Ansiedade e estresse na busca de emprego, um sofrimento silencioso

janeiro 13, 2019
A ansiedade e o estresse na busca de emprego podem levar ao aparecimento de uma depressão maior. Nestes casos, a terapia cognitivo-comportamental é a que mais pode nos ajudar a fazer uma mudança em nossa atitude.

Às vezes, até o simples fato de preparar nosso currículo provoca ansiedade. O estresse na busca de emprego é uma realidade cada vez mais evidente devido a um fato importante: caímos em estados de completa vulnerabilidade ao perceber que ninguém liga, que não há respostas às nossas candidaturas. As baixas expectativas somadas à incerteza aumentam ainda mais o sofrimento.

Quando buscamos informação sobre o estresse e a ansiedade ligados à busca de emprego, é comum encontrar orientações, por exemplo, de como passar por uma entrevista com sucesso.  Como sabemos, não faltam bons conselhos para lidar com o nervosismo durante os processos de seleção.

No entanto, há um aspecto que costuma ser deixado de lado, uma dimensão muito presente na sociedade da qual mal se fala.

Nós nos referimos às pessoas com depressão ou algum transtorno do humor que estão desempregadas e que se veem incapazes de encontrar um emprego. De fato, em 10 de outubro foi celebrado o dia mundial da saúde mental, mas não se destacou nem foi dada a devida visibilidade a esse grupo de pessoas específico que costuma passar quase despercebido.

Embora nos surpreenda, há um dado que não podemos ignorar. Nós nos referimos ao que demonstram estudos como o realizado por Barbara J. Jefferis, da University College London: o desemprego e a busca de trabalho frustrada estão diretamente relacionados com a depressão maior.

Frequentemente, os primeiros indícios dessa condição começam a aparecer quando o simples processo de preencher nossos dados para uma potencial vaga já se transforma em um fato estressante. Vamos analisar mais informações sobre esse assunto a seguir.

Procurar emprego

Ansiedade e estresse na busca de emprego, uma realidade muito comum

Sentir uma certa ansiedade e estresse na busca de emprego é comum. Geralmente, isso acontece com aqueles que acabam os estudos e, ao preencher o curriculum vitae, percebem que têm mais formação do que experiência.

Também é comum naqueles que, com mais idade e experiência, se veem de repente em um cenário devastador, caótico e cheio de incertezas como o da busca de emprego. A alta demanda e a escassa oferta nos levam, muitas vezes, a encarar eternas salas de espera nas quais aguardamos uma oportunidade.

A Universidade de Chicago realizou um estudo ao longo de vários anos com um grupo de 282 pessoas, no qual concluiu que,na hora de encontrar um emprego, o menos importante é “quanto você sabe” ou “o que você sabe fazer” e o mais significativo é “quem você conhece”.

Este tipo de realidade nos leva a estados de vulnerabilidade e abatimento. Dessa forma, é bastante frequente que muitas pessoas, independentemente da idade e da formação, comecem a condicionar qualquer aspecto relacionado com a busca de emprego e o vejam como um foco altamente estressante.

O tempo que passa, somado aos fracassos e ao telefone que não toca, alimenta a frustração e intensifica ainda mais a ansiedade.

Indicadores associados ao estresse na busca de emprego

Vamos ver a seguir quais comportamentos, pensamentos e situações costumam caracterizar as pessoas que sofrem de ansiedade e estresse na busca de emprego:

  • Falta de confiança perante cada oferta de emprego lida ou recebida.
  • Sensação de que a incerteza fica cada vez mais difícil de enfrentar, digerir e suportar.
  • Adiar o momento de enviar currículos.
  • Ansiedade quando é preciso preencher os dados para uma oferta de emprego.
  • Desmotivação na hora de participar de um processo seletivo devido aos insucessos anteriores.
  • Pouco a pouco, a pessoa começa a duvidar de suas próprias capacidades pessoais e profissionais.
  • Muitas vezes, o ambiente também não é facilitador. A família e os amigos da pessoa que busca um emprego também podem projetar baixas expectativas e negativismo perante a possibilidade de encontrar uma vaga.
Mulher buscando emprego no celular

Como superar o estresse na busca de emprego?

Todos nós somos competentes, todos somos válidos e merecedores não apenas de um emprego, mas de um bom emprego.

Poderíamos falar, sem dúvida, da necessidade de ter criatividade, de em vez de buscar um emprego, tentar oferecer nossos recursos e capacidades inovadoras, mostrando-nos como pessoas capazes de oferecer algo novo ao mercado de trabalho. Estas são excelentes ideias, mas muitas vezes entram em conflito com uma realidade evidente.

Se não estamos bem psicologicamente, é muito difícil dar o melhor de nós mesmos. Porque as experiências contínuas de fracasso mergulham as pessoas em um túnel no qual nem sempre conseguem ver a luz. Por isso, nestes casos, as fórmulas mágicas não funcionam. O que vale é receber ajuda profissional e especializada.

Assim, a terapia cognitivo-comportamental pode nos permitir não apenas reorientar o diálogo interno, mas também afastar o pessimismo e amenizar a sensação de fracasso. Além disso, nos levará a desenvolver melhores habilidades para criar novos comportamentos e novas atitudes com as quais enfrentaremos o mercado de trabalho com mais ideias, ânimo e força.

Por fim, e somados à ajuda psicológica, estes são conselhos simples, mas poderosos, que podemos aplicar:

  • Os pensamentos negativos dificultam as oportunidades.
  • É preciso mudar a atitude mental.
  • Devemos cuidar de nós mesmos: o exercício, a leitura e a boa alimentação são indispensáveis.
  • É necessário contar com um bom apoio social, evitando pessoas que nos sufocam com seu pessimismo e derrotismo.
  • O mindfulness também é muito adequado para desenvolver uma atenção mais plena, para lidar melhor com nossas emoções.

Por fim, e não menos importante, para combater o estresse na busca de emprego vale a pena ter criatividade e proatividade. Por vezes, os momentos mais obscuros abrem caminho para que surjam as ideias e projetos mais brilhantes.

Jefferis, B. J., Nazareth, I., Marston, L., Moreno-Kustner, B., Bellón, J. ángel, Svab, I., … King, M. (2011). Associations between unemployment and major depressive disorder: Evidence from an international, prospective study (the predict cohort). Social Science and Medicine73(11), 1627–1634. https://doi.org/10.1016/j.socscimed.2011.09.029

Weiss, P. (2006). Encontrar un trabajo. Science News , 169 (22), 1–9.

Granovetter, M. (1995). Getting a Job: A Study of Contacts and Careers. University of Chicago Press25(3), 391. https://doi.org/10.1103/PhysRevE.69.056208