Alcoorexia, um novo transtorno alimentar

· junho 19, 2018

Apesar do seu nome ser desconhecido para muitos, sua incidência está aumentando. A alcoorexia é um transtorno alimentar muito grave que está presente na sociedade atual. Sua principal característica consiste no fato de que a pessoa que padece desse transtorno escolhe substituir as calorias que são proporcionadas pelos nutrientes e alimentos pelas existentes nas bebidas alcóolicas, com o objetivo de conseguir emagrecer.

Não ingerir comida pode causar, a longo prazo, um processo anêmico de difícil remissão. Se, além disso, adicionarmos o dano causado a vários órgãos do nosso corpo pelo consumo regular de álcool, excessivo e em jejum, o perigo aumenta terrivelmente. Esta doença é um problema duplo: a mistura de um transtorno alimentar e do vício em álcool. Vamos ver, com detalhes, no que ela consiste.

Parar de comer para beber

As pessoas que sofrem de alcoorexia estão muito preocupadas com o seu peso, mas elas não vão a um nutricionista ou a um médico especialista para serem orientadas com uma dieta metabólica adequada. Do mesmo modo que acontece com outros transtornos de conduta alimentar (TCA), sua obsessão faz com que deixem de comer sem supervisão profissional, junto com um fator de risco extra: ingerir álcool em grandes quantidades.

O principal objetivo destas pessoas é conseguir emagrecer realizando duas ações. Por um lado, inibindo a ingestão de alimentos e, por outro, consumindo álcool sem restrições. Este último é considerado o substituto da sua dieta alimentar. O perigo para a saúde é tanto que, em vários casos, os afetados acabam falecendo.

Alcoolismo

Comorbidade

Os especialistas concordam em considerar a alcoorexia um tipo de transtorno de conduta alimentar não especificado que, em muitos casos, vem acompanhado da bulimia e da anorexia. Em várias ocasiões, estas pessoas provocam o vômito para eliminar as calorias excedentes do álcool ingerido.

No entanto, também podem existir pessoas com alcoorexia sem que ela ocorra junto com outro transtorno alimentar. Ou seja, elas se alimentam pouco e mal, e costumam beber muito.

Consequências físicas

A consequência mais grave da alcoorexia é o coma alcoólico. Uma alta quantidade de álcool no sangue pode provocar este estado. Se, além disso, nós adicionarmos o fato de que não ter alimentos no estômago facilita uma absorção mais rápida do álcool, podemos dizer que o organismo entra em colapso. Ele não consegue neutralizar tamanha desidratação. Então, a overdose etílica pode causar uma cirrose e, consequentemente, a morte.

Além disso, a desnutrição e a anemia costumam ser seus dois sintomas mais evidentes. Assim, os baixos níveis de vitaminas e de minerais causam uma reação em cadeia no corpo: queda de cabelo, amenorreia, fraqueza muscular, dificuldade para dormir bem, falta de concentração, etc.

Mais consumo, maior tolerância

A dificuldade em deixar qualquer vício está na necessidade crescente de consumir uma quantidade cada vez maior dessa substância para conseguir alcançar o mesmo efeito. Este fenômeno também é conhecido como tolerância. Por exemplo: no primeiro dia, com duas doses de álcool conseguimos sentir uma sensação prazerosa. No terceiro dia, precisamos de três doses. Depois de duas semanas, bebemos cinco doses. E assim progressivamente, até que as quantidades necessárias sejam gigantescas.

Na alcoorexia também acontece este mesmo fenômeno. Assim, cada vez que as pessoas afetadas adotam este comportamento, precisam de uma ingestão maior de bebidas alcóolicas para conseguir inibir o seu apetite. É um ciclo interminável.

Mulher viciada em álcool

População de risco

Atualmente temos notado um aumento do consumo de álcool entre jovens e adolescentes. Em muitas ocasiões eles pulam as refeições porque sabem que irão consumir álcool durante a noite. Além disso, entre estes grupos, as mulheres costumam se mostrar muito mais preocupadas com a sua aparência física nesta idade, ainda que o tema não seja completamente ignorado pelos homens, que também são muito inseguros com relação à sua identidade e imagem corporal.

Portanto, particularmente nesta idade, os pais devem estar atentos diante dos possíveis indicadores deste tipo de comportamento de risco. É fundamental promover a educação preventiva e alertá-los através do diálogo sobre os problemas que podem ser causados tanto pela privação da alimentação quanto pelo excesso de álcool. Ainda mais neste período, quando eles ainda estão em pleno crescimento e desenvolvimento psicológico.

Tratamento da alcoorexia

A alcoorexia é um tipo de transtorno alimentar que ainda não está incluído nos principais manuais de diagnóstico psicológico. No entanto, o seu tratamento deve ser efetuado de modo integral. Por um lado, deve ser realizado um controle clínico e toxicológico, com exames de sangue que permitam conhecer o estado inicial e a evolução do paciente. Por outro lado, a terapia psicológica e o acompanhamento nutricional também são extremamente necessários. Isso não só vale para a pessoa que padece desse transtorno alimentar, mas também para o seu entorno mais próximo.