A coragem nos faz maiores do que o medo - A Mente é Maravilhosa

A coragem nos faz maiores do que o medo

junho 10, 2018 em Emoções 0 Compartilhados
A coragem nos faz maiores do que o medo

Osho disse que a coragem vai primeiro e todo o restante vai depois. Então a sinceridade vai, quando é difícil mantê-la. Então o amor vai, quando as circunstâncias se colocam contra. Então a confiança vai, quando alguém falha conosco.

Na realidade, a coragem pode ser um grande princípio, mas a verdade é que nem todo o restante vai depois. Há algo que sempre acontece antes. Esse algo é o medo. Porque poucos corajosos existem sem medo, sem superação, sem indiretamente assumir uma derrota, que como resultado do acaso pode chegar exatamente como aos covardes. Assim, podemos dizer que o medo é o traje dos valentes em uma noite fria em que as dúvidas chegam ao fim.

“Não é a dificuldade que nos impede de ousar, as dificuldades surgem quando não temos a coragem de agir.”
-Arthur Shopenhauer-

Mulher em floresta vermelha

O medo e a coragem fluem nos heróis cotidianos

Um medo que aparece quando temos que contar a um amigo que o ferimos, que nós fomos os únicos que uma vez falamos mal dele. Que fomos nós que nos apressamos para julgá-lo, que o desencorajamos quando nos contou aquele sonho com o qual estava tão entusiasmado. A verdade é que era muito difícil para nós imaginá-lo sem as piadas usuais, despi-lo de seus defeitos mais comuns e pensar que ele poderia trabalhar tão duro. Havia falhado tantas vezes que paramos de lhe dar oportunidades antes da realidade.

Um medo que aparece quando alguém altera a frequência com que o nosso coração bate. Borboletas flamejantes que sufocam as palavras que não conseguem sair da nossa boca. Em nossa declaração, sem querer, sempre colocamos parte do nosso orgulho e tentamos fazer com que saia o melhor de nós. Imaginamos mil vezes a situação e não queremos, por nada no mundo, que isso que voa e nasce de nossas entranhas termine no chão. E não há outro lugar, além de uma declaração de amor, na qual a esperança, a petição e a súplica se fundem dessa maneira.

Um receio que nasce quando nos traem. Alguém que estava caminhando ao nosso lado desaparece e leva muitas listas que fizemos juntos, e até mesmo aquelas que nós fizemos… por nossa própria conta e risco. Vai embora e em parte nos deixa nus, porque qualquer papel em que escrevemos a partir de então parece se tornar opaco para acreditar no que escrevemos. E dizemos não, mil vezes não, com raiva, porque não queremos voltar a subir para cair imediatamente. Talvez lá embaixo o tédio e a apatia reinem, mas pelo menos estes mascaram a dor melhor do que uma dose de gim às duas horas da manhã.

Treme a mulher que diz à sua amiga que agora está em uma posição que nunca teria imaginado. Que o que começou como uma ameaça acompanhada por um sorriso sinistro, agora é uma coleção de pancadas que dão forma a um buraco escuro por onde passam mais e mais raios de luz.

Agora é como aquela mulher das notícias com o rosto maquiado pelos golpes, aquela de quem sempre se distanciou por não querer aceitar que um dia pudesse enfrentar a mesma situação. Ao mesmo tempo, ela sente que traiu todas as pessoas à sua volta, uma a uma, para que não descobrissem o motivo de sua insônia. Tudo por um amor, que já havia engolido seu corpo e estava prestes a estrangular sua alma.

A criança fala, olhando para o chão, porque tem dificuldade em colocar em palavras as situações que a superam. Não sabe o que fez para que seus companheiros de equipe o fizessem tropeçar, chutassem sua mochila ou enchessem sua bolsa de areia. Não conhece palavras para dizer aos adultos que a criança que eles amam é um menino triste que vive entre as ameaças.

Chora a mulher que tem que voltar para casa e explicar para sua família que ela acabou de ser demitida. Chora também seu amigo de infância que já está há dois anos procurando trabalho e só encontrou no caminho as pessoas interessadas em se aproveitar de sua desgraça, em manter as economias que ele agora gerencia com medo de que um dia próximo acabem. Amanhã, ela e ele sairão para a rua com o currículo na mão, e pouco ou nada valerá a sua experiência, porque isso serve apenas para os jovens que não a têm.

Mulher caminhando em floresta no outono

Coragem: antes que ousadia, inteligência

A verdade é que estamos rodeados por corajosos, silenciosos, amáveis e comprometidos. Nós também estamos cercados por pessoas que podem ser se nós lhes emprestarmos nossos recursos por um momento. Nosso tempo, nosso desejo, nossa ilusão, nossa voz ou nossas palavras. Se lhes dissermos que acreditamos neles e não deixarmos de lhes dar oportunidades.

Antes da coragem está o medo, e entre os dois, entre o incentivo e a atitude, está a inteligência. Porque a maioria dos valentes, pelo menos aqueles que sobrevivem, têm um ponto de audácia, mas têm uma inteligência ainda maior. Uma inteligência que não tem nada a ver com fechar os olhos e mergulhar na piscina, mas sim com a abertura para aumentar a conscientização nesses momentos críticos. Ao mesmo tempo, a coragem permite a criatividade, a liberação da intuição e o reflexo das mensagens que surgem dos nossos instintos.

Da coragem inteligente vem o orgulho e uma visão diferente do medo, que não perde o respeito, mas sim muda de lado. Ele deixa de ser um inimigo para se tornar um aliado, um sinal de alerta que marca locais onde talvez devêssemos colocar um ponto de cautela. O que não significa que vamos parar, mas que vamos fazer uma breve pausa para reavaliar a situação.

Os corajosos inteligentes povoam o mundo, falando, afirmando e alimentando sua fé sobre o que os outros podem pensar… e o fazem simplesmente porque pensam que aquilo que eles querem vale mais a pena do que o medo que o obstáculo que eles antecipam pode lhes causar.

“É preciso conhecer o inimigo”.
-Sun Tzu-

Recomendados para você