A regra do silêncio constrangedor, uma arma eficaz

Steve Jobs foi insultado enquanto dava uma palestra. Ao ouvir isto, ele parou seu discurso e permitiu um silêncio nada inocente, com o qual ele procurou obter um certo efeito. Falaremos sobre esta estratégia a seguir.
A regra do silêncio constrangedor, uma arma eficaz

Escrito por Edith Sánchez

Última atualização: 08 abril, 2023

A regra do silêncio constrangedor é uma ferramenta de inteligência emocional usada por pessoas como Jeff Bezos, criador da Amazon ®, ou Tim Cook, CEO da Apple ®. Quem a propôs explicitamente foi o consultor Justin Bariso, autor de um livro muito bem recebido: EQ Applied: The Real-World Guide to Emotional Intelligence.

A verdade é que quem recorre a esta estratégia não se cansa de ponderar os seus benefícios. Eles garantem que não é apenas uma arma eficaz para obter controle sobre um público ou um grupo de trabalho, mas também permite que as pessoas sejam muito mais assertivas em sua comunicação.

A regra do silêncio constrangedor, como o nome indica, tem a ver com ficar em silêncio por mais tempo do que o normal em circunstâncias específicas. Isso, na opinião de seus defensores, prende a atenção dos outros e ajuda a expressar melhor as ideias e ser mais claro e específico. Vamos ver o que está acontecendo.

“E quando você pratica a regra do silêncio constrangedor por tempo suficiente, você deixará de se sentir constrangido.”

-Justin Bariso-

A regra do silêncio constrangedor

A regra do silêncio constrangedor, como já dissemos, é ficar em silêncio por mais tempo do que os destinatários esperariam. Quanto tempo é esse período? O normal é que numa conversa ou numa dissertação não haja pausas superiores a 4 ou 5 segundos, no máximo. Mas, neste caso, as pausas duram 10 ou 20 segundos, até mais.

Por que é desconfortável? O cérebro dos seres humanos está adaptado para ter uma interação quase automática no âmbito de uma conversa. Enquanto um interlocutor fala, o cérebro do outro já prepara uma resposta. Além disso, o normal é que ele se abstenha de intervir até entender que o outro não encerrou sua intervenção.

No entanto, nos silêncios de que falamos, o apresentador que os gera interrompe sua fala em um ponto que não costumamos associar ao final, mas indica que continuará falando. Por outro lado, esse silêncio constrangedor também pode ocorrer quando um dos interlocutores encerra implicitamente sua fala e dá a palavra ao outro.

Mas que o outro demore para começar a falar causa desconforto e, muitas vezes, produz insegurança. “Eu disse algo errado?”, “Quanto você precisa pensar para me responder?” Imediatamente, surge uma expectativa maior diante do que a outra pessoa vai dizer. Aí reside o primeiro grande benefício de tal regra. No entanto, isso não é o mais importante.

Orador aplica regra de silêncio constrangedor
A regra do silêncio constrangedor é um recurso utilizado pelos palestrantes para captar a atenção do público.

Uma ferramenta de inteligência emocional

Além do interesse que pode despertar no interlocutor, o que realmente vale na regra é que ela oferece a possibilidade de organizar melhor as ideias, em vez de responder à primeira coisa que vem à cabeça. Pode-se dizer que é um antídoto contra a impulsividade na comunicação.

Juntamente com o que foi dito acima, fazer uma longa pausa permite que você melhore sua fala. Ao invés de dizer qualquer coisa, a informação é processada mentalmente e uma comunicação mais clara e direta é oferecida. Desta forma, você evita divagações e, em condições de trabalho, economiza tempo.

Segundo usuários regulares da regra em questão, ela oferece 8 benefícios específicos:

  • Promove a autoconfiança.
  • Ajuda a equilibrar as emoções.
  • Ajuda dizer o que realmente se quer dizer.
  • Permite-nos aprofundar um pouco mais no pensamento e na palavra.
  • Contribui para oferecer respostas mais valiosas aos interlocutores.
  • Beneficia a coerência da comunicação com os próprios valores e princípios.
  • A pausa serve para exercitar o pensamento, ao invés de recorrer a automatismos.
  • Quando a vez do locutor é silenciada, o ambiente também é silenciado.
Reunião da equipe de trabalho em reunião
Como ferramenta de comunicação, a regra do silêncio constrangedor abre uma margem para pensar melhor sobre o que você quer expressar.

Pratique a regra do silêncio constrangedor

Grandes empresários, como os que mencionamos no início, aplicam essa regra no dia a dia. Diz-se que Tim Cook, por exemplo, reúne seus executivos no início do dia, mas passa a primeira meia hora revisando seus e-mails em completo silêncio. Não se trata de um gesto arrogante, mas sim de um convite ao silêncio para que, quando a reunião começar, todos tenham algo valioso a dizer.

Claro, não somos Cook, Steve Jobs ou uma daquelas pessoas que basicamente fazem o que querem sem problema. Em circunstâncias mais cotidianas e habituais, é possível que fazer pausas tão longas possa ser interpretado como rejeição, desafio ou tentativa de dar importância.

Porém, quem conhece o assunto garante que, apesar de poder gerar certo choque, com o tempo a atitude é compreendida e o que ela causa é valorizado. Da mesma forma, há casos em que devemos dar uma resposta rápida, já que o assunto não tem muita importância. A chave é saber como usar a regra no momento certo.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.



Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.