma solução de forma colaborativa.
  • Colocar em prática técnicas que melhorem o seu estado.
  • Se o problema persistir e houver algo além do estresse ou ansiedade normais, consulte um especialista.

A ansiedade é uma emoção que nasce diante de uma ameaça, seja passada, presente ou antecipada. Assim, as crianças, por serem tão pequenas e instáveis, podem sentir ansiedade diante de muitos fatos, reais ou imaginários. Por outro lado, somos nós, os adultos, que temos a responsabilidade de ensiná-los a trabalhar de maneira positiva com o estado emocional que deriva precisamente da percepção dessas ameaças.