7 sinais precoces de Parkinson 

· junho 28, 2018

Você saberia identificar os sinais precoces de Parkinson? Este transtorno neurodegenerativo afeta o sistema nervoso, desencadeando mecanismos que causam dano e, posteriormente, provocando uma deterioração dos neurônios localizados na substância negra do cérebro.

A idade média de início da doença é de 60 anos, e a incidência aumenta significativamente com a idade. No entanto, por volta de 5% a 10% das pessoas que sofrem com a doença de Parkinson tiveram um início precoce, que começou antes dos 50 anos de idade.

Alguns casos de aparição adiantada estão vinculados a mutações de genes específicos, tais como o gene parkina. As pessoas com um ou mais familiares próximos que tenham Parkinson correm um maior risco de desenvolver a doença.

No entanto, o risco total continua sendo de apenas 2% a 5%, a menos que a família tenha uma mutação genética conhecida para a doença. Estima-se que entre 15% e 25% das pessoas com Parkinson saibam que têm um parente com a doença.

Em casos muito raros, os sintomas da doença podem aparecer antes dos 20 anos de idade. Essa doença é conhecida como Parkinsonismo Juvenil. Geralmente começa com distonia e bradicinesia, e os sintomas costumam melhorar com o medicamento Levodopa.

O que é o mal de Parkinson?

A primeira descrição da doença foi feita pelo médico James Parkinson em 1817. Esse médico britânico observou seis pacientes com os típicos sintomas da doença. Ele a chamou de “Paralisia Agitante”. Mais tarde, foi o célebre neurologista francês Charcot quem denominou a doença como Parkinson.

Como dizíamos no começo, a doença afeta o sistema nervoso, provocando a degeneração dos neurônios da substância negra do cérebro. Estes neurônios produzem dopamina. A dopamina é uma substância química fundamental para que o movimento do corpo seja realizado corretamente.

O que é o mal de Parkinson?

Quando o cérebro não dispõe de dopamina suficiente para manter um bom controle do movimento, as mensagens de como e quando se mover são transmitidas de forma errônea. Aparecem, então, de forma gradual, os sintomas motores típicos da doença.

Também foi observado que outros neurônios são afetados pela doença. Consequentemente, outros neurotransmissores como a serotonina, noradrenalina e acetilcolina também são afetados. Isto explicaria outros sintomas não motores da doença.

O Parkinson de início precoce

Quando pensamos em alguém que sofre da doença, imaginamos uma pessoa mais velha com um tremor nas mãos, que caminha muito lentamente, com as costas um pouco encurvadas e um certo grau aparente de rigidez corporal. É verdade que esta imagem não se distancia muito da realidade.

Porém, o tremor, a rigidez e a lentidão ao caminhar não são os únicos sintomas do mal de Parkinson. Além destes e de outros sintomas motores, existe um amplo leque de sintomas não motores. 

Esses sintomas não motores estão relacionados a mudanças cognitivas, comportamentais e emocionais. Podem provocar sérias dificuldades no dia a dia dos pacientes.

Por outro lado, não é raro que os sintomas motores e não motores típicos de Parkinson se manifestem em pessoas muito jovens. Embora a doença seja mais comum em pessoas mais velhas, ela não é exclusiva. 

Os primeiros sintomas da doença de Parkinson de início precoce, também conhecido como Parkinson Juvenil, podem ser precisamente os menos típicos, que são os não motores. Pelo fato dos sintomas não serem exclusivos da doença, e serem compartilhados por outras doenças, o diagnóstico, às vezes, é complicado. 

Mulher sentada de costas para o mar

7 sinais precoces de Parkinson

Existe uma série de sintomas que podem nos alertar a respeito do início precoce da doença. Existem mais sinais, mas vamos nos atentar a estes sete principais:

  • Transtornos do sono. Os transtornos mais comuns são a insônia (dificuldade para dormir), a síndrome das pernas inquietas e o transtorno de comportamento do sono REM.
  • Depressão. Costuma ser um dos primeiros sintomas a aparecer e, de fato, considera-se um indicador precoce da doença.
  • Outras alterações do humor. Além dos sintomas depressivos, também são muito comuns a ansiedade e a apatia. Esses sintomas podem influenciar a vontade de procurar ajuda e soluções.
  • Alterações cognitivas. Muita gente que sofre da doença precocemente diz que é difícil fazer mais de uma tarefa ao mesmo tempo. Outras funções também podem ser alteradas, como o funcionamento executivo, a lentidão de pensamento, problemas de atenção e concentração, problemas de memória e demência.
  • Tremores. Embora o início seja nas mãos, alguns pacientes começam a ter tremores na mandíbula ou em um dos pés. A característica mais marcante desse tremor é que ele acontece em repouso.
  • Bradicinesia. É uma perda gradual do movimento espontâneo. Ela se manifesta com uma lentidão geral do movimento. É um dos sintomas mais incapacitantes e frustrantes.
  • Fadiga. No Parkinson Juvenil existe uma sensação de estar cansado o tempo todo, sem forças físicas para nada.

Como vimos, o Parkinson não é uma doença exclusiva de pessoas idosas. Existe um tipo da doença que ataca pessoas mais jovens, o que pode ser muito desconcertante. Estes sete sinais podem ajudá-lo a procurar um especialista que possa realizar um diagnóstico precoce da doença.