No final, a última gota geralmente é uma lágrima

Às vezes, a última gota é uma lágrima e só então você percebe que não aguenta mais. É hora de assumir sua vulnerabilidade e processar tudo o que aconteceu.
No final, a última gota geralmente é uma lágrima

Última atualização: 05 Outubro, 2021

No final, a última gota costuma ser uma lágrima. Aí, tudo desaba e você fica ciente de que atingiu o limite, de que não aguenta mais, e se sente derrotado. Às vezes ouvimos que precisamos chegar ao fundo do poço para emergir novamente, mas e se você estiver nessas profundezas há muito tempo e tudo o que fizer for chorar e chorar?

Na verdade, não há pressa. Cada pessoa tem o seu tempo, o seu ritmo particular para processar as emoções e deixar-se germinar no silêncio sereno, como as plantas. Porque, de fato, há momentos em que tudo nos ultrapassa e não há outra opção a não ser aceitar nossa vulnerabilidade e ficar quieto para esclarecer prioridades, drenar o que dói e só então subir novamente.

Há algo importante que o psicoterapeuta Albert Ellis lembrou: a vida é realmente difícil, e não só pelos desafios e adversidades que temos de superar de vez em quando. Muitas vezes devemos lutar também contra nós mesmos, contra aquele desejo inato de fazer tudo certo e alcançar tudo o que nos propusemos a fazer.

Falhar, cair, tropeçar, perder e lidar com uma realidade tão complexa e incerta é normal. Mesmo assim, é difícil para nós aceitar isso, porque fomos educados para poder com tudo. Então, como agimos quando a vida nos oprime?

“Cada lágrima ensina a verdade aos mortais”.
-Platão-

Homem triste chorando

A última gota geralmente é uma lágrima (quando você não aguenta mais)

“O que fazer quando você não aguenta mais?” Esta é uma pergunta que muitas pessoas se fazem quase todos os dias. O complicado é que vivemos em uma sociedade em que quanto mais você faz, mais é valorizado. Estar ocupado e fazer inúmeras coisas define aquela pessoa altamente eficaz e competente que todos admiram.

No entanto, aqueles que não conseguem são marcados como preguiçosos, fracos e até mesmo irresponsáveis. E o que é pior, até a própria pessoa tem uma percepção negativa de si mesma quando não consegue cumprir suas obrigações. Porém, às vezes acontece: a última gota é uma lágrima, e então só se pode mergulhar naquele copo de decepções, cansaço e angústia.

Não poder mais não é o fim do mundo, é um chamado para despertar. Quando a vida dói e as lágrimas surgem, só há uma opção: passar algum tempo no inverno, enrolar-se com o próprio corpo e entrar em contato com as próprias emoções. Mesmo que doa…

Quando você não aguenta mais, a vida é levada ao limite

E você, quanto você é capaz de suportar? Talvez demais. Eles podem ter feito você acreditar que ser forte significa poder com tudo. É possível que o tenham convencido de que os bravos não reclamam de nada e resolvem tudo. Além disso, eles têm uma resposta para cada problema e costas enormes que carregam as suas próprias preocupações e as das outras pessoas.

Até que finalmente acontece: a gota d’água é uma lágrima e você descobre que não aguenta mais. Você tem dado mais do que tem há tanto tempo e negligencia o que precisa que a angústia se dissolve em você como um torrão de açúcar.

Você atingiu o limite e não tem escolha a não ser aceitá-lo, supor que talvez estivesse fazendo mais do que poderia e se negligenciando mais do que deveria.

A última gota costuma ser uma lágrima, e então tudo que você faz é chorar

Esgotamento físico e mental, dores de cabeça, dificuldade de adormecer e vontade de chorar. Você atingiu o fundo, você o sente, você percebe sua mente e seu corpo como aquela pedra que afunda nas profundezas e não é mais capaz de subir.

Você não pode mais. Chegou aquele momento em que só há uma opção: concentrar-se em si mesmo. É hora de aposentar sua armadura cheia de golpes, aquela couraça de herói falso que tentou salvar a todos menos a você. Agora só você importa e cura o que dói. Porém, lembre-se: o processo é lento, trabalhoso e com muitos altos e baixos.

Você deve hibernar como os ursos. Você se sentirá como uma pedra no fundo de um rio. Todos se movem enquanto você se percebe imóvel, mas na realidade você não é uma pedra, você é uma semente que mais cedo ou mais tarde acabará germinando criando algo novo e mais belo.

Esse processo leva tempo e você deve navegar com suas emoções naquela delicada ascensão à superfície…

Mão com um coração de flores

Você vai florescer de novo, passo a passo e com ajuda

As lágrimas derramadas permitirão que você alimente seu crescimento emocional posterior. Porque somente quando drenamos a dor abrimos espaço para novas esperanças.

O cansaço, por sua vez, estará presente em sua vida por um tempo. Na verdade, ele é um fator comum em muitos transtornos do humor, como a depressão, conforme explicado em um estudo do Dr. Steven D. Targum, consultor do departamento de psiquiatria do Massachusetts General Hospital.

Dê-se tempo, deixe-se germinar com paciência e ajuda. O apoio é a respiração diária que te guiará nos momentos mais sombrios e também a mão que, dia após dia, te tirará de suas profundezas. Porque, afinal, todos nós chegamos ao fundo do poço em algum momento, todos sentimos que atingimos o limite. Essa experiência não é o fim, é apenas um recomeço.

Você florescerá novamente e suas raízes ficarão mais fortes e mais profundas. Você estará pronto para continuar crescendo na direção que você deseja, com tons renovados.

Pode interessar a você...
A amargura das lágrimas não derramadas
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
A amargura das lágrimas não derramadas

Às vezes, uma profunda amargura das lágrimas não derramadas nos invade, um nó se forma em nossa garganta e a nossa mente fica presa em um beco sem ...



  • Meijsing M. Being ourselves and knowing ourselves: an adverbial account of mental representations. Conscious Cogn. 2006 Sep;15(3):605-19. doi: 10.1016/j.concog.2005.11.003. Epub 2006 Jan 26. PMID: 16442814.
  • Izard C. E. (2009). Emotion theory and research: highlights, unanswered questions, and emerging issues. Annual review of psychology60, 1–25. https://doi.org/10.1146/annurev.psych.60.110707.163539
  • Keller AS, Leikauf JE, Holt-Gosselin B, Staveland BR, Williams LM. Paying attention to attention in depression. Transl Psychiatry. 2019 Nov 7;9(1):279. doi: 10.1038/s41398-019-0616-1. Erratum in: Transl Psychiatry. 2020 Feb 12;10(1):64. PMID: 31699968; PMCID: PMC6838308.