A vida é o que acontece enquanto fazemos outros planos

A vida é o que acontece enquanto fazemos outros planos

agosto 25, 2015 em Emoções 283 Compartilhados
a vida

“Quando me amei de verdade, compreendi que, em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato. E então, pude relaxar. Hoje sei que isto tem nome… Autoestima.

Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia, meu sofrimento emocional, não passam de um sinal de que estou indo contra as minhas verdades. Hoje sei que isto é… Autenticidade.

Quando me amei de verdade, parei de desejar que minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento. Hoje chamo isso de… Amadurecimento.

Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento, ou que a pessoa não está preparada , inclusive eu mesmo. Hoje sei que o nome disto é… Respeito.

Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não era saudável… Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou isto de egoísmo. Hoje sei que se chama… Amor próprio.

Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalomaníacos de futuro. Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo.
Hoje sei que isto é… Simplicidade.

Quando me amei de verdade desisti de querer ter sempre razão, e com isto, errei menos vezes.
Hoje descobri a… Humildade.

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o pó do passado e de me preocupar com o futuro. Agora me mantenho no presente que é onde a vida acontece. Hoje vivo um dia de cada vez. Isto é… Plenitude.

Quando me amei de verdade, percebi que a minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande aliada. Tudo isso é… Saber viver“.

Charles Chaplin

Suas forças são maiores que suas dúvidas e seu trabalho consiste em experimentar para estar a par do quão difícil é manter algo sem compreender a importância destes valores. Não se engane, porque não faz diferença se você não tem o melhor e mais moderno modelo de celular do mercado, se fará a viagem mais cara, se será um sucesso retumbante ou se conseguirá o corpo ideal a golpes de bisturi.

John Lennon disse uma vez que a vida é o que acontece enquanto estamos fazendo outros planos”. Agimos como se não houvesse um limite de tempo, quando na realidade o tempo é o que existe de mais finito; ele sempre chegará a seu fim.

Levantamos a cada dia como se tivéssemos a eternidade para compreender no que consiste a nossa realização, e damos passos além de nossas metas. Nos esquecemos de que a fugacidade da areia ao passar ao outro lado da ampulheta é a nossa opção diária de passarmos para o outro lado e seguirmos escalando a montanha da felicidade interior. Também nos esquecemos de que, por enquanto, esta é a única vida que temos a certeza de podermos compartilhar.

Você poderia parar para pensar que, talvez, algo esteja lhe escapando. Poderia refletir sobre quais são os verdadeiros valores que você ainda não compreendeu, se você se importa tanto em fazer o que a sociedade entende como certo ou se mais importante para você é seguir o que você sente. Não é que seja incompatível, é que o primordial é o que você sente.

Vivemos em um mundo que não nos permite compreender que, dia após dia, o sol se põe mais cedo. Estamos tão ocupados sonhando e programando o futuro que dedicamos o tempo presente para empacotar esses sonhos que achamos que algum dia iremos realizar e os enviamos para um destino que talvez nunca chegará.

Postergamos a nossa vida para uma época melhor na qual teremos mais horas no dia ou teremos conseguido cumprir os nossos objetivos. E, com isto, nos esquecemos de que o nosso relógio não conhece o mundo para além das 24 horas que ele sabe marcar e que a opção de brigar com os nossos sonhos é o que nos outorga o dia de hoje.

Nos esquecemos de que viver é compreender que o tempo passa sem rodeios e que ele nos dá a opção de apreciar as pequenas coisas que a vida nos oferece, para nos amarmos de verdade. Viver consiste precisamente nisso: em saber reconhecer e apreciar os caminhos que nos dão pistas para compreendermos que nossa metade da laranja está dentro de nós e que não faz muito sentido procurá-la do lado de fora. Esse é um dos presentes mais importantes da vida.

Enquanto você se dispõe a desorganizar seu mundo para que tudo isso ocorra, não se esqueça de que “A felicidade humana geralmente não é alcançada com grandes golpes de sorte, que podem ocorrer poucas vezes, mas sim com pequenas coisas que ocorrem todos os dias.” (Benjamin Franklin).

Recomendados para você