Amar para que nos amem

· novembro 13, 2015

Sim, alguém poderia pensar em escrever um livro intitulado “método infalível para encontrar o parceiro certo e ter um relacionamento recíproco e duradouro.” Certamente seria um sucesso de vendas. Todos os dias vemos pessoas que estão insatisfeitas com o parceiro ou experimentam uma solidão avassaladora, e o que elas querem é encontrar o amor verdadeiro em suas vidas.

Muitos gostariam de encontrar a resposta perfeita ou a maneira certa de viver plenamente o amor romântico. Este sentimento superestimado na sociedade contemporânea quase se tornou uma desculpa para a infelicidade, já que muitos o buscam e, ao mesmo tempo, ele é a fonte de grande parte da frustração que sentem. O que acontece na realidade?

A metade da laranja e a laranjada

A sociedade de hoje nos dá infinitas possibilidades de vivermos cada vez com mais conforto e com melhor qualidade em termos de instalações materiais. A contrapartida é que as sociedades modernas também são verdadeiras fábricas de pessoas angustiadas, deprimidas e que se sentem sós.

Amar se tornou, no imaginário de muitos, a resposta definitiva para a insatisfação com a vida. Muitas mulheres sentem que não existem porque não são amadas por um homem. Às vezes elas escolhem fazer o oposto: estão dispostas a provar que não precisam de um homem para nada, mas endurecem sua personalidade, tornam-se agressivas e não se mostram exatamente muito felizes.

Para os homens, o amor de uma mulher também reafirma o seu próprio valor. Apesar de não confessarem de forma tão aberta quanto as mulheres, eles estão cheios de fantasias românticas ou sexuais. Eles, às vezes, mostram uma ganância insaciável de conquista, em uma atitude que é muito semelhante à ansiedade. Às vezes, eles sonham com esta mulher que poderia dar pleno sentido às suas vidas, além de estabilidade e uma clara direção.

O problema para algumas pessoas é que o “parceiro ideal” ou a “metade da laranja” nunca aparece. “Você tem que beijar muitos sapos antes que o príncipe apareça”, dizem algumas mulheres. “Porque para ser infeliz, basta querer fazer todas as mulheres felizes”, dizem alguns homens. Outros esperam, tentam, tentam…, mas na maioria das vezes não conseguem combinar as duas metades da laranja. Prova disso são as altas taxas de divórcio, separação e as a constante renúncia das pessoas à viver com um parceiro.

As saídas para amar

Embora muitos não digam em voz alta, eles realmente não querem amar, mas andam em busca de alguém que os ame. Alguém que, naturalmente, não pode ser qualquer pessoa. Deve ter algumas pequenas qualidades: a compreensão de um psicanalista, a serenidade de um monge budista, a criatividade de um engenheiro da NASA e o encanto de uma celebridade de Hollywood. É certo que esta pessoa também deve ter habilidades notáveis ​​na cama, e será melhor ainda se for acompanhado de uma espessa conta bancária ou um corpo escultural de outro mundo.

Esta descrição vai fazer muitos se sentirem aterrorizados. “Não! Eu não procuro isso! Eu sou muito mais realista.” Na verdade, eles estão mentindo para si mesmos. Por que reclamam de seus parceiros por não serem como esse ideal imaginário? Por que eles acabam culpando os seus parceiros por sua própria infelicidade, ou simplesmente vivem sozinho porque ninguém atende às suas expectativas?

A princípio, muitos procuram no companheiro uma concretização do ideal de ego. Eles se envolvem em um relacionamento não por amor, mas para resolver tarefas pendentes. O problema é que, inconscientemente, todos nós acabamos nos sentindo atraídos por aqueles que são mais parecidos conosco. Então, mais cedo ou mais tarde, nós vemos refletidas aquelas “pendências” no outro, e isso pode ser intolerável.

Finalmente, se alguém decidir escrever um livro chamado “método infalível para encontrar o parceiro certo e ter um relacionamento recíproco e duradouro”, provavelmente só terá que incluir um texto curto: conheça a si mesmo. Aceite-se e aprecie o que você é. Renuncie ao egoísmo da infância. Aprenda a amar com generosidade e respeito os defeitos dos outros. O resto virá facilmente.

Imagem cortesia de Pablo Fernández