Como usar os 5 sentidos para vencer o estresse

· fevereiro 22, 2018

Usar os 5 sentidos para vencer o estresse é uma estratégia muito fácil de aplicar. É uma forma muito particular de sincronizar os canais do olfato, a visão, a audição, o paladar e o tato com estímulos relaxantes, e ao mesmo tempo purificantes, para acalmar nossa mente e harmonizar o ruído dos nossos pensamentos. Trata-se de uma estratégia defensiva através da qual estimulamos nosso cérebro para oferecer-lhe paz e bem-estar.

Em alguns casos, as ações mais simples são as que oferecem melhores resultados. Sabemos que para gerenciar o estresse temos ao nosso alcance diversas teorias, terapias e perspectivas através das quais podemos aprender a priorizar ou a melhorar o enfoque nos nossos pensamentos. Todas elas são igualmente válidas, mas às vezes as estratégias mais elementares são as que mais nos ajudam em um dado momento.

Nossas experiências podem mudar dependendo de como usamos nossos sentidos. Se permitirmos que interajam com estímulos relaxantes, encontraremos a harmonia interna.

Uma delas se baseia simplesmente em fazer um bom uso do que a natureza nos oferece: nosso corpo, nosso organismo, nossos maravilhosos 5 sentidos. Cabe dizer que às vezes descuidamos deles, esquecemos o poder que há neles. De fato, nem sempre somos conscientes de toda a informação que nos transmitem, de sua energia e desse universo fascinante de sensações e percepções com as quais organizamos nosso mundo.

A terapia Gestalt, por exemplo, nos recorda que nossos sentidos são a porta de entrada das nossas emoções. Graças a eles exploramos, nos relacionamos e permitimos que entre uma informação ou outra. Fazer com que todos eles estejam em harmonia nos permitiria alcançar uma reconciliação interna, de forma que fosse possível gerenciar melhor o estresse.

Mulher caminhando em meio a plumas

1. Como usar os 5 sentidos para vencer o estresse: o olfato

O cheiro da grama recém cortada, do mar ao entardecer, o aroma do bolo que nossa avó fazia, o cheiro de terra molhada, o cheiro dos lápis de cores quando íamos ao colégio… Todos eles estão ancorados diretamente ao nosso passado ou a um momento feliz do nosso passado. Se isso acontece dessa forma, é devido a um fato tão concreto quanto fascinante: o olfato muitas vezes funciona como porta para o nosso mundo emocional.

Além disso, nosso córtex olfativo primário está conectado com o hipocampo e com a amígdala, duas estruturas cerebrais relacionadas de forma íntima com as emoções. Portanto, para administrar o estresse, algo que tem sido sempre de grande ajuda é a aromaterapia, ou seja, entrar em contato com determinadas fragrâncias relaxantes.

Estas seriam algumas delas:

  • Lavanda
  • Baunilha
  • Eucalipto
  • Hortelã
  • Jasmim
  • Gerânio
  • Melissa
  • Ylang Ylang

Orvalho em dente-de-leão

2. As cores que relaxam

Ao usarmos os 5 sentidos para vencer o estresse, não podemos menosprezar o que mais utilizamos: a visão. Quer acreditemos ou não, nosso entorno ambiental e a falta de equilíbrio, assim como a bagunça ou a presença de determinadas cores dominantes, podem intensificar a sensação de estresse e ansiedade.

Devemos fazer com que, em nossos cenários cotidianos, sempre haja algum estímulo visual relaxante: um no qual se possa descansar a vista por algum tempo. A seguir sugerimos algumas propostas.

  • Colocar uma planta com flores na janela mais próxima.
  • Colocar quadros com imagens onde apareçam rios, oceanos, chuva, lagos…
  • Há estudos que nos revelam que a cor azul é a mais terapêutica, a que mais acalma e gera bem-estar.

3. O paladar para combater o estresse

É bem possível que muitos de nossos leitores acreditem que poucas coisas podem ser mais relaxantes do que satisfazer o nosso paladar com uma boa xícara de chocolate quente, ou qualquer outra coisa que contenha este valioso ingrediente. Bem, é preciso deixar claro algo importante: para reduzir o estresse através do paladar é necessário saborear, ou seja, comer devagar, salivar, desfrutar sem pressa, parar o relógio…

Antes de recorrer exclusivamente aos doces, saiba que há outras opções alimentares perfeitas para tratar o estresse:

  • Abacate
  • Uvas
  • Aveia
  • Maçã
  • Chá verde
  • Mirtilo
  • Banana
  • Amêndoas
  • Salmão

Mulher tomando café da manhã

4. O som da harmonia, a calma do silêncio

Vivemos em um mundo colapsado por sons de todos os tipos, sons que muitas vezes superam os decibéis permitidos e que nos impedem de “escutar” algo tão valioso e catártico para o nosso cérebro: o silêncio.

Ao usar os 5 sentidos para vencer o estresse também não podemos descuidar do nosso ouvido. E para conseguir alcançar esse relaxamento necessário podemos optar por duas estratégias. A primeira é ouvir música e canções que gerem determinados tipos de emoções, como alegria, nostalgia, motivação, sentimento de superação…

A outra estratégia se basearia em ouvir sons relaxantes, como o da chuva, do canto dos pássaros, o ruído branco, o vento em um bosque, etc…

5. O tato, as sensações que fazem com que nos sintamos vivos

Nossa pele é uma superfície tecida com milhares de receptores esperando serem estimulados. Uma carícia, a água quente, a brisa do mar, lençóis limpos, a sensação de flutuar quando nadamos em uma piscina, um abraço de um ser amado envolvendo-nos até alcançar a nossa alma… O ser humano precisa de contato, a pele anseia ser estimulada de forma prazerosa todos os dias e, portanto, é vital que nos “presenteemos” com estas experiências sempre que possível.

Toda carência, toda falta de estímulo em nossa pele, gera fome sensorial. Nós nos sentimos vazios e a sensação de estresse se intensifica. No entanto, algo tão elementar como tomar um banho relaxante ou abraçar pessoas queridas várias vezes ao dia apaga muitos medos, tensões e ansiedades.

Casal abraçado

Para concluir, tal e como podemos ver, usar os 5 sentidos para vencer o estresse não é apenas possível, mas necessário para que possamos nos relacionar muito melhor com nosso entorno. Dessa forma, escolhemos quais estímulos podem ser mais propícios com a finalidade de investir no nosso equilíbrio interno, no nosso bem-estar e na percepção do que nos envolve.