Aceitar as emoções negativas pode nos fazer mais felizes?

maio 25, 2019
Embora seja desagradável sentir emoções negativas, aprender a aceitá-las pode nos trazer muitos benefícios.

Sentir emoções negativas não é agradável e pode até ser doloroso, principalmente se levarmos em consideração que o nosso cérebro tende a buscar o prazer e evitar a dor. Por isso, aceitar as emoções negativas pode ser complicado, embora seja verdade que tem um impacto em nossos níveis de bem-estar.

Emoções como o medo, a tristeza ou a raiva – classificadas como negativas – tendem a ser reprimidas. O problema é que essa repressão tem consequências a longo prazo, tanto física quanto mentalmente. Porque o fato de evitá-las ou rejeitá-las não faz com que desapareçam, pelo contrário. De alguma forma, elas se acumulam em nosso interior e geram mais sofrimento.

Assim, enfrentar nossas emoções negativas de forma construtiva pode nos ajudar a evoluir, alcançar objetivos cruciais na vida, manter vínculos saudáveis com os demais e, sobretudo, conhecer a nós mesmos. Vamos nos aprofundar um pouco mais nesse assunto.

“Não me cansarei de ressaltar a importância de aprender a usar as emoções negativas pelo que são, chamadas para a ação, e de me comprometer a cultivar as emoções positivas”.
-Tony Robbins-

Mulher cheia de emoções negativas

Aceitar as emoções negativas sem julgá-las

A raiva, o medo ou a tristeza são emoções que fazem parte do nosso dia a dia. No entanto, assim como indicam alguma coisa sobre nós e sobre as necessidades que temos quando as sentimos, também costumam provocar estresse ou ansiedade se não soubermos lidar com elas. Por isso, frequentemente, optamos por evitá-las, ignorá-las ou, inclusive, desautorizá-las.

Na verdade, as emoções negativas podem ser saudáveis para nós. Administrar essas emoções sem negá-las nem julgá-las pode ser melhor do que ignorá-las.

Aprender a lidar com as emoções negativas pode ser complexo, já que implica enfrentá-las, analisá-las e refletir sobre o que elas querem nos transmitir. Isso não significa que devemos ser permissivos com elas, mas que saibamos agir, que sejamos conscientes do que estamos sentindo e de por que e para que nos sentimos assim.

Lidar com as emoções negativas não significa permitir que elas nos invadam, mas mantê-las controladas sem negar que as sentimos.

A diferença entre a aceitação e o sofrimento

É importante tentar ter consciência da diferença existente entre aceitar as emoções negativas que podem nos fazer sofrer e a experiência do sofrimento autoimposto.

A aceitação está estreitamente vinculada com o equilíbrio. Com base nisso, a cultura ocidental atual tende a exigir de nós a manutenção constante do sentimento de felicidade, o que pode ser uma expectativa pouco realista que pode vir a prejudicar o nosso bem-estar psicológico.

O equilíbrio reside em viver uma vida que tenha positividade e negatividade em sua justa medida. Portanto, a combinação de ambos os extremos pode nos ajudar a trazer uma satisfação tranquila à nossa vida.

No entanto, é um processo que exige tempo e trabalho. Aceitar as emoções negativas não é simples, já que a aceitação, como qualquer outro hábito cognitivo, é uma habilidade que se aperfeiçoa e desenvolve com o tempo.

“A dor é inevitável; o sofrimento é opcional”.
-Buda-

Estratégias para lidar com as emoções negativas

Existem várias estratégias que foram exploradas e recomendadas para aceitar e processar as emoções negativas. Apesar disso, há um grupo específico de abordagens que está ganhando popularidade. Na pesquisa de Ceri Sims, elas são chamadas de TEARS of HOPE.

TEARS

  • T – Teach and learn (ensinar e aprender). Essa estratégia implica trabalhar a autoconsciência e aumentar o conhecimento sobre o corpo e a mente e a forma como ambos respondem aos diferentes estados emocionais. Dessa forma, será mais fácil compreender quando se está chateado e por quê, além de saber interpretar os sinais que o corpo envia.
  • E – Express and enable sensory and embodied experiences (expressar e habilitar experiências sensoriais e corporais). Essa técnica se baseia em incentivar a abertura e a curiosidade internas para aumentar a aceitação do que for ocorrendo no dia a dia.
  • A – Accept and befriend (aceitar e fazer amizade). Trata-se de aumentar a autocompaixão e a tolerância à frustração.
  • R – Re-appraise and re-frame (reavaliar e re-enquadrar). Essa técnica consiste em aprender a ver as coisas de outra maneira. Para isso, podem ser utilizadas as abordagens cognitivas comportamentais.
  • S – Social support (apoio social). Essa estratégia põe em evidência a tentativa de expandir os sentimentos de conexão com os demais e a autocompaixão, ao mesmo tempo em que se esforça para melhorar as relações. A meditação e o mindfulness podem ajudar nisso.
Meditação na natureza

(of) HOPE: ‘(de) esperança’

  • H – Hedonic wellbeing/hapiness (bem-estar hedônico/felicidade). A pesquisa sobre o tema mostra que pode ser benéfico manter uma taxa de 3 emoções positivas para 1 negativa. Isso significa que é importante manifestar experiências positivas no dia a dia, nos concentrar em lembranças felizes e saborear os sucessos para aumentar a quantidade de tempo que um estado mental positivo ocupa e tentar compensar as emoções negativas.
  • O – Observe and attend to (observar e cuidar). Essa técnica se foca em praticar a atenção plena e não prestar tanta atenção em coisas que não são realmente importantes.
  • P – Physiology and behavioral changes (fisiologia e mudanças de comportamento). Costuma ser produtivo se focar em relaxamento, exercícios de respiração e autocuidado.
  • E – Eudaimonia Implica um sentimento de autenticidade e luta pelos objetivos pessoais na vida.

Aceitar as emoções negativas ajuda a se sentir melhor

A maioria dos profissionais de saúde mental concorda que aceitar as emoções negativas sem julgá-las pode ser uma das melhores maneiras de melhorar o bem-estar psicológico. Por isso, é comum que os psicólogos recomendem senti-las para que possamos administrá-las.

Assim, uma dica importante para melhorar o bem-estar emocional é aceitar, em primeiro lugar, que se luta contra as emoções negativas. Em relação a isso, Iris Mauss, um professor adjunto de Psicologia na Universidade UC Berkeley, explica que “as pessoas que habitualmente aceitam suas emoções negativas sentem menos esse tipo de emoção, o que equivale a uma melhor saúde psicológica”.

Além disso, de acordo com vários estudos, as pessoas que tendem a se sentir menos incomodadas pelos sentimentos negativos que sentem podem ter níveis mais altos de bem-estar do que aqueles que têm maiores chances de repreender a si mesmos.

Como vemos, aceitar as emoções negativas e trabalhá-las é fundamental para alcançar o bem-estar.

  • Cacioppo JT, Gardner WL, Berntson GG. El sistema de afecto tiene componentes de procesamiento paralelos e integrativos: la forma sigue la función. Revista de Personalidad y Psicología Social. 1999; 76 (5): 839-855.
  • Cámaras R, Gullone E, Allen NB. Regulación emocional plena: una revisión integradora. Revisión de la psicología clínica. 2009; 29 (6): 560–572.
  • Sims, C. (2017). Second wave positive psychology coaching with difficult emotions: Introducing the mnemonic of ‘TEARS HOPE’. The Coaching Psychologist, 13(2), 66-78.