5 sinais de que você está criando um filho narcisista

· junho 23, 2016

Os pais não podem descuidar da autoestima das crianças, porque dela depende um desenvolvimento emocional saudável. No entanto, atualmente tem sido dado tanta importância para a autoestima que os pais vão além do que é saudável e acabam criando um filho narcisista.

Um estudo recente sobre a egolatria na infância revelou que os pais que acreditam que os seus filhos são melhores do que as outras crianças não os ajudam a desenvolverem uma boa autoestima. Pelo contrário, os prejudicam e aumentam o risco de que se tornem narcisistas. Este estudo concluiu que para aumentar a autoestima infantil é importante que as crianças se sintam amadas, e não que se sintam melhores que os outros.

Segundo os pesquisadores, quando os filhos são vistos pelos seus pais como crianças especiais e melhores que os demais, elas podem internalizar a visão de que são superiores, uma visão que está centrada no narcisismo. Mas quando as crianças são tratadas pelos pais com amor e carinho, internalizam a ideia de que são pessoas valiosas, uma visão que é a base da autoestima.

No entanto, a supervalorização dos pais não é o único fator que determina o narcisismo. Assim como outros traços da personalidade, o narcisismo também é influenciado pela genética e em parte tem as suas raízes nas primeiras manifestações temperamentais. Assim, devido a sua personalidade, algumas crianças estão mais propensas a se tornarem narcisistas quando expostas a uma supervalorização dos pais.

Como perceber se você está educando uma criança narcisista

Os aspectos abaixo são sinais claros de que as suas práticas educacionais estão favorecendo o surgimento de uma atitude narcisista no seu filho. Revise e adapte estes aspectos para que o seu filho tenha um desenvolvimento emocional e psicológico mais saudável.

Não podemos esquecer que, do ponto de vista psicológico, o narcisismo é um transtorno de personalidade que tem muitas conotações negativas para a vida das pessoas, que no fundo acabam sofrendo com isso.

Fazer seu filho acreditar que ele é infalível

Algumas crianças têm dificuldade para acreditar em si mesmas; apesar de terem habilidades suficientes para desempenhar as tarefas, ficam paralisados por medo de errar. Para aumentar a sua autoestima é necessário que os pais as apoiem, elogiem, animem e transmitam confiança. Assim perceberão que são capazes, que vale a pena tentar.

Uma coisa é elogiar, reconhecer os seus sucessos, deixá-las confiar na sua capacidade de resolver os problemas, e outra muito diferente é fazê-las acreditar que nunca vão errar.

As crianças precisam aprender a conviver com o erro; este é o melhor “remédio” para uma criança narcisista. O erro faz parte da vida e da aprendizagem. Não é assim quando aprendemos a andar? Cair e levantar faz parte do aprendizado. Aquele que erra é aquele que se permite tentar, que tem a oportunidade de conseguir.

Comparar seu filho com outras crianças para mostrar que ele é superior

A partir dos 7 ou 8 anos as crianças começam a se comparar umas com as outras. Às vezes esse interesse pelas comparações começa antes incentivado pelos pais, que estão ansiosos para mostrar como seus filhos são bons ou as qualidades que acreditam que possuem.

Essas comparações criam muita pressão sobre as crianças, que não querem ficar “para trás” em relação aos seus amigos. Quando uma criança se destaca, é preciso reconhecer as suas realizações e virtudes, mas sem compará-la às outras.

Ser bom ou melhor em alguma coisa não significa ser superior, mas as crianças não veem assim. A sua personalidade está em formação e cabe aos adultos orientá-las corretamente.

Oferecer para a criança um modelo incapaz de ouvir críticas

Ouvir as críticas dos outros é muito desagradável para muitos adultos, imagine para uma criança narcisista. Mas é preciso oferecer um modelo para as crianças aceitarem as críticas construtivas. Não se trata de baixar a cabeça e dizer sim a tudo, mas de aceitar a crítica, refletir a respeito, discutir o problema e comprometer-se a mudar, se for o caso.

As crianças aprendem pelo exemplo. Se elas perceberem que seus pais não aceitam críticas, que são incapazes de mudar, que agem como se sempre tivessem razão, elas farão o mesmo.

Além disso, alguns pais não aceitam as críticas que fazem aos seus filhos, reagem de forma irracional e colocam as crianças em um pedestal de perfeição e superioridade.

Vangloriar e desculpar os seus defeitos

Uma coisa é ter orgulho de um filho, e outra muito diferente é supervalorizar e desculpar os defeitos para provar que ele é o melhor. Algumas crianças reagem se rebelando contra os pais e outras alimentando o seu narcisismo. Nenhuma das opções é um caminho fácil e saudável para elas.

De vez em quando as crianças “metem os pés pelas mãos”, mas não precisam se envergonhar. Desculpe o seu comportamento e mostre que não somos sempre perfeitos. O importante é aprender com os erros.

Falar mal das crianças diferentes ou “inferiores”

Uma criança diferente ou com menos capacidades não é uma criança inferior. Mas se o seu filho o ouve criticando-a por qualquer motivo, seja por uma deficiência intelectual, física ou porque está vestida de forma diferente, acredita que é superior a ela.

Muitas vezes essa forma negativa de falar sobre os outros é uma maneira que a pessoa encontra para mostrar-se melhor do que o outro.

Não é preciso mostrar o pior dos outros para que o seu melhor apareça. Se um pai insiste em falar mal das outras crianças para que o seu filho se sinta mais importante, a única coisa que conseguirá é que seu filho perca a verdadeira perspectiva sobre si mesmo e sobre o seu valor.